segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

DA OBSESSÃO















estrela_116.gif
forcas.gif (99664 bytes)forcas.gif (99664 bytes)

forcas.gif (99664 bytes)forcas.gif (99664 bytes)

estrela_116.gif

ONDE NASCEM AS 
OBSESSÕES ESPIRITUAIS ?

Por Bruno Gimenes 


Obsessão é o ato de exercer influência do tipo negativa. Trata-se de um termo clássico e tradicional utilizado em meio à comunidade espiritualista que passa a ideia de que uma ou mais pessoas, lugares, objetos ou entidades, estão sofrendo influência negativa de origem espiritual. A designação obsessão espiritual revela o caráter extrafísico do processo, portanto, de forma geral, trata-se de obsessão invisível e silenciosa, logo, com baixíssimo grau de percepção por parte do obsediado.
Existem inúmeros tipos de obsessões, contudo, neste material vamos tratar apenas as de ordem espiritual e de caráter simples.
O assunto é denso, exige profundidade, atenção, maturidade e muito bom senso, porque está intimamente relacionado às questões mais profundas da alma humana. Digo isso porque a obsessão não acontece sem um obsessor. A obsessão é um sistema energético que funciona pela presença do obsessor e do obsediado. Não há um sem o outro. 
A obsessão espiritual se dá pela ação de influência de um espírito desencarnado sobre um ou mais espíritos encarnados. Também podemos lembrar que existem diversos tipos de obsessão, como por exemplo, entre pessoas encarnadas, entre espíritos desencarnados, entre pessoas e espíritos. Neste caso, estamos abordando unicamente a ação de seres desencarnados sobre os encarnados.
Escolhas e Sintonias: Quando a alma desencarna no processo da morte do corpo físico, é a sua constituição moral e sua personalidade que determinará os horizontes que seguirá. Em outras palavras, "a cada um será dado conforme suas obras".
O que uma pessoa vive na vida material, no que concerne à forma como ela pensa e sente a vida e a sua capacidade de sentir mais ou menos amor, determinará o seu endereço na vida além-túmulo. Como a alma não morre, e ela é a matriz da sua existência, você não se livrará daquela tendência de se magoar, daquela visão pessimista, daquela mania de reclamação, daquela atitude crítica, somente porque "passou para o outro lado".
Se você é uma pessoa legal aqui no lado da matéria, assim será do lado de lá!
Se você é chato, inconveniente e negativo aqui no lado da matéria, assim você será do lado de lá! A morte não muda o que as pessoas são em essência!
A morte é uma transição necessária que acontece para que as pessoas possam reavaliar seus estágios de evolução e para que possam se reciclar quanto aos seus propósitos e necessidades.
Eu, um Obsessor??? Você morreu, mas aquele ressentimento está mais vivo do que nunca. O seu corpo morreu, mas aquela tristeza está mais forte do que nunca. O seu corpo já virou resíduo no cemitério, mas aquele vício por cigarro, álcool ou por aquela alimentação desregrada ainda está muito forte. O que você acha que acontece?
O início de uma obsessão: Você tem a oportunidade de após a morte do seu corpo físico, seguir no caminho da consciência e da continuidade da sua evolução, mesmo que isso exija dedicação, empenho e muito trabalho. Sempre há uma mão estendida do lado espiritual, proporcionando ajuda no sentido da elevação moral daquele que acaba de desencarnar. Todavia, ceder aos impulsos da carne e obedecer a um chamado da alma não é tarefa simples, em especial para aquele que se intoxicou profundamente no período de uma vida, com ilusões mundanas, materialismo excessivo e paixões animalizadas.
É nesse momento que a evolução pelo caminho da dor pode começar. Se o espírito recém-desencarnado não se dedicar ao aprimoramento de sua alma, cederá aos impulsos ainda remanescentes de uma alma contaminada pelo estilo de vida material sem valores espirituais. Como saciar os desejos de uma alma doente e dependente de elementos de uma vida material?
Somente com elementos do mundo material... Dessa forma, o espírito apegado ao modo de vida na Terra, ignora o chamado que levará ao o seu aperfeiçoamento para ser magnetizado aos elementos que provocaram a ilusão da saciedade.
Com esta escolha, o espírito passará a seguir o caminho da obsessão espiritual. De forma magnética, será atraído para pessoas encarnadas que estejam mergulhadas nas sensações em que ele é viciado, passando a participar ativamente da aura de acontecimentos, idas e vindas dessas pessoas. Seu objetivo não é fazer mal a ninguém, apenas alimentar suas sensações de carência com os fluidos energéticos das práticas realizadas na Terra por um ou mais encarnados. A obsessão acontece no sentido de sugar os fluidos corpóreos extrafísicos exalados pelos ambientes e pessoas que produzem as sensações as quais o obsessor necessita.
Elementos de dependência: Tudo aquilo que gera vício e provoca sentimentos animalizados ou desequilibrados, gera a escravização. Se você é uma pessoa cheia de rancor, poderá viciar-se em situações de mágoa e quando desencarnar, ficar presa às situações similares; Se você é uma pessoa controladora e autoritária na sua família, quando desencarnar, tende a ficar preso às situações similares; se você é descompromissado, não tem vontade de crescer, não tem ambição para vencer o comodismo, quando desencarnar, tende a ficar preso em situações similares. Emoções negativas são viciantes, portanto, são as maiores responsáveis por dar origem a condição de obsessor espiritual.
90% das obsessões não são feitas por espíritos malignos: Você não precisa ser uma pessoa maldosa para se tornar um obsessor espiritual, basta que você se deixe levar pelas emoções negativas, que feche as portas para a necessidade de evolução e que mergulhe nos erros da invigilância espiritual, para que você se torne um candidato a obsessor. É simples assim! 
90% dos obsessores procuram amigos e familiares: Da mesma forma que vivemos no mundo material em grupos sintonizados por afinidades, quando desencarnamos e não aprendemos a domar as emoções viciantes, voltamos a procurá-los. As obsessões têm a maior tendência de acontecer com parentes e amigos.
As Consequências: Basicamente, o obsessor se alimenta de uma ou mais sensações específicas que são geradas na associação do corpo mental e emocional do obsediado. E para que essas sensações sejam produzidas pelo obsediado, o obsessor irá constantemente estimular seu alvo a tais ações. Com essa corrida sem fim, o obsediado passa a ser manipulado não somente pelos seus próprios vícios, mas também pelas ações de entidades externas. Por meio dessa influenciação, o obsediado aumenta o seu nível de dependência e de desequilíbrio. Também pode começar a sentir outros anseios, dores, emoções e traços de temperamento do seu obsessor, o que provocará inúmeras sensações inconvenientes.
Postado por EDSON RODRIGUES 


Obsessão
 
Parte 1
Imagem relacionada


A luta entre espíritos desencarnados com um encarnado, que se desenrola no plano físico, é chamada obsessão.
A personalidade de um espírito encarnado busca a tranqüilidade, a satisfação de suas necessidades básicas, a harmonia com seu meio ambiente e com a sociedade em que vive, submetendo-se às leis físicas e sociais que a regem; seu espírito - sua individualidade - busca o conflito e o acerto de contas, a cobrança ou o pagamento de débitos transcendentais.
Assim, a ligação de um espírito com outro altera o comportamento no plano psicofísico, interferindo na mente e no sistema nervoso central ou no sistema nervoso neurovegetativo, causando desequilíbrios e doenças.
Na visão científica, a obsessão é uma ideia patológica que invade a consciência contra a vontade da pessoa, de forma incoercível e sempre acompanhada de intensa ansiedade, que gera grande sofrimento pela angústia do paciente.
Na Doutrina do Amanhecer, a obsessão é um estado de profunda ligação que se faz, geralmente, entre um espírito desencarnado e um encarnado, havendo, todavia, casos em que há falanges obsessoras.
Na obsessão, a sede de vingança do espírito desencarnado, que está mergulhado no ódio, consegue se ligar à sua vítima por meio da afinidade vibracional, uma sintonia, por estar a pessoa alimentando sentimentos de ambição, de ódio e de insatisfação.
Quando desencarna com ódio, o espírito  não consegue sequer manter a posição invertida ao corpo. Fica desatinado, rodando em círculos e de nada serve sua passagem por Pedra Branca . Sua única meta é vingar-se de quem lhe fez mal.
Torna-se, assim, um obsessor, um espírito que mantém relacionamento direto com um ser encarnado, por afinidade decorrente do relacionamento estabelecido quando ambos habitavam o mesmo plano, e que pode ser interna, se atinge as potências interiores, especialmente a imaginação e o psiquismo, ou externa, se causa perturbação em um ou mais sentidos (visão, audição, olfato, paladar e tato).
Na Doutrina do Amanhecer consideramos que não existe obsessão entre encarnados, mas, sim, a Possessão, que compreende o Vampirismo  - quando um espírito encarnado suga a energia de outro encarnado - e a Cobrança  - situação comum, dentro da Lei do Carma, para o reajuste de espíritos transcendentais.
Na obsessão não há nenhuma ligação entre a vítima e seu obsessor a não ser vibracional. Tudo começa e acaba no aspecto vibracional, tanto por parte do obsidiado como por força dos trabalhos que atuam sobre o obsessor, fazendo com que deixe sua vítima. Porém, tudo se passa exclusivamente na parte vibracional.


Estudos espiritualistas consideram quatro tipos de obsessão:

AUTO-OBSESSÃO - processo anímico, em que a própria mente gera um estado patológico, provocando crescente desequilíbrio, normalmente atribuída a um espírito, mas, na realidade, fruto das próprias conseqüências da Lei de Causa e Efeito, quando o próprio espírito da vítima é que atua por força de reações adversas em sua caminhada, baixando seu padrão vibratório, sendo, na maioria dos casos, uma obsessão de si mesmo;
OBSESSÃO SIMPLES - processo inicial, com pouco sintomas sendo percebidos, que vão aumentando e dão à vítima a percepção da ação de uma força exterior, comumente acontecendo com quem não atende às necessidades de trabalho de sua mediunidade, evoluindo para distúrbios mentais e perturbações de efeito físico, tais como visões, ruídos e movimentação de objetos, usadas pelo obsessor com a força ectoplasmática da vítima;
FASCINAÇÃO - processo mais acentuado, em que o obsessor já controla a mente da vítima, gerando ilusões e bloqueando o raciocínio, desaparecendo a autocrítica e levando o obsidiado a uma triste situação de desequilíbrio; e
SUBJUGAÇÃO  - processo final, em que a vítima é tomada totalmente pelo obsessor, confundindo-se seu estado com os quadros patológicos de esquizofrenia e loucura, em estado de completo desequilíbrio mental e comprometimento físico, com sistema neuromuscular refletindo uma total descoordenação, tendo alucinações visuais e auditivas, desligamento afetivo, desinteresse pela realidade e profundo desprezo pela vida.


No trabalho “No Limiar do III Milênio”, o Trino Tumuchy nos fala das obsessões:

OBSESSÃO POR DESENCARNADO - a mais comum, quando o espírito encarna e traz o compromisso de reajustes com outros espíritos desencarnados, que passam a lhe criar problemas de várias gradações e naturezas quando as condições de cobrança são desequilibradas;
OBSESSÃO POR FALANGES - feita por falanges de espíritos que cobram algo que lhes foi coletivamente feito por um único espírito que está encarnado e na exploração de fontes de energia que lhes é afim, como nos casos de alcoólatras, políticos, cientistas e líderes sectários;
OBSESSÃO LICANTRÓPICA - a realizada por elítrios;
OBSESSÃO EPILÉTICA - aquela causada pela presença de elítrios no cérebro do encarnado, causando-lhe convulsões;
OBSESSÃO POSSESSIVA - quando o espírito se liga ao indivíduo pela afinidade vibracional, usando os plexos nervosos como pontos de contato;
OBSESSÃO DO PRÓPRIO ESPÍRITO - na qual o obsessor é o próprio espírito da pessoa que, dominada por quadros do passado e influências de outros espíritos, entra em angústia constante, provocada pela desassociação extremada entre sua atual personalidade e sua individualidade;
OBSESSÃO RELIGIOSA - é a escravidão espiritual em suas várias modalidades de expressão, originada, em geral, pela educação religiosa, divorciada da educação comum para as coisas da vida; e
OBSESSÃO QUÍMICA - gerada pelo plexo dos alcoólatras e dependentes de drogas, estabelecendo os obsessores afinidades tão fortes que anulam a vontade e o sistema nervoso central de sua vítima, tornando-a desligada do mundo físico e perturbada em sua psique, assegurando, assim, uma permanente fonte das vibrações de baixo padrão.
Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do Amanhecer

Obsessão 
Parte 2
Resultado de imagem para obsessao

Numa das passagens do Evangelho, Mateus (VIII, 16 e 28 a 32) nos relata: “E, chegada a tarde, trouxeram a Jesus muito endemoninhados e Ele, com a sua palavra, expulsou deles os espíritos, e curou todos os que estavam enfermos.(...)
E tendo chegado à outra banda, à província dos gadarenos, saíram-lhe ao encontro dois endemoninhados, vindos dos sepulcros; tão ferozes eram que ninguém podia passar por aquele caminho.
Eis que clamaram, dizendo: Que temos nós contigo, Jesus, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? E andava pastando diante deles uma manada de muitos porcos. E os demônios rogaram-lhe, dizendo: Se nos expulsas, permite-nos que entremos naquela manada de porcos. E Ele lhes disse: Ide! E saindo, eles se introduziram na manada de porcos; e eis que toda aquela manada de porcos se precipitou no mar por um despenhadeiro, e morreram nas águas.”
E, em IX, 32 e 33: “Trouxeram a Jesus um homem mudo e endemoninhado. E, expulso o demônio, falou o mudo, e a multidão se maravilhou, dizendo: Nunca tal se viu em Israel!”
O obsessor persegue e assedia um encarnado de forma implacável, em constante troca de energias. O afastamento de um obsessor só se faz quando ele é atingido pelo ectoplasma do Doutrinador.
Em Marcos (I, 23 a 26) foi dito: “Estava na sinagoga um homem com um espírito imundo, o qual exclamou: Ah! Que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei que és: o Santo de Deus! E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te e sai dele! Então, o espírito imundo, convulsionando-o e clamando com grande voz, sai dele.”
Na verdade, o obsessor, na maioria dos casos, só se retira pela solução da razão do assédio ou pela sua conscientização na doutrina recebida em diversas passagens pelos trabalhos. Raramente ele se afasta com um só trabalho, e devemos ter muita cautela em trabalhos especiais, pois um afastamento forçado pode resultar em efeitos piores do que a própria obsessão.
Existem falanges de espíritos que, em ocasiões de guarda aberta de um encarnado, exercem ações obsessoras, como, por exemplo, os Alaruês, os Exus, os Falcões e legiões de Murumbus, Murussangis, Muys, Sexus e outros sofredores do Vale das Sombras.

“Vivemos a marcha evolutiva para uma Nova Era.
Aprender para ensinar; conhecer a filosofia das falanges do Céu e da Terra; dos que se dizem nossos inimigos. De acordo com todo o nosso acervo de conhecimentos, temos nesta grande precisão de estar bem esclarecidos da vida fora da matéria.
Há algum tempo, descrevi o problema das atuações obsessivas, fenômeno não registrado mas que existe nas neuroses obsessivas do espírito, que sofre incontroláveis atuações sem interrupção. Estando em seqüência, verificamos uma projeção nas mais recentes manifestações.
Nestas projeções é que nos enganamos, porque a vítima ou paciente fica com o corpo oscilando, como sempre acontece, sem conseguir se equilibrar. Apesar de minha calma aparente, também muitas vezes preciso ter cuidado, porque as projeções são tão fortes que podem me desequilibrar.” 
(Tia Neiva, 7.9.77)

“Qualquer espírito penetra, e faz sua maldade. Vejam quantas infelicidades poderá fazer!... E de seu plexo nada poderá oferecer.
Geralmente, se descreem da Doutrina, a ponto de deixá-la.
O Doutrinador é responsável pelo que faz o Apará. A interferência de um espírito cobrador em um Trono, como inúmeros casos que eu conheço, por displicência do Doutrinador, pode arrasar a vida de um Homem. Sim, o Doutrinador é a única testemunha defesa. (...)
O Doutrinador está se preparando para não ter dúvidas - essa a minha insistência! Nos enfermos, pela atuação de uma projeção negativa, obsessiva, a tendência é confundir o ambiente para que não se obtenha um diagnóstico preciso para levar a vítima ao seu objetivo. Não é muito fácil distinguir a situação precisa do caso.
É verdade que a razão não se afasta de Deus. Deus é absolutamente e absolutamente Razão! (...)
Existe a esquizofrenia por uma pena passiva; a esquizofrenia ativa e a esquizofrenia hereditária - a mais perigosa, porque envolve toda a família. É um elítrio em cobrança, anulando a personalidade e se reajustando. (...)
O aparelho, quando está fora de sintonia espiritual ou anímico, os espíritos sem luz têm mais acesso sobre ele, de maneira que o seu padrão fica obsidiado ou obsedado. O obsidiado tem a possessão, ou melhor, algum espírito perseguindo ou protegendo, chamando-o à responsabilidade. Vem, então, a história de um médium obsedado.
É bem parecido com o esquizofrênico, de maneira que ele vai se desenvolvendo e vai melhorando. O obsedado por elítrio tem sua cura feita pela manipulação de forças mântricas desobsessivas, passes e, também, por medicamentos.
Agora, vem a história do obsedado que se diz às portas da morte e, inclusive, leva os médicos a crerem e a encharcá-lo com psicotrópicos, choques, etc. A este, pouco podemos fazer.
Vem o psíquico que se sente infeliz, desprezado, mal amado: Este é fácil - desenvolve, e tudo bem... (...)
Falando melhor no obsidiado, um espírito de Luz pode obsidiar um médium. Um Caboclo, da Falange Pena Branca, que tem as suas técnicas, pode permitir que um cobrador se infiltre no seu tutelado e levá-lo à obsessão, caso ele esteja caminhando para a sua própria destruição. Este médium, cuja obsessão foi permitida pelo seu próprio Mentor, entra sempre carregado pelos seus familiares, que o acham muito mal. A falta de religião dos seus pais o fez assim. Sua cura pode ser bem difícil, ou bem fácil, desde que ele, o portador, se conscientize.” 
(Tia Neiva, 13.9.84)

Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do Amanhecer


Obsessão, da obra 
“Tormentos da Obsessão”

Resultado de imagem para obsessao

Na obra “Tormentos da Obsessão” (Livraria Espírita Alvorada Editora, Bahia, 3ª Edição, 2003), psicografada por Divaldo Franco, o espírito de Manoel P. de Miranda relata várias passagens no Sanatório da Esperança, erigido no plano espiritual para socorrer espíritos desencarnados desequilibrados, e destacamos o seguinte trecho de uma aula do Dr. Ignácio Ferreira, psiquiatra que viveu em Uberlândia, dedicado à Lei do Auxílio, espírito que colabora na instrução naquela instituição:

A grandeza da vida se expressa através de inumeráveis maneiras, porquanto, envolvido pelo corpo físico ou sem ele, estua rico de vida o ser espiritual. Enquanto mergulhado no denso véu da carne, entorpece-lhe parte do discernimento e a visão global se lhe torna limitada. No entanto, ao despir-se do envoltório material, é recuperada a plenitude das funções, podendo avaliar o resultado das experiências vividas, das construções edificadas e dos planos anteriormente traçados, se foram executados conforme sua elaboração ou se houve malogro entre a intenção e a ação. Sempre, porém, luz a divina misericórdia amparando, inspirando, conduzindo, ensejando o crescimento infinito do Espírito. No entanto, face à rebeldia que se demora na conduta de expressiva maioria, eis que se adia a felicidade, equivocando-se, para vender o mal que nele permanece, avançando sempre e sem cessar. Mesmo nas aparentes existências malsucedidas, adquire valores que irão contribuir para a sua plena realização, porquanto nada permanece inútil neste processo ascensional. A aprendizagem, por isso mesmo, é conseguida através do erro e do acerto, da percepção do fato e como realizá-lo, bem como da iluminação, que são verdadeiras metodologias para aprimorar cada aluno na Escola da Vida.

É mediante esse agir e arrepender-se, quando equivocado, que surgem as vinculações dolorosas, exigindo reparações igualmente aflitivas. Isso, porque, raramente o erro é individual. Quase sempre acontece envolvendo outras pessoas com as quais se convive ou junto a quem se estabelecem programas de afetividade, de interesses comuns, de lutas necessárias. E toda vez que alguém defrauda a confiança, ou burla o respeito e a dignidade de outrem, estabelecem-se vínculos perturbadores entre o agente e a sua vítima que, destituída de elevação moral, ao invés de esquecer e perdoar, atormenta-se nos cipoais da vingança, desejando cobrar os males de que se crê objeto. Não estando preparados para entender que o mecanismo do progresso exige disciplina e testemunho, os temperamentos arbitrários rebelam-se se propõem fazer justiça com as próprias mãos, em atentado grave contra a ordem estabelecida e a própria Vida. Ninguém, porém, pode ser juiz honesto em causa própria, por impossibilidade de harmonizar ou de eliminar emoções que ditam comportamentos quase sempre egoísticos e perturbadores. Assim, as malhas da rede obsessiva se vão estabelecendo, vinculando-se negativamente uns indivíduos aos outros, aqueles que se agridem e se desconsideram.

Por conseqüência, a obsessão é pandemia que permanece quase ignorada embora a sua virulência, para a qual, na sua terrível irrupção, ainda não cogitaram os homens de providenciar preventivas ou terapias curadoras. Tão antiga e remota quando a própria existência terrestre – por decorrência das afinidades perturbadoras entre os homens – todos os Guias religiosos se lhe referiram com variedade de designações, sempre utilizando-se dos mesmos métodos para a sua erradicação, tais: o amor, a piedade, a paciência e a caridade para com os envolvidos na terrível trama. Passados os períodos em que viveram, e os seus discípulos, quase de imediato, olvidaram-se de levar adiante esta pratica, essas específicas lições que receberam. Face à tendência para o envolvimento emocional com o mitológico, não poucas vezes têm confundido a revelação do fenômeno mediúnico com idéias de arquétipos que semi-adormecidos no inconsciente, e que passam a ocupar as paisagens mentais, sem os correspondentes critérios de compreensão, para investir esforços na sua equação, desse modo transferindo-os para a galeria do fantástico e do sobrenatural.(...)

Graças à valiosa contribuição científica do Espiritismo no laboratório da mediunidade, constatando a sobrevivência do ser e o seu intercâmbio com as criaturas terrestres, a obsessão saiu do panteão mítico para fazer parte do dia-a-dia de todos aqueles que pensam. Enfermidade de origem moral, exige terapêutica específica radicada na transformação espiritual para melhor, de todos aqueles que lhe experimentam a incidência. Ocorre, no entanto, como é fácil de prever-se, que essa psicopatologia, qual sucede com outras tantas, sempre apresenta, no paciente que a sofre, graves oposições para o seu tratamento. Quando, ainda lúcido, o mesmo se recusa receber a conveniente orientação, e, à medida que se lhe faz mais tenaz, as resistências interiores se expressam mais vigorosas. De um lado, em razão da vaidade pessoal, para não parecer portador de loucura, particularmente porque assim se sente, e, por outro motivo, quando sob os camartelos das obsessões, porque o agente do distúrbio cria dificuldades no enfermo, transmitindo-lhe reações violentas, para ser evitado o tratamento especial. Em todos os casos, porém, o tempo exerce o papel elevado de convencer a vítima da parasitose espiritual, através do padecimento ultriz, quanto à necessidade de submeter-se aos cuidados libertadores.

Iniciando-se de forma sutil e perversa, a obsessão, salvados os casos de agressão violenta, instala-se nos painéis mentais através dos delicados tecidos energéticos do perispírito até alcançar as estruturas neurais, perturbando as sinapses e a harmonia do conjunto encefálico. Ato contínuo, o quimismo neuronial se desarmoniza, face à produção desequilibrada de enzimas que irão sobrecarregar o sistema nervoso central, dando lugar aos distúrbios da razão e do sentimento. Noutras vezes, a incidência da energia mental do obsessor sobre o paciente invigilante irá alcançar, mediante o sistema nervoso central, alguns órgãos físicos que sofrerão desajustes e perturbações, registrando distonias correspondentes e comportamentos alterados. Quando se trata de Espíritos inexperientes, perseguidores desestruturados, a ação magnética se dá automaticamente, em razão da afinidade existente entre o encarnado e o desencarnado, gerando descompensações mentais e emocionais. Todavia, à medida que o Espírito se adestra no comando da mente de sua vítima, percebe que existem métodos muito mais eficazes para uma ação profunda, passando, então, a executá-la cuidadosamente. Ainda, nesse caso, aprende com outros cômpares mais perversos e treinados no mecanismo obsessivo, as melhores técnicas de aflição, agindo conscientemente nas áreas perispirituais do desafeto, nas quais implanta delicadas células acionadas por controle remoto, que passam a funcionar como focos destruidores da arquitetura psíquica, irradiando e ampliando o campo vibratório nefasto, que atingirá outras regiões do encéfalo, prolongando-se pela rede linfática a todo o organismo, que passa a sofrer danos nas áreas afetadas.

Estabelecidas as fixações mentais, o hóspede desencarnado lentamente assume o comando das funções psíquicas do seu hospedeiro, passando a manifestá-lo a bel-prazer. Isso, porém, ocorre, em razão da aceitação parasitária que experimenta o enfermo, que poderia mudar de comportamento para melhor, dessa forma conseguindo anular ou destruir as induções negativas de que se torna vítima. No entanto, afeiçoado à acomodação mental, aos hábitos irregulares, compraz-se no desequilíbrio, perdendo o comando e a direção de si mesmo. Enquanto se vai estabelecendo o contato entre o assaltante desencarnado e o assaltado, não faltam a este último inspiração para o bem, indução para a mudança de conduta moral, inspiração para a felicidade.Vitimado, em si mesmo, pela autocompaixão ou pela rebeldia sistemática, desconsidera as orientações enobrecedoras que lhe são direcionadas, acolhendo as insinuações doentias e perversas que consegue captar.


Resultado de imagem para obsessoes
(...) Como a inspiração espiritual se faz em todos os fenômenos da Natureza, inclusive nas atividades humanas, é compreensível que, além das tormentosas obsessões muito bem catalogadas por Allan Kardec – simples, por fascinação e subjugação – os objetivos mantidos pelos perseguidores sejam muito variados. Eis porque as suas maldades abarcam alguns dos crimes hediondos, tais como: autocídios, homicídios, guerras e outras calamidades, face à intervenção que realizam no comportamento de todos aqueles que se afinizam com os seus planos nefastos. Agindo mediante hábeis programações adrede elaboradas, vão conquistando as resistências do seu dependente mental, de forma que, quase sempre, porque não haja uma reação clara e definitiva por parte de sua vítima, alcançam os objetivos morbosos a que se entregam enlouquecidos.

Quando das suas graves intervenções no psiquismo dos seus hospedeiros, suas energias deletérias provocam taxas mais elevadas de serotonina e noradrenalina, produzidas pelos neurônios, que contribuem para o surgimento do transtorno psicótico-maníaco-depressivo, responsável pela diminuição do humor e desvitalização do paciente, que fica ainda mais à mercê do agressor. É nesta fase que se dá a indução ao suicídio, através de hipnose contínua, transformando-se em verdadeiro assassínio, sem que o enfermo se dê conta da situação perigosa em que se encontra. Sentindo-se vazio de objetivos existenciais, a morte se lhe apresenta como solução para o mal-estar que experimenta, não percebendo a captação cruel da ideia autocida que se lhe fixa na mente. Não poucas vezes, quando incorre no crime infame da destruição do próprio corpo, foi vitimado pela força da poderosa mentalização do adversário desencarnado. Certamente, há, para o desditoso, atenuantes, em razão do processo malsão em que se deixou encarcerar, não obstante as divinas inspirações que não cessam de ser direcionadas para as criaturas e as advertências que chegam de todo lado, para o respeito pela vida e sua conseqüente dignificação.

O mesmo fenômeno ocorre quando se trata de determinados homicídios, que são planejados no mundo espiritual, nos quais os algozes se utilizam os enfermos por obsessão, armando-lhes as mãos para a consumação dos nefastos crimes. Realizam o trabalho a longo prazo, interferindo na conduta mental e moral do obsesso, a ponto de interromperem-lhe os fluxos do raciocínio e da lógica, aturdindo-os e dominando-os. Tão perversos se apresentam alguns desses perseguidores infelizes quão desnaturados, que se utilizam da incapacidade de reação dos pacientes para os incorporar, podendo saciar sua sede de vingança contra aqueles que lhes estão ao alcance. Utilizando-se do recurso da invisibilidade material, covardemente descarregam a adaga do ódio nas vítimas inermes, tombando, mais tarde, na própria armadilha, porquanto não fugirão da justiça divina instalada na própria consciência e vibrando nas Leis cósmicas, que sempre alcançam a todos.

De maneira idêntica, desencadeiam guerras entre grupos, povos e nações, cujos dirigentes se encontram em sintonia com as suas terríveis programações, formando verdadeiras legiões que se engalfinham em lutas encarniçadas visando alcançar os objetivos infelizes a que se propõem. Passam desconhecidas estas causas, que os sociólogos, os políticos, os religiosos não conseguem detectar, mas que estão vivas e atuantes nas paisagens terrestres, e a reencarnação se encarregará de corrigir sob a sublime direção de Jesus. (...)

Na raiz de inumeráveis males que afetam a coletividade humana, encontramos o intercâmbio espiritual manifestando-se com segurança. As obsessões campeiam desordenadamente. Isto não implica em dar margem ao pensamento de que as criaturas terrestres se encontram à mercê das forças desagregadoras da erraticidade inferior. Em toda parte está presente a misericórdia de Deus convidando ao bem, ao amor, à alegria de viver. A opção inditosa, no entanto, de grande número de criaturas é diversa dessa oferta, o que facilita a assimilação das idéias tenebrosas que lhe são dirigidas. Assim mesmo, ante a preferência das terríveis alucinações, o amor paira soberano aguardando, e quando não é captado, a dor traz de volta o calceta, encaminhando-o para o reto proceder mediante o oportuno despertar.

Todos esses criminosos espirituais, terminadas as batalhas em que se empenham, passam a experimentar incomum frustração por haverem perdido as metas que desapareceram e por darem-se conta dos tormentos íntimos em que naufragam, descobrindo-se sem objetivo nem razão de continuar a viver... E como não podem fugir da vida em que se encontram, são atraídos compulsoriamente às reencarnações dolorosas, experimentando os efeitos das hecatombes que ajudaram a ter lugar. Mergulham, então, na grande noite terrestre do abandono, da loucura, das anomalias, emparedados em enfermidades reparadoras, experimentando rudes expiações, que lhe serão a abençoada oportunidade para reencontrar o caminho do futuro.

O Mestre Jesus foi enfático ao anunciar: - Vinde a mim todos vós que estais cansados e eu vos aliviarei, completando com segurança: - Em verdade vos digo que ninguém sairá dali (do abismo) enquanto não pagar até o último ceitil. Ele alivia todos aqueles que O buscam sob o pesado fardo das aflições, entretanto, é necessário que a dívida moral contraída contra a Vida seja resgatada até o último centavo, quando então, o devedor se sentirá equilibrado para conviver com aquele que lhe padeceu a impiedade, sendo perdoado e reconciliando-se com a própria consciência e o seu próximo. Somente, portanto, através do perdão e da reconciliação, da reparação e da edificação do bem incessante, é que o flagelo das obsessões desaparecerá da Terra de hoje e de amanhã, pelo que todos nos devemos empenhar desde este momento. (...)

O amor é o bem eterno que sobrepaira em todas as situações, mesmo nas mais calamitosas, apontando rumos e abrindo espaços para a realização da felicidade total. Vivê-lo em clima de abundância, é o dever a que nos devemos propor, inundando-nos com a sua sublime energia que dimana de Deus.

Postado por Templo Puemar do Amanhecer

OBSESSÃO POR ELÍTRIOS


O espírito, traumatizado pelo ódio, vai se deformando e concentrando, a ponto de ficar com o tamanho aproximado de uma cabeça de mico, onde predominam os olhos grandes, e com os braços e pernas atrofiados e colados ao corpo.
Em nossa Doutrina denominamos esses espíritos de elítrios.
Na fixação de seu ódio, ele permanece nos planos invisíveis, aguardando a oportunidade de vingança, e assim pode ficar até por milênios. Chegado o momento do reajuste, do acerto de contas com o espírito que o levou a essa condição, ele vem para o plano físico e começa a exercer sua ação de reajuste. Na maioria das vezes, nasce com o espírito de quem vai cobrar a dívida. Enquanto o recém nascido vai se formando como ser humano, ele permanece incubado, dormente. Assim que as condições físicas da vítima se apresentam favoráveis, ele começa a absorver as energias vitais.
Cada caso aparece com características próprias da situação em que a dívida se formou. Esse mecanismo é obscuro e de difícil penetração. Sua presença é verificada, no trabalho mediúnico, nos casos de doenças rebeldes e tratamentos médicos, principalmente as consideradas incuráveis.
A doença causada pelos elítrios pode estar situada em qualquer parte do corpo. Também, pode ser verificada a presença de mais de um elítrio no mesmo paciente.
A forma sutil de sua atuação faz com que, a princípio, os sintomas sejam imperceptíveis. O elítrio vai firmando seus tentáculos e, quando chega o momento, começa a sucção. A partir daí, os sintomas são alarmantes, e o paciente é levado ao médico, já sem recursos.
A aderência de um elítrio tanto pode ser em termos musculares como em centros nervosos e medulares. Sua ação, entretanto, se faz sentir em todo o organismo, pois absorve as energias sutis do paciente.
O câncer, em algumas das modalidades que se apresenta, tem essa característica. Muitas doenças, consideradas curáveis pela Medicina, não são resolvidas quando o paciente tem elítrios. Só o Mediunismo pode detectá-los e atingi-los.
Geralmente, o elítrio já vem na bagagem do espírito quando encarna.
Um espírito leva muito tempo para se tornar um elítrio. Só algo terrível, em termos de crueldade humana, pode provocar essa situação. O espírito desencarna sob torturas físicas ou morais, e seu ódio se concentra numa ou mais pessoas que causaram sua desdita. Uma vez no plano invisível, sem a alimentação relacional que poderia fazê-lo esquecer, ele vai deformando seu corpo etérico, num processo inverso do feto humano.
Todo espírito, ao desencarnar, leva consigo sua alma e a reveste de um novo corpo, no plano invisível. No princípio, este corpo é semelhante ao que deixou no plano físico. Ele tem as mesmas características, os mesmos hábitos, usa as mesmas roupas, os mesmos óculos, etc. Esse corpo e esses hábitos vão, a partir do desencarne, se modificando, de acordo com rumos que o espírito toma, com a síntese mental que forma da existência que acaba de deixar. Se essa síntese é o ódio caracterizado num agrupamento de fatos, ele se torna um elítrio.
Atingida essa condição, ele permanece hibernando, até que chegue o momento de retomar o caminho. Isso pode durar anos, séculos ou milênios, contados em termos da Terra.
Assim que o espírito ofensor atinge o grau de evolução suficiente, às vezes através de várias encarnações, para ter condições de suportar a cobrança, ele programa a encarnação em que vai pagar a dívida para com os elítrios que ajudou a formar.
O espírito, geralmente, encarna no ventre materno, quando o corpo gerado atinge o terceiro mês. Nessa altura, ele é colocado nesse corpo e se torna um ser humano que irá nascer, provavelmente, daí a seis meses.
Junto com esse espírito, os responsáveis por essa encarnação colocam, também, os elítrios. A posição desses espíritos, em relação ao organismo que vai se formando, obedece a razões acima do nosso conhecimento. De um modo geral, sabemos que, na qualidade de futura doença, eles se preparam para causar ao paciente dores semelhantes àquelas que lhes foram causadas no início do drama.
O processo de descongelamento do elítrio vai se fazendo de acordo com as etapas de crescimento do ser cobrado. Eles tanto podem causar um mal congênito, como permanecer dormentes e aparecer, subitamente, em idade avançada. Cada caso é um caso específico e, dificilmente, aparecem dois casos iguais.
Qualquer doença pode ter sua origem num elítrio, porém nem todas são causadas por eles. A de maior incidência, com essa origem, é o câncer, em algumas de suas modalidades. Por essa razão é que existem doenças que são curáveis em uns indivíduos e incuráveis em outros. E, por essa razão, indivíduos portadores da mesma doença, uns são curados no Mediunismo, e outros não. A cura mediúnica é possível quando se trata de obsessão, quer dizer, doença causada por uma dívida espiritual e o paciente apresente condições que permitam arranjos na contabilidade sideral.
O indivíduo pode ter um ou mais elítrios, e certos elítrios podem causar efeitos em mais de uma pessoa de intimidade, como o caso de marido e mulher, mãe e filho, etc.
A presença de um elítrio já é suficiente para gerar uma obsessão. Porém nem todos estão ativos. E o comportamento do indivíduo pode inclusive evitar sua “ativação”.
O indivíduo pode ter um ou mais elítrios, e certos elítrios podem causar efeitos em mais de uma pessoa de intimidade, como o caso de marido e mulher, mãe e filho, etc.

...porém, eu vejo um elítrio como uma cabeça de macaco preto, com mais ou menos 10 centímetros, com as mãozinhas e os pés pregados à cabeça, com a espessura de uma espuma de nylon.  Quando uma mulher se transforma em elítrio, sua cor, em vez de preta, é marrom.  Sim, são causadores do câncer!... Jesus vai ainda mandar um cientista para proteger o corpo físico do elítrio cancerígeno.  Meu Deus! O que será desses espíritos que esperam a vingança? Vingar-se para depois voltar para Deus! Vingar-se pelo câncer!  O Homem da Terra está bem evoluído e quando souber amar realmente, ele mesmo poderá expelir seus próprioelítrios...  O espírito, ao partir para o sono cultural, escolhe seus reajustes e leva seus elítrios junto para o ventre materno.  Pela bênção de Deus, amando podemos retificar o mal que provocamos. Os elítrios são nossas vitimas do passado, Homens que não tiveram condições de perdoar nem oportunidade de amar.  Por isso, vêm na carne do Homem para se vingar.  Porém, se tiverem a felicidade de encontrar o carinho de uma mãe para com o filho, se sentindo instrumento da dor daquela mãe - ou daquele pai, ficam sensibilizados e voltam para Deus.  Deus confia no amor da mãe e no amor do pai!  É por isso que um espírito reencarna levando até sete elítrios!  "Por isso, cada gestação é diferente da outra.” 
(Tia Neiva, s/d) 


ELÍTRIO ou OVOIDE 
Há alguns anos, o Elítrio era só um espírito obsessor. Com cerca de 10 centímetros ou menos, e se localiza em alguma parte do corpo etéreo vibrando negativamente com tal intensidade que atingem o corpo físico, o que determina doenças graves e, por vezes, fatais. Podem ficar séculos nos planos invisíveis, aguardando sua oportunidade de vingança daquele espírito que lhes jogou naquela triste situação e, quando isso lhes é permitido, passam ao plano físico e começam sua influência nefasta. Seu trabalho se inicia no corpo etéreo e suas vibrações atingem, depois, o corpo físico. Embora centrando a ação em órgãos especializados, nos centros nervosos e medulares, a ação dos Elítrios se faz em todo o conjunto orgânico, uma vez que absorve as energias sutis do encarnado. Parasitas ovoides são "espíritos humanos, que pela manutenção de uma ideia fixa e doentia, acabam estabelecendo uma vibração de baixa frequência e comprimento de onda longo, que com o passar do tempo, produz uma deformação progressiva no seu CORPO ESPIRITUAL."Ovoides também chamados de Elítrios são, portanto, espíritos em estado de perturbação tão profundo que perderam a consciência de sua natureza humana, perdendo também a forma humana de seu PERISPÍRITO.

 “MORTE SÚBITA A morte súbita é a que ocorre sem ser esperada, tanto em pessoas doentes como sadias.” 



O AVANÇO TECNOLÓGICO NAS DOENÇAS ESPIRITUAIS 
 Assim como os Grandes Médicos de Cura do espaço trouxeram técnicas milenares de cura para a Terra, o outro lado também está estudando novas formas de atuação nas doenças, e com isso os Elítrios estão evoluindo. Eles não são mais aqueles seres definhados pela violência, com pensamento fixo no seu algoz. Hoje, eles estão sendo treinados para serem inteligentes. Os cientistas da escuridão estão fazendo tratamento hipnótico nestes seres, para cumprir-lhes os desígnios perversos. A Escuridão está investindo alto na construção de laboratórios para todos os fins: doenças raras; morte súbita; ataques cardíacos; diversos tipos de câncer; retirada sumária de energias vitais; esgotamento físico e mental; depressões; bactérias e vírus novos; viciação; etc. Diversos povos que estão passando pelo Templo, nos têm revelado novas técnicas de ataques e a cada dia estão melhorando seus ataques (piorando para os encarnados). São laboratórios equipados com máquinas de altíssima tecnologia que fazem o Elítrio obedecer às suas ordens. 

“Tribuna-22/11/2008 Bactéria que mata em 12 horas Um simples arranhão ou picada de mosquito são suficientes para contaminação com a Estafilococos. A causa disso é uma bactéria, que entra na corrente sanguínea através desses ferimentos"

Os cobradores utilizam estas formas deformadas para implantar no encarnado todo tipo de sofrimento. O Elítrio é capaz de manipular energias, locomover-se ou interagir conscientemente, mesmo em estado precário. O Elítrio pode chegar à aura, a mente de uma pessoa até durante o seu sono. Para isso é preciso apenas ser uma pessoa indecisa, insegura para ser levada a esses laboratórios, pelos seus próprios cobradores. Os Planetas Paralelos estão trazendo técnicas avançadas para usar esses Elítrios nos encarnados e, principalmente, destruir, através da doença, os espíritas verdadeiros e as pessoas de expressão que vive na Terra.

“Doença raríssima pode fazer garota morrer assistindo um filme assustador Enviada por Humberto Oliveira 11/02/2008 - 10:04 A doença faz com que, sempre que submetida a uma situação de medo, surpresa ou choque. O corpo entra em choque e seus órgãos podem entrar em falência.”
FONTE: http://templo-iniciatico.blogspot.com.br/

OBSESSÃO INFANTIL
A obsessão infantil é um fato real e as casa espíritas devem estar atentas pra atender a esses casos om responsabilidade, sem levar maiores prejuízos para a criança, para seu familiares e até mesmo para seus algozes. O estudo da Doutrina Espírita mostra que com muito amor, capacidade d perdoar e com bom esclarecimento, a criança e seus perseguidores podem resgatar suas diferenças com o apoio da equipe de desobsessão da casa que frequenta.
Quando olhamos para uma criança, não significa que aquele espírito que anima o corpo infantil também seja uma criança. A alma que habita aquele corpo poderá até ser mais velho e muito mais vivido do que a dos próprios pais e avós. Assim ensinaram os espíritos a Kardec nas obras da Codificação da Doutrina Espírita. Na jornada da vida, diante as nossas responsabilidades, não somos vistos como crianças, e sim como aprendizes. E na posição de aprendizes cometemos erros, falhas e delitos, para os quias um dia somos chamados a resgatar.Resgato que é feito através da reencarnação, porém, podemos ser cobrados por outros espíritos de forma mais direta, através da cobrança e da obsessão.
Tratamento
É muito sofrido para os pais perceberem que seus filhos sofrem perseguições espirituais muitas vezes de espíritos que foram prejudicados por eles em vidas passadas. Existem vários meios de tratar essa situação começando começando com a observação dos comportamentos os pais e familiares. Não adianta tentar resolver um problema tendo outro talvez inda maior dentro de casa. A harmonia o lar é um fator muito importante para que o tratamento seja eficaz. Faça o uso constante das preces com o culto do evangelho no lar e, principalmente, deixe que as crianças estejam presentes do jeitinho dela e sem repreensões, para que ela possa vivenciar o culto em família.Não pense que ela não está entendendo o processo do culto, de tudo que está sendo lido discutido, boa parte ficará gravado em seu subconsciente e no dia e hora certos ira desabrochar faz uma grande diferença.
A importância do bom exemplo.
O dever dos pais é educar e preparar seus filhos para o mundo, de acordo com os preceitos divinos facilitando sua caminhada. "As imperfeições morais do obsediado constituem constantemente, um obstáculo à sua libertação (Allan Kardec- Livro dos Médiuns)". 
Tentar ensinar o certo falando certo, porém, praticando errado, não vai funcionar. Falar com seu filho que fumar faz mal pra a saúde, mas acender um cigarro atrás do outro não é uma boa maneira de educá-lo, pois você está se contradizendo o tempo todo. E a famosa frase "Faça o que falo, mas não faça o que faço!", também não vai funcionar. O tratamento da criança obsediada dependerá da disciplina não só dos pais, de toda a família. Assim, é importante para a criança participar da evangelização em família, fazer parte da evangelização infantil (todos os centros espíritas tem este trabalho), recebendo os passes já receitados... 
Nossas considerações
Assim, é preciso ter muito cuidado com as crianças quando elas apresentam sintomas de obsessão. O ambiente de harmonia e fé, as preces em família, a frequência ao pequeno pajé, como é o caso da nossa doutrina e a conversa, o acolhimento... Devemos ainda ter consciência que a obsessão nas crianças é mais difícil pois elas não sabem expor o que lhes acontece e o próprio obsessor pode levá-las a acreditar que tudo é culpa delas. Não raro vemos casos de suicídio infantil, depressões, isolamentos, mudança bruscas de comportamento e aversões sem motivos a lugares, objetos e pessoas, podem ser fortes indícios da obsessão nas crianças.
Com fé, carinho e cuidado é possível passar por esta traumática experiência com mais serenidade.
Salve Deus.
Postado por O MENSAGEIRO DA PAZ. 
Extraído da revista "Espiritismo- Filosofia - Ciência- Religião", ano 05- 12, 2011. O texto é de autoria de JM Ferreira, p. 41:

A OBSESSÃO NOS DIAS ATUAIS

Resultado de imagem para obsessao nos dias atuais

Nesta postagem quero aprofundar um pouco mais sobre o mundo das obsessões para que todos que se interessam pelo assunto possam ter melhores condições de entender a verdadeira finalidade da existência da Doutrina do Vale do Amanhecer. Existimos para combater a obsessão de uma forma simples e eficaz através do desenvolvimento de técnicas de manipulação de energias pelos rituais e trabalhos que foram implantados pela Clarividente Neiva. Mas, a eficácia deste sistema só se concretiza a medida que o Corpo Mediúnico da Doutrina, além de possuir essas técnicas, também passa se conscientizar da nova filosofia do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo para os tempos atuais. Esta nova Filosofia é a assimilação e a capacidade de manipular dois poderes que se entrelaçam, A FÉ E A CIÊNCIA.
Por esta razão, o Vale do Amanhecer não nasceu para seguir as velhas formas de religiosidade conhecidas e tidas pela sociedade como normais. Tanto é, que uma religião que esteja fora deste contexto padronizado, como é o nosso caso, passa a ter a conotação de Macumbaria e Bruxaria levando a principal Lei de Jesus ao mais alto grau de deturpação. Esta deturpação abre brechas para a obsessão das pessoas que vem aumentando assustadoramente a cada dia. Assim sendo, a Doutrina do Vale do Amanhecer não é somente mais uma religião, mas sim, A CIÊNCIA DOS MUNDOS ETÉRICOS COM APLICABILIDADE NA TERRA POR SERES HUMANOS ALTAMENTE CONSCIENTIZADOS DA LEI CRÍSTICA.
Analisemos agora, a obsessão pelo lado científico que ainda é desconhecido por grande parte da humanidade. É impossível tratarmos deste assunto sem levarmos em conta a lógica do óbvio da Lei de Causa e Efeito, também conhecida como Reencarnação. Somente ela justifica as diferenças sociais, as doenças, as guerras, a violência e toda a gama de coisas aparentemente absurdas que acontecem em nosso Planeta. A Reencarnação não é patrimônio exclusivo do Espiritismo e não foi inventada pelo Espiritismo, posto que é algo conhecido pela maior parte da humanidade, por milênios, muito antes do nascimento da Doutrina Espírita.
O Espírita, depois de estudar a Reencarnação, não crê na Reencarnação, ele passa a SABER a Reencarnação, o que é diferente.
Para começar, o Planeta Terra é habitado por duas humanidades, uma composta por seres encarnados e outra composta por seres desencarnados. Os encarnados, que somos nós, formamos uma multidão de aproximadamente seis bilhões e meio de pessoas e segundo a Clarividente Neiva, a população dos desencarnados é estimada em cerca de vinte bilhões. Sabemos que tanto os encarnados como os desencarnados são espíritos, cuja maioria se encontra na condição de sofredores por ainda não saberem amar, por ainda não conhecerem Jesus Cristo. É por esta e outras razões que através de paradigmas e dogmas, a realidade de Jesus foi deturpada e condicionada de uma forma horizontal com as religiões se preocupando mais com a forma do que com a essência, ainda assim, todas elas merecem nosso respeito.
Por este prisma, nota-se que a humanidade ainda é muito carente de um conhecimento espiritual mais avançado. Daí, a necessidade de um sistema mais consistente que possa restaurar a essência e aproximar a humanidade da verdade que ela desconhece. Neste contexto, Tia Neiva jurou seus olhos arrancar e entregá-los a Jesus em prol de trazer pela sua Clarividência, (cujas revelações podem ser testadas e comprovadas pelo senso comum), o ESPÍRITO DA VERDADE em auxílio à esta humanidade que não conhece seu princípio e que nada sabe sobre o seu final.
Vamos analisar agora, como se dá o vínculo da humanidade dos desencarnados com a dos encarnados, cujo efeito maior conhecemos por obsessão.
Quase todos os espíritos que nascem na Terra ficam presos e condicionados à ela, para que desta forma, possam pagar seus débitos pelo condicionamento e pela redução da consciência. Quando desencarnam, não conseguem se desvincular desta condição e muitas das vezes pensam que ainda estão vivos e não conseguem voltar para Deus, pois ninguém lhes mostrou o verdadeiro caminho. Mesmo na condição de desencarnados, eles sentem as mesmas necessidades que tinham quando encarnados. Sentem fome, querem ficar junto dos familiares, pensam que podem trabalhar, sentem necessidades sexuais, enfim, sentem todas as necessidades de um ser encarnado.

Para ficar mais fácil o entendimento deste assunto, vamos comparar com a seguinte situação: Imaginemos um pai de família que tem nove filhos, todos menores e que a seis meses perdeu seu emprego e não consegue mais trabalhar para sustentar sua família. Se persistir esta situação, o que é que pode acontecer? Provavelmente ele vai roubar e saquear supermercados para levar o alimento que lhe falta.
Assim também acontece no Plano Etérico, ou seja, aqui mesmo na Terra só que invisível aos nossos olhos físicos. Neste Plano, trava-se a maior disputa e contenda por alimento para alimentar os bilhões de espíritos famintos que o habitam. Este alimento chama-se ECTOPLASMA. Ectoplasma é uma energia que é gerada por todos os animais e seres humanos, sendo que nos seres humanos ela tem maior teor. Esta energia circula pela corrente sanguínea e é vibrátil nos dois planos, no físico e no Etérico e é ela que estabelece o contato dos espíritos com o homem via sistema nervoso. O Ectoplasma exala do nosso corpo pelos poros da nossa pele, pelos gestos e pela fala. Sendo assim, os desencarnados aprendem a usar esta energia para se alimentarem provocando nos seres humanos o fenômeno das OBSESSÕES. Quando um desencarnado se aproxima de um encarnado e começa a vibrar, o encarnado se sente nervoso, explosivo a ponto de cometer loucuras, suicídios, assassinatos etc. À medida que isso acontece, os desencarnados matam sua fome se sentem fortes e querem mais.
É isso que está acontecendo em alta escala com a humanidade recebendo vibrações negativas de bilhões de espíritos desencarnados. Deste ponto de vista toda a humanidade hoje se encontra enferma e o Planeta Terra virou uma panela de pressão que está prestes a explodir. O que é hoje a cidade do Rio de Janeiro, por exemplo? Quanto mais sangue, mais tiroteio, mais drogas melhor para estes espíritos. Esta situação está virando uma bola de neve e é aí que entra a ação do Vale do Amanhecer com a chamada Cura Desobsessiva.
Para entender bem este assunto, é necessário um conhecimento anterior sobre o êxodo Planetário de Capela para a Terra, que gerou toda essa confusão. A história dos Anjos decaídos, que no decorrer das postagens, aos poucos, irei descrever e comentar. Foi por causa dessa confusão que houve a necessidade da vinda do Messias, o Grande Mestre Jesus na Terra, para junto com outros Espíritos Evoluídos, começar o processo de libertação dessas almas, visando retorná-las às suas origens. Aí entra o significado da palavra RELIGIÃO.


OBSESSÃO OU POSSESSÃO

Salve Deus!
A maioria das pessoas carrega dentro de si grandes problemas a serem solucionados, mas que devem saber reconhecer quando estão caminhando por um deles, pois não conseguem ter clareza dos sentimentos da revolta, da perseguição, da face oculta.
Eu vi um quadro triste, uma difícil passagem onde o espírito encarnado é obsessor de outro encarnado sempre tornando difícil a evolução dos dois nesta escada fatal da vida humana.
Conforme o dicionário temos duas classificações independentes:
obsessão
sf (lat obsessione) 1 Ato ou efeito de importunar ou vexar. 2 Impertinência excessiva. 3 Preocupação constante; ideia fixa. 4 Med Perturbação causada por uma ideia fixa que leva o doente à execução de determinado ato. 5 Teol Perseguição diabólica, sugestão atribuída à influência do demônio.
Mas uma difere da outra na psique como no caso abaixo:
possessão
sf (lat possessione) 1 País sem independência, que vive sob a autoridade e proteção de um Estado soberano; colônia, domínio. 2 Estado de quem está possesso. 3 Fenômeno que, segundo o ocultismo, se observa em certos indivíduos que são possuídos e inteiramente dirigidos por entidades astrais, sem poder resistir.
Quando as pessoas têm um equilíbrio moral, social e espiritual elas ainda conseguem se manter numa posição de respeito ao próximo, mas quando elas possuem rastros de esquizofrenia qualquer das duas ações se torna uma perigosa arma de destruição. O ponto crucial desta armadilha é a falta de amor ou o amor excessivo, tornando as vidas um verdadeiro inferno pela má compreensão dos sentidos naturais que são os laços de afinidade.
Eu estive hoje num lar onde um jovem tem estes laços difíceis de serem diagnosticados pela família, mas no intimo ele se fechou na sua revolta por não saber dar vazão a estes sentimentos ocultos, pois é uma cobrança milenar que ele veio fazer em cima de outro encarnado. Ele veio cobrar uma divida passada, mas sem o conhecimento a sua vida também passará por grandes problemas, já que se ele não conseguir destruir aquele conjurado ele enlouquecerá, pois a meta dele é se vingar.
Eu vi este quadro obsessivo que distingue a nossa vida pelos nossos atos e os atos do nosso vizinho.
A Falange Pena Branca pode fazer a obsessão de um Médium deste Amanhecer, pois vendo que ele caminha para sua própria destruição e principalmente para a destruição de outros, eles mobilizam as forças colocando junto à vida daquele Médium um espírito que irá fazer esta cobrança, levando a um quadro doentio, bloqueando a sua vingança.
Este rapaz que fui visitar neste lar tem este quadro gravíssimo, mas seus pais não percebem esta mudança de comportamento por não terem tempo para os filhos, eles são muito ocupados, são também obsessivos pelo poder material, riqueza, dinheiro.
Todos se dizem religiosos, mas na verdade a religião passa a ser um desvio de conduta moral, já que eles têm que dar satisfação a sua sociedade que pertencem a algum grupo e assim tem uma sustentação para seus problemas não chegarem à tona.
Quando cheguei espiritualmente neste lar este jovem, acho que tinha uns 20 anos, veio em meu encontro, sorridente, parecia que ele não tinha nada, mas sua face escondia a sua realidade física, um reencontro com sua vitima que seria nesta encarnação um parente seu. O objetivo desta vingança seria dividas passadas que não foram quitadas em outras vidas, mas que agora ela seria desfrutada com ódio mais acirrado pela obsessão e traços de esquizofrenia aguda.
Eu fiquei na porta, não entrei, eu sabia o que iria encontrar nesta viagem, mas ele andava pela casa em círculos, ele dava risadas que chegava a se babar, demonstrando que algo não estava bem, algo já começava a transformar o espírito no algoz dos últimos dias.
Engraçado este tipo de cobrança. Na Terra o jovem tem tentado manter o equilíbrio, mas quando chega este outro encarnado que ele veio cobrar, ele se transforma e já tem reações sempre querendo ser o melhor e mais eficiente, derrubando moralmente seu parente. A vibração é uma constante nesta divida, mesmo eles estando distantes, ele não esquece e vibra desordenadamente.
A possessão é uma causa diferente, é quando uma pessoa é dominada por outro ser espiritual ou encarnado. Nós podemos possuir outra pessoa quando agimos contra os princípios humanos, nos colocando na sua vida como salvador, como sendo sua única alternativa. Este tipo de possessão se dá em todos os círculos, nos lares, nos trabalhos, na sociedade em si. O uso desta força indiscriminadamente leva ao autor um certo poder em cima dos demais que permitem este tipo de ação por sentirem precisão daquele trabalho, daquele ambiente. Então eles se permitem serem possuídos desta forma, perdendo suas identidades e criando uma falsa modéstia.
A possessão por um espírito também pode acontecer levando uma pessoa a cometer crimes contra outros e contra si mesma, como no caso o suicídio. O espírito faz a sua cobrança e depois ele o larga, pois já conseguiu o seu intento de destruí-lo moralmente na sua sociedade.
Este tipo de doenças é mais agravado pela combinação de outros motivos, como drogas, álcool, remédios etc.
Vendo o quadro no atual estágio de evolução o mundo espiritual tem agido de forma a equilibrar as forças desmaterializando e ensinando a verdadeira obra de reparar os erros sem que outros sejam cometidos. Por isso a evolução está chegando mais rápido com a doutrinação do eu no seu próprio mundo.
Se doutrinar, auto-doutrinar.
Esta forma de conhecimento leva a pessoa a se conhecer mais e a revelar seu intimo conversando consigo mesmo no fundo do seu coração. Nós podemos nos doutrinar com amor ou pela dor que chega para clarear a nossa estrada da vida.
Pense nisso!
Deixei o jovem em seu mundo, ele criou a sua barreira e só se libertará quando conhecer a ciência espiritual, pois é a única que tem poder para abrir esta porta lacrada.
Salve Deus!
Adjunto Apurê





LOUCURA E OBSESSÃO
SALVE DEUS.
Tendo em vista o grande número de Médiuns (jaguares ou não) que estão passando pela prova do desequilíbrio psíquico-emocional, em como de tantas pessoas que, não sendo missionários, chegam aos Templos em busca de Socorro para sua dores provenientes da perda do controle mental é bom que tomemos o estudo sobre o assunto. Já fiz postagens sobre fatos recentes envolvendo pessoa de minha família e como o Vale do Amanhecer nos ajudou a vencer a cobrança; provavelmente, farei outras postagens com base na minha experiência pessoal. Mas, agora, chegou a hora de aprofundamento no assunto, buscando fontes diversas e com mais capacidade do que a simples explanação de uma Ninfa.
O texto a seguir é uma cópia da introdução do livro "Loucura e obsessão" na psicografia de Divaldo P. Franco, ditado pelo Espírito de Manoel P. de Miranda.
Manoel Philomeno de Miranda foi um dos precursores do espiritismo no Brasil, contemporâneo de Bezerra de Menezes e atuou sempre em prol desta Doutrina. Agora, desencarnado, continua trazendo conhecimentos, sempre relevantes.
O livro em questão traz a abordagem a partir da observação dos trabalhos realizados em uma Casa Espírita dos motivos ou causas que podem propiciar a atuação dos cobradores e, desta forma, incutir no encarnado a loucura e a obsessão, também demonstra os diversos tratamentos espirituais que são aplicados nos que sofrem estas formas de influência espiritual.
"No aprofundamento do estudo da etiopatogenia da loucura, não se pode mais descartar as incidências do obsessão, ou predomínio exercido pelos Espíritos desencarnados sobre os Homens."
Constituindo o mundo pulsante além do mundo material, eles se movimentam e agem conforme a natureza evolutiva que os caracteriza.
Tendo-sem em vista o estágio atual de crescimento moral da Terra e , daqueles que a habitam, o intercâmbio entre as mentes que se encontram na mesma faixa de interesse é muito maior do que um observador menos cuidadoso e menos preparado pode imaginar.
Atraindo-se pelos gosto e aspirações, vinculam-se mediante afetos doentios. sustentando laços de desequilíbrio decorrente do ódio, assinalados pelas paixões inferiores, exercem contrição mental e, às vezes físicas, naqueles que lhes concedem respostas equivalentes, resultando variadíssimas alienações de natureza obsessiva.
Longe de negar a loucura e as causas detectadas pelos nobres pesquisadores do passado e do presente, o espiritismo as confirma, nelas reconhecendo mecanismos necessários para o estabelecimento de matrizes, através dos quais a degenerescência da personalidade ocorre, nas múltiplas expressões em que se apresenta.
Assinalamos, com base na experiência dos fatos, que nos episódios da loucura, ora epidêmica, a obsessão merece um capítulo especial, requerendo a consideração dos estudiosos, que poderão defrontar com o extraordinário campo para a investigação profunda da alma, bem como do comportamento humano.
De Guilherme Griesinger a Kraepelin, a Breuler, desde Pinel a Freud, de Ladislaus Von Meduna a Sakel, a kalinovisky, a Adolf Meyer, passando por toda uma elite de cientistas da psique, sem nos esquecermos de Charcot e Wundt, largos passos foram dados com segurança para a compreensão da loucura, suas causas, sua terapêutica, abrindo-se espaços para os modernos psiquiatras, psicólogos e psicanalistas.
Não obstante, a doença mental permanece como um grande desafio para aqueles que se empenham na compreensão de sua gênese,, sistematologia e conduta..
Allan Kardec, porém, foi extraordinário psicoterapeuta que melhor aprofundou a sonda da investigação no desprezado capítulo das obsessões, demonstrando que nem toda expressão de loucura significa morbidez e descontrole dos órgãos encarregados do equilíbrio psicofísico dos Homens, com vinculações de natureza hereditária, psicossocial etc...
Demonstrou que o espírito é herdeiro de si mesmo, dos seus atos anteriores, que lhe plasmam o destino futuro, do qual não se logra evadir.
Provando que a morte biológica não aniquila a vida, facultou ao entendimento a penetração e a solução de verdadeiros enigmas desafiadores, que passavam, genericamente como formas de loucura, loucura, certamente, que são, porém, da natureza diversa do conceito acadêmico conhecido.
Em razão disso o Homem não pode ser examinado parcialmente, como um conjunto de ossos, nervos e sangue, tampouco na acepção tradicional dualista de alma e corpo, mas, sob o aspecto pleno e total de Espírito, perispírito e matéria...
Através do Espírito participa da realidade eterna; pelo perispírito vincula-se ao corpo e, graças ao corpo, vive no mundo material.
É o perispírito o órgão intermediário pelo qual experimenta a influência dos demais Espíritos, que pululam a sua volta aguardando o momento próprio para o intercâmbio em que se comprazem.
Quando esses espíritos são maus e encontram guarida que as dívidas morais agasalham na futura vítima, aí nascem as obsessões, a princípio sutis, quase despercebidas, para, logo depois, se agigantarem, assumindo a gravidade das subjugações lamentáveis e, às vezes, irreversíveis..
Quando são bons exercem a salutar interferência inspirativa junto aqueles que lhes proporcionam sintonia, elevando-os às cumeadas da esperança, do amor, facultando-lhes o progresso bem como a conquista da felicidade.
O conhecimento do Espiritismo propicia os recursos para a educação moral do indivíduo, ensejando a terapia preventiva contra as obsessões, assim também, a cura salutar, quando o processo já se encontra instaurado.
Mesmo nos casos em que reconhecemos a presença da loucura em seus moldes clássicos, deparamo-nos sempre com um Espírito, em si mesmo doente, que plasmou um organismo próprio pra redimir-se, corrigindo antigas viciações e crimes que, ocultos ou conhecidos, lhe pesam na economia moral, exigindo liberação.
Kierkegaard, filósofo dinamarquês, em uma conceituação audaciosa, afirmou que " louco é todo aquele que perdeu tudo, menos a razão.", enfocando o direito que possui o alienado mental, de qualquer tipo, a um tratamento digno tendo sua razão para encontrar-se enfermo.
Nos comportamentos obsessivos, as técnicas de atendimento ao paciente, além de exigirem o conhecimento da enfermidade espiritual, impõem ao atendente outros valores preciosos que noutras áreas da saúde mental não são vitais, embora a importância de que se revestem. São eles: a conduta moral superior do terapeuta- o doutrinador encarregado da desobsessão-, bem como do paciente, quando este não se encontre inconsciente do problema; a habilidade afetuosos de que se deve revestir, jamais se esquecendo do agente desencadeador do distúrbio que é, igualmente enfermo, vítima desditosa, que procura tomar a justiça nas mãos, o contributo de suas forças mentais, dirigidas a ambos litigantes da pugna infeliz; a aplicação correta das energias e vibrações defluentes da oração ungida de fé e amor; o preparo emocional para entender e amar tanto o hóspede estranho e invisível, quanto o hospedeiro impertinente e desgastante no vaivém das recidivas e desmandos...
A cura das obsessões, conforme ocorre no caso da loucura, é de difícil curso nem sempre rápida, estando a depender de múltiplos fatores,, especialmente, da renovação, para melhor, do paciente, que deve envidar esforços máximos para granjear a simpatia daquele que o persegue, adquirindo méritos através da ação pelo bem desinteressado em favor do próximo, o que, em última análise, torna-se em benefício pessoal.
Vulgarizando-se a loucura como obsessão, cada vez mais, e ora em caráter epidemiológico, faz-se necessário, mais generalizado urgente, um maior conhecimento da terapia desobsessiva, desde que a psiquiátrica se encontre nas mãos hábeis dos profissionais sinceramente interessados e estancá-la.
Como o surto das obsessões está a exigir atenção crescente, reunimos, neste livro, alguns casos que nos convidaram ao estudo, inclusive um de comportamento sexual especial, acompanhando-os em um Núcleo de Sincretismo afro-brasileiro, onde encontramos a presença do amor de Deus e a abnegação da caridade cristã, conforme os ensinamentos de Jesus.
Reconhecendo, porém, a superior missão do Consolador que cumpre ao espiritismo executar, segundo a segura e sábia conduta doutrinária apresentadas nas obras d que Allan Kardec se fez excelente missionário, na podemos negar os benefícios que se haurem em todas as células religiosas de socorro, especialmente naquelas em que o intercâmbio mediúnico e a reencarnação demonstram a imortalidade da alma e a justiça divina, passo avançado para conquistas de sabedoria e de libertação.
Partindo de experiências mais primárias no campo do mediunismo, este abre-se para a iluminação espíritistas, enquanto se tornam celeiros de esperança, espargindo bênçãos necessárias para aqueles qu lhes buscam o concurso.
Agradecendo ao Dr Bezerra de Menezes e aos Nobres Amigos Espirituais, que mourejam, anônimos, ao socorro aos infelizes mais infelizes, que são os alienados pela loucura ou pela obsessão, e os seus algozes,exoramos as bênçãos do Terapeuta Divino, que é Jesus, em favor d todos nós, Espíritos imperfeitos que reconhecemos ser.
Manoel P. de Miranda.
Salvador, 16 de juno de 1986.


MEDICINA E A OBSESSÃO


MEDICINA RECONHECE OBSESSÃO ESPIRITUAL
Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico psiquiatra e coordenador da cadeira (hoje obrigatória) de Medicina e Espiritualidade na USP:
Ouvir vozes e ver espíritos não é motivo para tomar remédio de faixa preta pelo resto da vida... Até que enfim as mentes materialistas estão se abrindo para a Nova Era; para aqueles que queiram acordar, boa viagem, para os que preferem ainda não mudar de opinião, boa viagem também...
Uma nova postura da medicina frente aos desafios da espiritualidade.
A obsessão espiritual como doença da alma, já é reconhecida pela Medicina. Em artigos anteriores, escrevi que a obsessão espiritual, na qualidade de doença da alma, ainda não era catalogada nos compêndios da Medicina, por esta se estruturar numa visão cartesiana, puramente organicista do Ser e, com isso, não levava em consideração a existência da alma, do espírito. No entanto, quero retificar, atualizar os leitores de meus artigos com essa informação, pois desde 1998, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o bem-estar espiritual como uma das definições de saúde, ao lado do aspecto físico, mental e social. Antes, a OMS definia saúde como o estado de completo bem-estar biológico, psicológico e social do indivíduo e desconsiderava o bem estar espiritual, isto é, o sofrimento da alma; tinha, portanto, uma visão reducionista, organicista da natureza humana, não a vendo em sua totalidade: mente, corpo e espírito.
Mas, após a data mencionada acima, ela passou a definir saúde como o estado de completo bem-estar do ser humano integral: biológico, psicológico e espiritual.
Desta forma, a obsessão espiritual oficialmente passou a ser conhecida na Medicina como possessão e estado de transe, que é um item do CID - Código Internacional de Doenças - que permite o diagnóstico da interferência espiritual Obsessora.
O CID 10, item F.44.3 - define estado de transe e possessão como a perda transitória da identidade com manutenção de consciência do meio-ambiente, fazendo a distinção entre os normais, ou seja, os que acontecem por incorporação ou atuação dos espíritos, dos que são patológicos, provocados por doença.
Os casos, por exemplo, em que a pessoa entra em transe durante os cultos religiosos e sessões mediúnicas não são considerados doença.
Neste aspecto, a alucinação é um sintoma que pode surgir tanto nos transtornos mentais psiquiátricos - nesse caso, seria uma doença, um transtorno dissociativo psicótico ou o que popularmente se chama de loucura bem como na interferência de um ser desencarnado, a obsessão espiritual.
Portanto, a Psiquiatria já faz a distinção entre o estado de transe normal e o dos psicóticos que seriam anormais ou doentios.
O manual de estatística de desordens mentais da Associação Americana de Psiquiatria - DSM IV - alerta que o médico deve tomar cuidado para não diagnosticar de forma equivocada como alucinação ou psicose, casos de pessoas de determinadas comunidades religiosas que dizem ver ou ouvir espíritos de pessoas mortas, porque isso pode não significar uma alucinação ou loucura.
Na Psicologia, Carl Gustav Jung, discípulo de Freud, estudou o caso de uma Médium que recebia espíritos por incorporação nas sessões espíritas.
Na prática, embora o Código Internacional de Doenças (CID) seja conhecido no mundo todo, lamentavelmente o que se percebe ainda é muitos médicos rotularem todas as pessoas que dizem ouvir vozes ou ver espíritos como psicóticas e tratam-nas com medicamentos pesados pelo resto de suas vidas.
Em minha prática clínica (também praticada por Ian Stevenson), a grande maioria dos pacientes, rotulados pelos psiquiatras de "psicóticos" por ouvirem vozes (clariaudiência) ou verem espíritos (clarividência), na verdade, são médiuns com desequilíbrio mediúnico e não com um desequilíbrio mental, psiquiátrico. (Muitos desses pacientes poderiam se curar a partir do momento que tivermos uma Medicina que leva em consideração o Ser Integral).
Portanto, a obsessão espiritual como uma enfermidade da alma, merece ser estudada de forma séria e aprofundada para que possamos melhorar a qualidade de vida do enfermo.


Sérgio Felipe de Oliveira é um psiquiatra brasileiro, doutor em Neurociências, mestre em Ciências pela USP (Universidade de São Paulo) e destacado pesquisador na área da Psicobiofísica. A sua pesquisa reúne conceitos de Psicologia, de Física, de Biologia e de Espiritismo.
Desenvolve estudos sobre a glândula pineal, estabelecendo relações com atividades psíquicas e recepção de sinais do mundo espiritual por meio de ondas eletromagnéticas. Realiza um trabalho junto à Associação Médico-Espírita de São Paulo AMESP e possui a clínica Pineal Mind, onde faz seus atendimentos e aplica suas pesquisas.
Segundo ele, a pineal forma os cristais de apetite que, em indivíduos adultos, facilita a captura do campo magnético que chega e repele outros cristais. Esses cristais são apontados através de exames de tomografia em pacientes com facilidade no fenômeno da incorporação. Já em outros pacientes, em que os exames não apontam tais cristais, foi observado que o desdobramento fora facilmente apontado.
Segundo a revista Espiritismo & Ciência,  "o mistério não é recente. Há mais de dois mil anos, a glândula pineal é tida como a sede da alma. Para os praticantes da ioga, a pineal é oajna chakra, ou o “terceiro olho”, que leva ao autoconhecimento. O filósofo e matemático francês René Descartes, em Carta a Mersenne, de 1640, afirma que “existiria no cérebro uma glândula que seria o local onde a alma se fixaria mais intensamente”.
Sérgio Felipe de Oliveira tem feito palestras sobre o tema em várias universidades do Brasil e do exterior, inclusive na Universidade de Londres. Numa apresentação na Universidade de Caxias do Sul, o pesquisador afirmou ter recebido vários estímulos para estudar a glândula pineal quando ainda estava concentrado em pesquisas na área de física e matemática. Um desses estímulos foi uma visão em que lhe apareceu o professor Zerbini, renomado médico cardiologista e pioneiro dos transplantes de coração no Brasil. Zerbini, a quem Sérgio teria substituído em seus dois últimos compromissos acadêmicos, sugeriu a Sérgio insistentemente (durante a visão) que estudasse a glândula pineal, conforme o relato do pesquisador.
Postado por Edson Rodrigues Martins




DESENVOLVIMENTO E OBSESSÕES 
SOB A VISÃO NA DOUTRINA
Desenvolver-se espiritualmente,ou ativar os chacras existentes e passivos no ser humano, é uma tarefa nobre e uma caridade que faz com que o espírito consiga pagar suas dívidas cármicas, assim como, encontrar uma maneira mais amena para voltar a origem espiritual. Desenvolver na verdade, é fazer com que mediunidade já existente possa trabalhar em função do indivíduo. Uma ideia bastante clara da atuação negativa da mediunidade, encontramos na sabedoria popular o "QUEBRANTO”, ou “MAL OLHADO”, que é na verdade a mediunidade não trabalhada, não desenvolvida, que “encharca”, o Homem em sua trajetória fazendo quem fique abatido, as vezes simulando um processo anêmico, que também pode ser atuação de espíritos classificados e definidos como Murussangi.
Na nossa Doutrina, quando ele aqui chega, já vem com um perfil definido, sua vida cheia de situações complicadas, as quais se identifica por desânimos e desatinos emocionais e ou financeiros, mas este Homem, mesmo com essas dificuldades não se deixa cair por completamente. Quando está diante das entidades, no caso nos Tronos com os Pretos velhos, sua áurea está carregada , não só por seu aspecto vibratório baixo, quanto pelos cobradores que vem ao longo de sua encarnação atuando no seu dia a dia.
Na verdade a atuação de espíritos no Médium não desenvolvido, acontece de maneira sutil, gradual, progressiva, porém cumulativa. Embora as vezes perceba essa atuação, não a considera, deixando que sua vida transcorra normalmente, e entre altos e baixos, vai conduzindo sua vida como melhor lhe convém. Mas a atuação, ou cobrança espiritual tem dois lados ou formas de despertar o Médium para sua vida missionária. Quando se exaure todas as suas energias, e um cansaço lhe abate, ele não tem outra alternativa a não ser procurar uma corrente mediúnica para poder aliviar essas atuações.
Já na palestra dominical, ele sente o alivio das pressões oriundas da atuação de seus cobradores. Definida a mediunidade ele começa seu desenvolvimento. Enquanto isso no plano espiritual, o Ministro que assiste este Médium e o levará ao castelo de iniciação. Neste período, ele negocia com o cobrador, adianta alguns bônus, desta forma, os cobradores são afastados, para que o Médium possa prosseguir em seu desenvolvimento.
É sabido que a mediunidade é um fator biológico, cuja movimentação no aparelho circulatório e respiratório dá origem ao ectoplasma. Porém esta mediunidade quando alterada por qualquer desequilíbrio psíquico altera não só os chacras, quanto os órgãos físicos como baço e fígado. O Médium quando está aflorando sua mediunidade fica perigoso, seja homem ou mulher, segundo Tia Neiva, a maioria dos casais se desentendem nesta fase, sem observar que neste período é que mais recebem vibrações. Quando enfermo o Médium pode receber uma atuação de uma projeção negativa obsessiva, ele então confunde seu próprio ambiente e não tão fácil distinguir a situação precisa do caso.
Tia Neiva afirma que a Esquizofrenia é o mal mais comum em nossos dias,sendo perigoso de ser diagnosticado, ela se classifica em vário tipos:
Esquizofrenia por penas passivas, ativa e hereditária, neste caso é ainda mais nociva por envolver toda a família. É um Elítrio em cobrança,anulando a personalidade e se reajustando. Nobres entre nobres, espíritos de reais tiranos.
Um dos tipos de Esquizofrenia mais complicadas e mais danosa é a esquizofrenia de Hórus. Seu portador parece ser um autodidata,sua capacidade de racionar o coloca no porte altaneiro, discute e defende suas teses, as quais tem um raciocínio muito claro. Para poder enfrentar este tipo de atuação, as vezes é necessário fingir gostar de seus esclarecimentos ou ideais, mas ao mesmo tempo conduzindo-o e tratando com as forças desobssesivas cabalísticas, colocando-a em seu favor. Segundo Tia Neiva, Hórus foi o mais pretensioso dos reis Egípcio.
Outro tipo de patologia psíquico mediúnica é Médium obsedado, parece com processo da esquizofrenia, a medida que vai se desenvolvendo, vai melhorando,ele tem atuação um Elítrio, sua cura,dás-se por manipulação de forças mântricas desobsessivas, passes e também por medicamentos.
Quando este processo do “obsedado” acentua-se, ele acredita estar à porta da morte, procura por tratamento médico convencional e é encharcado por psicotrópicos. E até choques elétricos. Neste a força mediúnica fica bloqueada ,por entorpecimento do S.N.C. (Sistema nervoso central), e o tratamento mediúnico espiritual, pouco pode fazer.





Existe outro tipo de obsessão, esta causada ou permitida pelo mentor do Médium: este tipo de obsessão, normalmente permitida pela falange dos Caboclos pena Branca, isto quando seu tutelado caminha para sua própria destruição. Esta cura depende muito da conscientização do Médium e sua aceitação de sua missão 
Epilepsia é uma alteração na atividade elétrica do cérebro, temporária e reversível, que produz manifestações motoras, sensitivas, sensoriais, psíquicas ou neurovegetativas (disritmia cerebral paroxística). É uma cobrança muita sofrida, pois pode se intensificar nas fases da lua. Sendo na lua nova sua mais forte atuação. A cura pode ser uma reprogramação espiritual, pois as energias de suas heranças transcdentais podem curá-lo.
Em contrapartida, os fanáticos, são fáceis de serem curados, isto é, se sua família não aborrece-lo e comece verdadeiramente a amá-lo, pois ele carrega consigo uma grande falange de espíritos sofredores religiosos.
A proteção intensa dos mentores no Mestre em desenvolvimento é grande, pois sua assistência é sempre por espíritos luminosos e nunca sob a assistência das trevas. As vibrações tanto dos familiares, quantos de seus instrutores, considerando as positivas, quanto maior, melhor o poder de resistir a ação das forças contrárias. Quanto maior o poder das forças positivas, maior o poder de resistir a ação das forças contrárias.
O desenvolvimento é a condição técnica para que o homem encontre seu ponto, seu centro nervoso, suas habilidades mediúnicas. Também há de se considerar o fato Divino, e a busca dessa ascensão, a conquista de fatores que irão auxilia-lo na busca de suas origens transcendentais e na harmonia de seu reino coronário. Embora com toda a narrativa acima descrevendo as patologias tanto física, quanto espiritual, este terceiro plano é o ambiente adequado para os reajustes cármicos de nossa peregrinação e reencontro como nossas vítimas do passado, contando sempre com a assistência de nossos mentores, os quais, também num processo desta corrente universalista, caminhamos no mesmo interesse, na evolução de espíritos a caminho de Deus.
Tendo como instrumento maior a Doutrina do Amanhecer, com seu conjunto de leis e rituais, os Jaguares com a ”Força da Terra”, ao lado deste missionário maior Seta Branca, tem um compromisso temporal neste terceiro plano por volta de trezentos anos, estamos com pouco mais de quarenta anos de caminhada, nos restam ainda muito por fazer. Nós outros, somos o percursores, somos aqueles que temos por obrigação tornar a estrada que leva ao futuro, menos complicada, mais entendida, facilitando portanto as novas gerações que estão por vir.
Gilmar /Adunto Adelano
Fonte de consulta: Os primeiros passos do desenvolvimento por Tia Neiva.






estrela_116.gif

forcas.gif (99664 bytes)forcas.gif (99664 bytes)
estrela_116.gif
DEMÔNIOS
Compreendendo numerosas entidades de várias denominações, os demônios têm suas características próprias desde textos bíblicos até a atualidade, ainda reforçadas pelas fantasias populares e por autores literários, sempre marcadas por máculas morais ou físicas, com sua maldade presente nas injúrias, pragas, maldições, raivas, além do poder da obsessão, em que vai, passo a passo, tomando conta de uma pessoa, alterando toda a personalidade e levado-a para o caminho do mal. Na nossa Doutrina do Amanhecer, em que pese reconhecermos toda a carga negativa desses espíritos do Mal, aos quais podemos denominar simplesmente demônios, somos preparados para esses encontros, não como um combate entre a Luz e as Trevas, mas, sim, como uma grandiosa oportunidade de podermos ajudar àqueles irmãos a saírem da triste situação de demônios.
Demônios são espíritos maus, que podem ser da Natureza ou de desencarnados que, ao contrário da evolução, trilharam caminhos contrários e se perderam por sua falta de amor, de compreensão e entendimento das revelações da Espiritualidade Maior. Provocam conflitos, doenças, catástrofes e morte, na verdade representando sempre um poder responsável pelo Mal que se reflete nas ações daqueles que estão sob a influência deles. Eles cumprem suas tarefas junto aos espíritos encarnados, ampliando a ação nefasta de cobradores e obsessores, e desencarnados, escravizando-os em seus reinos e em suas cavernas.
Na História, a origem dos demônios se perde nas antigas religiões, principalmente na Pérsia. Os assírio-babilônicos e os egípcios criaram demonologia complexa, tendo surgido numerosos processos de exorcismo e ritos mágicos que perduraram até os dias atuais, atravessando tempo e espaço, influenciados por religiões e doutrinas, adaptando-se às novas filosofias e culturas, bem diferenciados no Oriente. Aqui no Ocidente, a maior influência veio através da Bíblia, em que vários trechos falam de espíritos que alteram os sentimentos do Homem. Nos livros de Jó e de Zacarias já surgiu o nome de Satanás, da corte celeste, para identificar o acusador dos homens e o que os põem à prova, tentando-os. Mais tarde, o Judaísmo aponta os demônios como anjos caídos, auxiliares de Satanás. E nos Evangelhos vamos encontrar o relato da luta de Jesus contra os demônios, quando se amplia essa luta considerando a magia e a idolatria como instrumentos diabólicos. Na opinião dos Evangelistas, no final dos tempos, os demônios serão definitivamente vencidos. No ano de 563, o Concílio de Braga declarou que o demônio, a princípio, era um anjo bom feito por Deus, e sua natureza foi obra de Deus, tornando-se mau não pela condição da própria natureza mas, sim, pelo próprio livre arbítrio. Concluímos, então, que o diabo tem personalidade, já que utiliza seu livre arbítrio, e é alguém, e não um mero símbolo do Mal. O Papa Pio XII, em 1948, afirmou que os anjos eram criaturas pessoais, o que pode se aplicar, então, aos demônios. Estudiosos nos revelam que cerca de duzentos anjos guardiões, liderados por Azazel, se rebelaram contra Deus, e desceram à Terra, na região do monte Hermon, unindo-se a mulheres das tribos locais, gerando um grande número de gigantes e divulgando os segredos do Céu, dando origem à magia negra e à feitiçaria. Deus incumbe o Arcanjo Rafael de capturar Azazel e seus seguidores, e prendê-los em uma caverna, e de despertar o povo para as verdades do Céu, se contrapondo aos ensinamentos do mal. Vamos rever a posição de Satanás, não como antagônica a Deus, mas sim como um espírito rebelde e decaído, que foi criado como os outros espíritos do Céu, que mantém a natureza angélica que define seu ser.
De modo geral, através dos tempos, o demônio é culpado por um sem número de atuações que conduzem o Homem a situações aflitivas e que sabemos se tratar de obsessões. Por ação dele, o Homem seduz, mente, corrompe, atormenta, divide, insufla os cismas, suscita as heresias, deforma todo o Bem, fomenta as guerras, trama os crimes, semeia ruínas, faz brilhar as aparências... Os magos e os feiticeiros utilizam os demônios para a realização de trabalhos na Magia Negra. Muitos deuses e deusas antigos se tornaram demônios – Baal, Moloch, Astartê e Belzebu, como exemplos. Moisés tornou demônios os deuses dos povos vizinhos de Israel. Dentro da vertente africana, os Exus tiveram suas ações revisadas e de mensageiros dos deuses se transformaram em demônios. Com o poder e influência das autoridades religiosas, os demônios foram se transformando em figuras grotescas e monstruosas. Até o surgimento de chifres se fez em Satanás, dentro da ideia ancestral de que o chifre servia para simbolizar a força, a potência e a majestade do poder real. O assunto é tão tumultuado através da História que o termo Lúcifer, que significa “Portador da Luz”, foi usado por Pedro para designar Jesus e, depois, pela palavra de alguns Papas, passou a designar um sinônimo de Satanás, sendo assim popularizada a denominação. Para nós, no Vale do Amanhecer, Satanás é uma simples representação do Vale Negro, do mundo espiritual onde estão os espíritos de baixo padrão vibratório que provocam as obsessões e fortalecem as cobranças transcendentais. São os espíritos que vivem no Vale das Sombras  e nos abismos . Na Doutrina do Amanhecer, denominamos abismos às regiões do interior da Terra e do fundo dos mares onde habitam milhões de criaturas, veículos de espíritos conscientes, que agem, pensam, sentem e se entrosam de diversas maneiras com o plano físico da Terra, influenciando o Homem de acordo com as eras em que estão fixados e seus graus de evolução. Não nos foi dado reconhecer um comando único dessas forças, um só rei, um só poder, porque são inúmeras falanges de espíritos conduzidos por grandes chefes, dotados de muita sabedoria e inteligência, envolventes, que escravizam e manipulam seus povos, e que se manifestam de diversas formas, dependendo, é claro, do padrão vibratório de suas vítimas encarnadas. Estabelecem, de modo geral, a intranquilidade, os ódios, as brigas e as doenças por força de suas forças negativas. Nossos adversários não se concentram em um Satanás e nem em um Lúcifer. Nossa missão, o que temos de enfrentar no nosso dia-a-dia, é a permanente luta entre o Bem e Mal, buscando equilibrar nossas mentes e nosso padrão vibratório, marcando esses encontros com nosso alerta permanente e com a nossa astúcia, com vistas a não perdermos a oportunidade de podermos fazer chegar, ainda que muito superficialmente, com suavidade, o toque da nossa força de Doutrinador, com a influente ação do nosso ectoplasma animal, na tentativa de alcançar o íntimo daquele espírito e, com isso, começar sua libertação do Vale das Sombras.
Consideramos a figura do diabo apenas como um símbolo do mal e do que é negativo que devemos enfrentar em nossa jornada. Temos que caminhar sempre vigilantes com o que nos rodeia e, principalmente, com o que temos dentro de nós, para não dar espaço à ação do Vale das Sombras. Nosso sucesso, nossas realizações, tudo estará sempre na dependência de nossa conduta doutrinária e do nosso padrão vibratório, as fortes armaduras de que dispomos para o enfrentamento com nossos irmãos perdidos no ódio e na vingança. É a oportunidade que temos para, com amor e tolerância, poder despertar a consciência desses irmãos para os caminhos da Luz.



A seguir, alguns trechos das Escrituras que tratam de Satanás:
GÊNESIS – 3, 14-15: Então o Senhor Deus disse à serpente: “Visto que isso fizeste, maldita és entre todos os animais domésticos, e o és entre todos os animais selváticos; rastejarás sobre o teu ventre e comerás pó todos os dias de tua vida. Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”
SAMUEL I – 17, 14-15: Tendo-se retirado de Saul o Espírito do Senhor, da parte deste um espírito maligno o atormentava. Então os servos de Saul lhe disseram: “Eis que agora um espírito maligno, enviado de Deus, te atormenta!”
– 2, 1-11: Num dia em que os filhos de Deus vieram se apresentar perante o Senhor, veio também Satanás ele entres, apresentar-se a Ele. Então, o Senhor disse a Satanás: “De onde vens?” Respondeu Satanás ao Senhor, e disse: “De rodear a Terra e passear por ela!” Perguntou o Senhor a Satanás: “Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na Terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente de Deus, e que se desvia do mal. Ele conserva a sua integridade embora me incitasses contra ele, para o consumir sem causa.” Então Satanás respondeu ao Senhor: “Pele por pele, e tudo quanto o homem tem dará pela sua vida! Estende, porém a tua mão, toca-lhe nos ossos e na carne, e verás se não blasfema contra ti na tua face!” Disse o Senhor a Satanás: “Eis que ele está em seu poder; mas poupa-lhe a vida!” Então saiu Satanás da presença do Senhor, e feriu ade tumores malignos, desde a planta do pé até o alto da cabeça. Jó, sentado em cinzas, tomou um caco para com ele raspar-se. Então sua mulher lhe disse: “Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus, e morre!” Mas ele lhe respondeu: “Falas como qualquer doida! Temos recebido o bem de Deus, e não receberíamos também o mal?” Em tudo isso não pecou com os seus lábios.
MATEUS – 4, 1-11: A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: “Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães!” Jesus, porém, respondeu: “Está escrito: não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus!” Então o diabo o levou à cidade santa, colocou-o sobre o pináculo do templo, e lhe disse: “Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra!” Respondeu-lhe Jesus: “Também está escrito: não tentarás o Senhor teu Deus!” Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles, e lhe disse: “Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.” Então, Jesus lhe ordenou: “Retira-te, Satanás, porque está escrito: ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele darás culto!” Com isto, deixou o diabo, e eis que vieram anjos, e O serviam. (LUCAS - 4, 3-13)
MATEUS – 10, 1: Tendo chamado os seus doze discípulos, deu-lhes Jesus autoridade sobre espíritos imundos para os expelir, e para curar toda sorte de doenças e enfermidades.
MATEUS – 12, 43-45: Quando o espírito imundo sai do Homem, anda por lugares áridos procurando repouso, porém não encontra. Por isso, diz: “Voltarei para minha casa de onde saí.” E, tendo voltado, a encontra vazia, varrida e ornamentada. Então vai, e leva consigo outros sete espíritos, habitam ali; e o último estado daquele Homem torna-se pior do que o primeiro. Assim também acontecerá a esta geração perversa.
MATEUS – 13, 36-42: Então, despedindo as multidões, foi Jesus para casa. E chegando-se a ele os seus discípulos, disseram: “Explica-nos a parábola do joio no campo.” E Ele respondeu: “O que semeia a boa semente é o Filho do homem; o campo é o mundo; a boa semente são os filhos do reino; o joio são os filhos do maligno; e o inimigo que o semeou é o diabo; a ceifa é a consumação do século e os ceifeiros são os anjos. Pois assim como o joio é colhido e lançado ao fogo, assim será na consumação do século. Mandará o Filho do homem os seus anjos que ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniquidade, e os lançarão na fornalha acesa; ali haverá choro e ranger de dentes. Então, os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça!”
MATEUS – 26, 41: Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.
MARCOS – 1, 12-13: E logo o espírito O impeliu para o deserto onde permaneceu quarenta dias, sendo tentado por Satanás; estava com as feras, mas os anjos O serviam.
MARCOS – 16, 17-18: Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creêm; em meu nome expelirão demônios, falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma causa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.
LUCAS – 8, 1-3: Aconteceu depois disto que andava Jesus de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus, e os doze iam com ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios, e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com os seus bens. 
LUCAS – 10, 17-20: Então regressaram os setenta, possuídos de alegria, dizendo: “Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo Teu nome!” Mas ele lhes disse: “Eu via a Satanás caindo do céu como um relâmpago. Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo, e nada absolutamente vos causará dano. Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, e, sim, porque os vossos nomes estão arrolados nos céus!”
JOÃO – 6, 70-71: Replicou-lhes Jesus: “Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo!” Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo um dos doze.
JOÃO – 8, 43-45: Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas, porque eu digo a verdade, não me credes!
ATOS – 5, 1-6: Entretanto, certo homem, chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade, mas de acordo com sua mulher, reteve parte do preço e, levando o restante, depositou-o aos pés dos apóstolos. Então disse Pedro: “Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo? Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus!” Ouvindo essas palavras, Ananias caiu e expirou, sobrevindo grande temor a todos os ouvintes. Levantando-se os moços, cobriram-lhe o corpo e, levando-o, o sepultaram.
ATOS – 10, 38: Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com Ele!
ATOS – 13, 10: Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os retos caminhos do Senhor?
ROMANOS – 16,20: E o Deus da paz em breve esmagará debaixo de vossos pés a Satanás. A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo seja convosco!
CORÍNTIOS I – 7, 5: (falando sobre o casal) Não vos priveis um ao outro, salvo, talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e novamente vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.
CORÍNTIOS II – 2, 10-12: A quem perdoais alguma coisa, também eu perdôo; porque de fato o que tenho perdoado, se alguma coisa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo; para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios.
CORÍNTIOS II – 6, 14-15: Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto, que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão da Luz com as trevas? Que harmonia entre Cristo e o Maligno? Ou que união do crente com o incrédulo?
CORÍNTIOS II – 11, 13-14: Porque os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar ; porque o próprio Satanás se transforma em anjo de Luz!
EFÉSIOS – 2, 1-5: Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais. Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos.
EFÉSIOS – 2, 11-12: Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os príncipes e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.
HEBREUS 2, 14-15: Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse a todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida!
TIAGO – 4, 6-7: Antes, ele dá maior graça; pelo que diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós!
PEDRO – 5, 8-9: Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão-se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo.
APOCALIPSE – 12, 7-9: Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a Terra e, com ele, os seus anjos.
APOCALIPSE – 20, 1-3: Então vi descer do céu um anjo; tinha na mão a chave do abismo e uma grande corrente. Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos.; lançou-o no abismo, fechou-o, e pôs selo sobre ele, para que não mais enganasse as nações até se completarem os mil anos. Depois disso é necessário que ele seja solto pouco tempo. APOCALIPSE – 20, 9-10: Marcharam, então, pela superfície da Terra e sitiaram o acampamento dos santos e a cidade querida; desceu, porém, fogo do céu e os consumiu. O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde, também, se encontram não só a besta como o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite pelos séculos dos séculos.

   


 OS 4 CAVALEIROS DO APOCALIPSE

Resultado de imagem para cavaleiros do apocalipse

E, havendo o Cordeiro aberto um dos selos, olhei, e ouvi um dos quatro animais, que dizia como em voz de trovão: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso, e para vencer. E, havendo aberto o segundo selo, ouvi o segundo animal, dizendo: Vem, e vê. E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra, e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada. E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi dizer ao terceiro animal: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo preto e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança na mão. E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um dinheiro, e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho E, havendo aberto o quarto selo, ouvi a voz do quarto animal, que dizia: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo amarelo, e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da Terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da Terra.

Apocalipse 6: 1-8  
Os 4 Cavaleiros do Apocalipse, são personagens descritas na terceira visão profético, do Apostolo João, no livro Bíblico de revelação ou Apocalipse.
Os 4  Cavaleiros  do Apocalipse, são: 
Peste, Guerra, Fome e Morte.
As cores dos cavalos dizem muito respectivos cavaleiros como:
Branco/Cinza- Falsa pureza, falsa inocência, falsa paz
Vermelho – Sangue, assassinato, guerra
Preto – Obscuridade, peste, maldição
Amarelo/Descorado Baio – Corpo em decomposição

Resultado de imagem para os 4 cavaleiros do apocalipse
E àqueles que estão dominados pelo terror das previsões, especialmente ligados ao Apocalipse de João, constante do Novo Testamento, busquemos o que disse nosso Pai em dezembro de 1976: já prevendo o poder e a força a ser manipulada na Estrela Candente (único portal pelo qual poderia passar até mesmo um “Cavaleiro do Apocalipse”), nos dá uma mensagem de confiança em nossa responsabilidade e despertar:
“Filhos queridos do meu coração! Seguiremos a marcha evolutiva e grandes são as realizações que também vos proporcionarei, no conhecimento iniciático nesta Corrente do Amanhecer. Jamais me passará desapercebido qualquer filho, colocado a caminho de Deus, cada filho que se encaminha ao altar da Presença Divina e eleva a sua espada aos olhos de Jesus!
“Filhos, cada espada que se ergue é uma esperança na conquista de uma Nova Era, e é por ela que Jesus vem impedindo a força dos irrealizados cavaleiros milenares, que vêm cavalgando na ira de uma vingança desproporcionada. Era do Apocalipse! Jaguares do Amanhecer, tereis vós outros a missão de detê-los e colocá-los a caminho de Deus! Cada cavaleiro tem um poder destruidor, e quis a vontade de Deus nos colocar diante desses cavaleiros - os Cavaleiros do Apocalipse. Somente o amor, em vossas espadas doutrinárias da lei física e da espiritual, impedirá tão impetuosos espíritos. Filhos queridos do meu coração! Seguiremos a marcha evolutiva e grandes são as realizações que também vos proporcionarei, no conhecimento iniciático nesta Corrente do Amanhecer. Jamais me passará desapercebido qualquer filho, colocado a caminho de Deus, cada filho que se encaminha ao altar da Presença Divina e eleva a sua espada aos olhos de Jesus! Filhos, cada espada que se ergue é uma esperança na conquista de uma Nova Era, e é por ela que Jesus vem impedindo a força dos irrealizados cavaleiros milenares, que vêm cavalgando na ira de uma vingança desproporcionada. Somente o amor, em vossas espadas doutrinárias da lei física e da espiritual, impedirá tão impetuosos espíritos.” 
Já em 1977, Pai Seta Branca nos fala da anulação dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse: 
“A Natureza ensina, por indução corpórea, o bem à utilidade comum. Porque, filhos, o fogo sempre vos atinge, movendo-se na atmosfera, tomando uma configuração semelhante à dos corpos. Afirmemos, filhos, a existência de um fogo cheio de imagens e de ecos. Chamemos, filhos, este fogo de luz subpungente... atmosfera... corcel fulgurante de estrelas, chama do ouro e da prata, meditação prolongada... Será, então, um espetáculo que vossos olhos irão ver: astros que irão brilhar, lâmpadas que irão acender. Porque a Terra não irá tremer para vós outros, porque tudo é ALMA e NATUREZA. Por que devotar-se a morrer se não acreditais na vida eterna? Nos mundos civilizados, do contato e do amor, é chegada a grande hora! Cairá, portanto, o falso preconceito da visão física. Dias virão, também, em que não terão razão para atuar os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, que simbolizam a Desventura, a Morte, a Epidemia e a Fome."
E na mensagem de 1979, Pai Seta Branca nos fala de sinais: 

“Filhos, nesta Terra, brevemente, vereis pássaros com faces humanas, voando nas proximidades, à vista do olhar físico, que atravessarão os leitos dos adormecidos. Sim, quando chegar a hora, vereis, do outro lado do caminho, tribos realizando cerimônias e oferecendo sacrifícios nos ricos altares, diante das imagens também pesadas da ostentação, da tradição e do medo, e, prosseguindo mais um pouco na viagem, vereis que, sem fechar a porta do seu templo, serão arrastados para o oceano! Então, filhos Jaguares, o Homem ainda verá seus grandes tesouros, suas tradições, seus velhos papiros, suas leis e escrituras religiosas, tudo, filho, levado pela água ou devorado pelo fogo, numa espécie de luto e temor!... É um país? Não, filho, é um poder escravizado, na sua fase de libertação! Sim, filho, caminhastes ao Quinto Ciclo sem o contato de Capela! Resististes dos Equitumans ao Jaguar! Fostes e serei sujeitos às reações das leis porque as vossas mãos e os vossos pés estão ligados às forças dos vossos destinos cármicos, até que chegue o Eldorado, ao rigor das quatro forças que dominarão, com a Ciência, os Quatro Cavaleiros do Apocalipse!”
Pai Seta Branca, em 1981, nos alertou para sinais da transição e para nossa missão: 
“Cuidado, Homens da Terra! Colocai amor em vossos exércitos, em vossos quartéis, em vossas armas... Consciência e Amor! Porque, filhos, a verdade é algo que falta em nossas vidas. O quê nos valerá quando grandes placas do negro espaço de abrirem e caírem sobre os vossos fortes armados, deixando invadi-los tristes chacais? De que vos valerão o céu, a terra e os mares se não tiverdes doutrina para afastá-los? O Homem pensa apenas no poder físico e se esquece de um Deus Todo Poderoso... Ouvimos heresias por falta de fé na inteligência do Poder Supremo. Sentimos, filhos, porém não atravessamos o vosso céu, temendo destruir-vos com o nosso magnético.”







EXUS


Salve Deus! Para quem desconhece este principio de compactuar com Exus vou esclarecer que é um atraso na sua evolução. Por mais que um Exu seja dono de seu mundo, ele é um espírito atrasado em sua evolução, ele é um sofredor que nem chega aos nossos pés, pois perdeu tudo que tinha por não aceitar a benção de Jesus. Quem compactua com ele, mesmo sendo desta doutrina, terá que pagar pelos seus atos, pois ele virá cobrar a sua divida. 
Nossos mentores não poderão interferir nesta decisão, pois você teve o esclarecimento necessário para não se envolver com eles, mas já que o fez, assuma seu compromisso. Como diz na carta de nossa mãe, quem faz pactos com eles se endivida muito e tem sua vida cerceada pelas cobranças que eles promovem nos caminhos daquela pessoa. Eles não têm luz, não tem energia, não tem amor incondicional. Para eles o que importa é eles e mais ninguém. Se eles ajudam naquele momento em alguma coisa, depois eles tiram em dobro e largam a pessoa sem o mínimo de assistência.
Para a Doutrina do Amanhecer o Exu é conhecido como um Sofredor, um Espírito desencarnado, que continua ativo no Plano Invisível da Terra. Ensina-nos nossa Clarividente Neiva que se torna Exu, habitualmente, o homem de personalidade ativa, orgulho intelectual e que seja demasiado apegado às coisas da sua alma, da vida transitória. Seguindo a Doutrina do Mestre Jesus ele merece todo nosso amor e tolerância. Isso não significa, necessariamente, que precisemos de seus serviços ou nos subordinemos a eles. 
Os Exus têm seus reinados nas sombras etéricas e agem como todas as forças destrutivas; não criam mas apenas transformam as energias. Não sendo criadores de forças e não tendo acesso às fontes de energias puras, eles necessitam de uma fonte: essa fonte é o ectoplasma humano, seja de Espíritos encarnados ou desencarnados.
Essa é a razão básica dos engôdos que eles estabelecem, como base do relacionamento com os encarnados. Sempre que o homem abandona a iluminação Crística, a luz do Amor, da Tolerância e da Humildade, ele fica sujeito às influências desses tipos de Espíritos. Esse é o envolvimento daqueles que praticam as magias com intenções somente humanas e se colocam como juízes do bem e do mal. 
Resumindo: o relacionamento com os Exus somente se faz, em termos de troca de serviços, quando as intenções são da alma e não do Espírito: quando a orientação não é a do Cristo Jesus.
Salve Deus !



estrela_116.gif
forcas.gif (99664 bytes)forcas.gif (99664 bytes)
estrela_116.gif

 ENCOURAÇADOS
Imagem relacionada


Segundo consta do"Acervo Tumarã", os ENCOURAÇADOS são espíritos milenares, colonizados e que ão aceitam a Escola de Jesus. Estes espíritos infelizes e sofredores segue sua jornada na Velha Estrada, obedecendo a Lei Mosaica do "olho por olho e dente por dente" Tem poder de grade impacto para os irmãos Inluz, agindo com o poder e a visão unicamente da justiça, secamente, sem amor. Aceitam e colaboram em muitos trabalhos com os seguidores de Jesus, mas se recusam a aceitar nossas ideias de amor, tolerância e humildade. Com a Conjunção dos Dois Planos -o visível e o invisível- o nêutron está ficando menos denso e dando oportunidade de passagem de um plano para outro, permitindo que espíritos, até então invisíveis, se apresentassem aos seres humanos, não como materializações, mas, sim como são, na realidade, no plano que habitam. Diversos casos tem ocorrido, sendo atribuídas estas aparições a extraterrestres e provocando grande confusões nos meios científicos e de comunicação. Grande parte dos casos é provocada pela aparição dos Encouraçados. 
Estes fenômenos irão crescendo, ficando fora do controle das autoridades científicas e religiosas, e somente o doutrinador equilibrado, conscientes de suas capacidades mediúnicas, terá condições de desintegrá-los, pela força de uma elevação. Amados, vejam a seguir o que nos conta Tia Neiva, em mensagem de 15.08.79:

O ENCOURAÇADO

Vivemos momentos de grandes decisões neste período de transição entre um ciclo e outro. A Era Kármica deste planeta vai fechando seu ciclo e o “dente por dente, olho por olho” aplica seus últimos julgamentos. 
Não se enganem! Vemos mais problemas no planeta, porque existe mais Luz presente, a clarear nossos pensamentos com o Eldorado da Eletrônica que já se faz presente. 
A finalização do Ciclo Kármico, e o eminente ingresso no Ciclo de Redenção, desesperam espíritos denominados Encouraçados. 
Os Encouraçados, nome dado em virtude da grande capa protetora que criaram com a passagem dos séculos e milênios, não são espíritos maus. Assim nos ensinava Tia Neiva, inclusive, em algumas situações, podem auxiliar nossa própria corrente. Como no caso em que, certa vez, uma grande Falange de Murumbus ficou envolvida na atração magnética do Vale do Amanhecer, e imediatamente a ação de uma das Mansões dos Encouraçados se fez presente, trazendo a justiça que impediu estes terríveis espíritos de provocar um desequilíbrio em todos nossos Médiuns. 
Porém, Tia preocupava-se pela possibilidade de já existirem mansões de Encouraçados In-luz... 
Estes espíritos, como já afirmei, não são maus. Apenas vivem um senso de justiça orientado exclusivamente pelo “dente por dente...”. Pregam a justiça a qualquer preço e não aceitam nossa Lei Crística de Amor e Perdão. Acreditam em Deus e vivem dedicados a provocar reajustes fatais. 
Normalmente se apresentam na figura de um Juiz, com sua toga negra e paramentos próprios. 
São hábeis interlocutores e seus princípios são incontestáveis perante Médiuns que ainda não entendem a essência de nossa Doutrina. 
Muitos tiveram suas encarnações no planeta como membros de ordens que primam pela justiça (Maçons, Illuminatis, Templários, Jesuítas, ...) e somente pecam pela falta de Amor. Não perdoam, mas também não guardam mágoas, somente executam a Justiça dentro de suas concepções fixas. 
A Mansão dos Encouraçados (na verdade, Mansões), emite uma poderosa energia, e toma cada vez mais poder neste fechamento de ciclo, onde os Karmas se finalizam para o início da nova fase planetária. 
Com isso o senso de Justiça que possuem começa a ser deturpado e a formação de Mansões In-luz (grande preocupação de Tia) aumenta. 
Somente um Médium ciente da essência de nossa Doutrina é que poderá encaminhar um espírito desta natureza, pois, do contrário, se perderá pelas precisas colocações e pelo senso de justiça em que se embasam. 
Meus irmãos e minhas irmãs, Salve Deus! Escrevo tudo isso ao constatar a necessidade de muita, mas muita responsabilidade ao irem para um Trono Milenar! Estes dias um Mestre doutrinador, antigo de Doutrina, me escreveu, decidido a deixar a Doutrina, depois de uma conversa com um espírito neste trabalho. Apresentou os argumentos do espírito que somente com muito amor foi possível reverter. Contou que o Ajanã se desequilibrou e não voltou mais ao Templo. 
Estamos lidando com forças muito grandes! Somente a manutenção, com real sintonia, da Estrela Sublimação, é que nos permite forças para suportar tais encontros. E somente a compreensão deste trabalho é que franqueia as heranças de conhecimentos necessários para Doutrinar e Incorporar tais espíritos. 
No entanto existem Estrelas que nem mais funcionam... Que não tem manutenção fixa. Vamos reler o Curso de Estrelas, mas procurando compreender de verdade tudo que está ali dentro! Sentir a emanação das palavras e buscar a compreensão em nossa memória transcendental adormecida. 
Salve Deus!
Kazagrande 



Hoje, quando vi os
Murumbus que, até então, estavam presos pela corrente, tive medo do desespero que eles podem fazer neste mundo ou nestas imediações. Graças a Deus os Mestres se juntaram na Mansão dos Encouraçados na Terra. 
Estamos nós reunidos, pela benção de Deus, porque é o maior lugar onde se pode manipular a força do Jaguar. Esta noite morreram mais assassinados. Quem não pode dizer que é a força dos Murumbus?
Tia Neiva - 21 de outubro de 1978 
Jaguares, meus filhos jaguares, a vossa responsabilidade é a maior de todas as missões da Terra, aos poucos estão se preparando para o encontro com os encouraçados, Muys, controle do Tanoaê e de outras seguranças que formarão as vossas asas. Não vos preocupeis com os governantes de vossos Países, porque tudo está dentro de um Plano Cósmico. 
Pai Seta Branca – 31/12/1982 
Vamos, agora, experimentar todas as sensações, com a inauguração da Estrela Sublimação. Vamos começar a viver, diretamente, a força dos Grandes Arcanos, conhecê-los mais de perto nos seus Oráculos, raízes e linhas de trabalho. Vamos conhecer as condições parciais dos planetas em relação ao conjunto, materializado na conjunção de dois planos. Nossa maior preocupação, atualmente, é com a materialização dos encouraçados. Precisamos estar atentos, porque vamos trabalhar com forças materializadas. Portanto, o perigo que se nos apresenta é a materialização dos espíritos, a infiltração de um plano para outro, de uma dimensão para outra.
Extraído do Curso de Estrelas – 6ª Aula – 25/10/1982 
"Sempre me preocupam as estórias das diversas visões das de pessoas de diferentes lugares e, também, de aparições, que são as que mais me preocupam. Sim, porque estes espíritos vêm, eu sei, da Mansões dos Encouraçados. Sei que são bons, porém, quem poderia afirmar se já não existem outras Mansões Inluz? Veja, filho o que aconteceu neste diálogo com este meu amigo, que também não me deixou vestígios. E assim, filho, milhares acontecem todos os dias e com todo o mundo. Apenas, pela própria vibração deles não os notamos. Vem, sim , para assumir um compromisso, por missão. Sim, compromisso de Luz! E não terá alguém por vingança? Salve Deus! Vamos ao caso deste jovem, de mais ou menos trinta anos, sentou-se ao meu lado. Não sei porque não fiquei mais à vontade. Porém, fiquei firme. O cobrador entrou, cobrou de todos nós, e ele fez menção de se levantar. O cobrador não lhe deu atenção. Na primeira parada, uma luz opaca, em forma de charuto, ofuscou a rua. O homem sinistro desceu, desaparecendo no nevoeiro. Quis gritar.. Não era normal!... levantei-me louco, alarmado, quando um forte estampido se fez ouvir. Eram dois carros que se chocaram, matando os dois motoristas. Foi o nevoeiro? Foi o homem? O homem, o nevoeiro... Somente eu havia visto? Passaram-se sete anos. Hoje, estou na mesma situação. Somos irmãos em Cristo e faço,Tia Neiva estas viagens também, Moramos na Mansão dos Encouraçados. Graças a Deus porque cheguei quinze anos antes do tempo! Não quis cumprir minha missão, Salve Deus!" 
Este é um dos meus encontros com os Encouraçados, que você também deve ter. Observe!
(Tia Neiva, 15.8.79)
Extraído do Blog "O Exílio do Jaguar".
Postado por Edson Rodrigues Martins


estrela_116.gif

estrela_116.gif

OS FALCÕES    


Os Falcões são espíritos  ardilosos e sagazes que habitam os abismos,  e que, quando encarnados vieram com importante missão civilizatória. Mergulhados no orgulho e na vaidade, se afastaram das influências benéficas de seus Mentores. Foram cientistas, políticos e militares convictos. 
Com o desencarne, passaram a viver no plano etérico, onde estabeleceram grandes escolas e universidades, continuando com suas idéias,  atraindo  para elas os espíritos daqueles  irrealizados ou revoltados que desencarnam em conflito com as Leis Crísticas,  formando falanges numerosas e que passam a atuar nos seres humanos que os atraem com seu padrão vibratório, ligado à luxúria, à ambição, ao orgulho e ao intelectualismo materializado. 
Características comumente encontradas nos políticos, direcionando governantes e atuando na política nacional e internacional, provocando guerras, revoluções e atentados. O político é um ser encarnado que ocupa lugar de importância na sociedade e, de modo geral, é carente de valores espirituais. Se ele se deixa levar pela ação dos Falcões, o que se torna fácil pela sua própria ignorância dos mundos espirituais, ele se torna extremamente perigoso para os indivíduos dessa sociedade. 
Por isso é tão difícil surgirem líderes que cultivem a paz, a caridade e o altruísmo, assumindo seu verdadeiro lugar na realização de suas responsabilidades sociais. Tia Neiva nos falava das Falanges de Falcões que escureciam o céu na Esplanada dos Ministérios e na Praça dos Três Poderes, onde se concentra o Poder Político Brasileiro. 
Trabalhando com o magnético animal da Terra e cruzando forças do plano etérico, criaram a química ectoplasmática, com que se alimentam e produzem diversas máquinas e aparelhos sofisticados com que influenciam e enganam os Homens. Entre essas táticas de confundir a mente humana está a aparição de objetos voadores e extraterrestres, pela facilidade que têm de realizar a materialização pela manipulação fluídica. O objetivo final dos Falcões é conseguir encarnar na Terra sem submeter-se à Lei do Carma, afastados da Lei Crística, razão pela qual estão estimulando a produção de clones, que lhes permitirá sua encarnação em seres humanos clonados.
Enquanto não conseguem, vão atuando sobre o Homem e levando-o a afastar-se de Jesus. Uma das universidades que mais inspira os Falcões é o Vale das Sombras, dirigida por espíritos que foram grandes cientistas ou religiosos na Terra, desencarnados sem aceitar a Nova Estrada de Jesus.

 BANDIDOS DO ESPAÇO
Imagem relacionada


Bandidos do Espaço são espíritos desencarnados que se dedicam às ações negativas das mais variadas naturezas. Formam bandos, mas não se constituem em falanges. 
Não seguem as normas dos demais espíritos, não têm uma finalidade específica. Seu alvo é um espírito inseguro, que tanto pode ser encarnado como desencarnado, e eles se comprazem em lhe fazer o mal. São espíritos demônios . Quando conseguem, por ação nefasta, capturar um espírito, depois de muito o maltratar, vendem-no a certas falanges que ainda mantêm o sistema de escravização. São mal vistos por todos os grandes chefes, mesmo os de falanges inferiores, que consideram sua ação desprezível.
Estão sempre espreitando aqueles que, ao desencarnar, permanecem perdidos em razão do desequilíbrio vibracional. Essa a razão pela qual os recém desencarnados devem receber o auxílio imediatamente, para que os bandidos do espaço não possam tomar conta deles, aprisionando-os. Um atuante grupo de bandidos do espaço são os Murumbus.

Lei Negra
Imagem relacionada

A Lei Negra é uma das principais organizações do Vale das Sombras, composta por grande grupo de demônios.
“A Lei Negra é uma espécie de máfia, um grupo imenso de malfeitores, do mundo invisível, e, como sua similar no plano físico da Terra, ela escraviza seus membros, que ficam quase sem possibilidades de libertação.
Suas falanges são alimentadas e crescem, à custa dos espíritos nômades e sem protetores.
E tudo isso acontece por opção do próprio espírito, guiado por seu livre arbítrio.
Sempre que um espírito termina seu estágio na Pedra Branca, onde ele tem a oportunidade de conhecer a verdade sobre si mesmo, seus Mentores lhe dão toda a assistência e lhe mostram o verdadeiro caminho. Mas a decisão é dele, e sua chance permanece até o último instante. Se ele tomar a decisão errada, acaba por se tornar vítima da Lei Negra.
Existem uns espíritos no submundo invisível que se chamam Exus Caçadores. Eles ficam à espreita e aguardam as decisões dos espíritos recém desencarnados. Assim que os Mentores desistem, eles entram em ação. Aproximam-se do espírito, seduzem-no, e o levam para suas cavernas.
Lá, esses espíritos são submetidos a todas as sevícias e começam pesado treinamento naqueles costumes, até se tornarem exus.
(Tia Neiva – Estória de Manoel Truncado)
Origens do Amanhecer



chama dourada.gif (6156 bytes)A TERRA DOS HOMENS PÁSSAROSchama dourada.gif (6156 bytes)
Resultado de imagem para totalgifs.com barrinhas gif gif normal.gif

Resultado de imagem para Menos sofisticado do que hoje, porém muito eficiente. Eram jaguares destemidos, eram homens-pássaros, que voavam e se entendiam por toda a parte da América. Em todo o continente, estátuas enormes e iluminadas destacavam a Terra dos homens-pássaros. Tudo era de acordo com as Amacês.

Salve Deus! Meu filho Jaguar.
É com amor que eu faço esta carta, e sempre pedindo a Jesus que me esclareça ao seu lado, com a força para ser entendida. Filho, aqui temos a demonstração do verdadeiro significado da mente sobre o extra-sensorial. Governamos a mente e as emoções, alteramos, revolucionamos e modificamos as chamas vitais. 
Sim, filho, já nos desenvolvemos através das Sete Raízes. Tudo isso, parece filho, muito distante de teu alcance. A realidade é o Jaguar, que está trazendo para mais perto a visão de um quadro total. O Jaguar, o homem que foi individualizado em dezenove encarnações. Provamos sempre, que a doutrina, somente a doutrina, é a bagagem real deste mundo para outro. Porque filho, mesmo que eu viva com os espíritos, converse com eles, e entrasse em um disco voador, sem conhecer a sua linguagem, sem o amor de uma doutrina em Cristo Jesus, nada me iluminaria, senão a missão de um compromisso religioso.
Sim, filhos, não pensem que muitos cientistas já viram alguns fenômenos. Viram sim, viram mesmo, porém sem sabê-los analisar. Sem, amor ou sem querer baixar-se de seus velhos princípios, deixaram-nos de lado e foram cumprir o seu dever. Porém filho, nós não podemos criticá-los. Em uma de nossas vidas passadas já pagamos o nosso tributo. Foi no ano de 80, mais ou menos, quando uma linda tribo vivia na mais perfeita harmonia. Eram filhos do Sol e da Lua. Os grandes ensinamentos vinham por intermédio do grande Equitumam, vindo de Cristo Jesus. 
Eram espíritos individualizados, que traziam a sua linguagem espiritual. Esta tribo se deslocara de diversas partes deste universo etérico e extra-etérico, e aqui no seu mundo feito de pedras, eram vidas, vidas que andavam em busca das conquistas e levaram à frente a ciência dos Tumuchys. Formavam uma poderosa tribo, com a experiência dos Ramsés e as comunicações dos grandes ancestrais. Formaram um poderoso sacerdócio. Numara, o grande sacerdote, enfrentava os mais árduos caminhos. Sua força mediúnica e doutrinária já dominava o poder magnético das cabalas e, sobre suas ardentes vibrações, recebia as constantes visitas dos Grandes Iniciados que, periodicamente, abençoavam aquele povo. Eram feitos grandes preparativos, e as grandes Amacês baixavam por ali e, à distância, falavam com voz direta e ensinavam, os poderosos magnéticos materializavam objetos – mantas lindas – e afastavam as feras perigosas que tanto assombravam aquela tribo.
Porém, o homem quanto mais tem, mais exige. Lindo! Lindo, é o que podemos dizer. Aqueles homens se amavam. Lindos casais se uniam pelas bênçãos das Amacês. Os homens daquela tribo, apesar de serem Equitumam, Ramsés e audaciosos Cavaleiros Verdes, viviam cento e vinte e até duzentos anos. Tinham o prazer de ver seus filhos em harmonia. As Amacês ensinavam à união da família e o verdadeiro amor. Porém, Numara insistia em suas experiências. Queria que fossem normais os seus contatos com as Amacês, e era o mais teimoso dos sacerdotes. Sete Iniciados, com toda harmonia, guardavam aquele povo. As Amacês mandavam que todos saíssem de suas casas e, com riscos profundos e luminosos, deixavam tudo iluminado: as ruas, as montanhas, onde tivesse pedra. Dali se comunicavam por outros cantos e com outras tribos. Ali se avizinhavam muitas tribos.
Porém, Numara era a grande civilização de conhecimento eletrônicos, ou melhor, Nucleares. Com a graça das Amacês, foi tecido um macacão, ao qual se dava o nome de Anodai. Todo canalizado, voava pela energia do Sol e, deixando na cabine de controle, ali recebiam também sua rota. Menos sofisticado do que hoje, porém muito eficiente. Eram jaguares destemidos, eram homens-pássaros, que voavam e se entendiam por toda a parte da América. Em todo o continente, estátuas enormes e iluminadas destacavam a Terra dos homens-pássaros. Tudo era de acordo com as Amacês. 
Nada mais posso dizer, filho, sobre o que aquela gente fazia. Porém, Numara já estava velho e não ensinava sua ciência. Também, esta tribo sempre foi displicente, principalmente naquela era. Vinham recentemente, de um mundo de agressão. Sim, filho, água e areia: faziam formas e as enchiam com este material. Secavam com a energia atômica, a ponto de fazerem grandes estátuas de seus sacerdotes. 
E por baixo das mesmas, guardavam seus objetos de voar. Eram tubos, tubos fininhos, que guardavam todo o magnético atômico, que lhes cobria o corpo. Foi uma grande metrópole, mística e de um povo refinado. Porém, Numara tinha como única preocupação tirar o que mais pudesse das Amacês, apesar de muito as amar e respeitar. Era um dia de festa, e todos anunciavam os festejos. Era uma noite de luar, na triste noite nefasta. Os raios se desencontraram, desintegrando tudo o que fosse vida. Foi uma triste experiência. Depois filho, nas aulas, vou explicando os “porquês” desta ausência dos aparelhos de Capela. Não é possível atravessar o Nêutron sem que haja o perigo de explosão. Aos poucos, tudo se cumpre como Deus quer! E, pelos olhos que entreguei a Jesus e pela verdade, fiz esta carta, com amor em Cristo Jesus.
Com carinho, a Mãe em Cristo.
Tia Neiva. Vale do Amanhecer, 21-11-81.



SOFREDOR 
Resultado de imagem para totalgifs.com barrinhas gif gif normal.gif
O plano civilizatório da Terra, iniciado pelos Equitumans, foi sendo alterado pelo próprio desvio daqueles espíritos de sua missão. Os contatos com Capela foram rareando e redobrados os esforços para guiá-los na direção certa. A volúpia da autonomia foi dominando e os afastou cada vez mais dos planos originais, sendo determinada sua extinção pelos Grandes Orixás.
Desencarnados, aqueles espíritos não tinham condições para encarnar em Capela e nem poderiam reencarnar na Terra sem um plano estabelecido pelo Planeta Mãe - Capela. 
Permaneceram, então, no etérico, exercendo suas influências nos terráqueos. Foram-se organizando em poderosas legiões de seres etéricos, em cujas consciências mal penetrava a voz do espírito. Aprisionados entre duas dimensões, esses espíritos se apegaram aos corpos físicos, iniciando um processo obsessivo em massa, fazendo com que os últimos cinco mil anos antes do nascimento de Jesus fossem marcados por violentas guerras e destruições.
Ambições, ganância, violência, vaidade, ódios, impiedade e um barbarismo cruel eram frutos da desagregação progressiva da mente humana, sujeita às almas deformadas, surdas de suas consciências, da voz de seus próprios espíritos. Formou-se, assim, a grande massa de sofredores.
Para nossa Doutrina, o sofredor é um espírito sem Luz, desencarnado em tristes condições, que não consegue seguir sua jornada e fica pairando em planos perto da Terra, porém sem Luz Solar, sem sons ou quaisquer outras formas energéticas do plano físico, influenciando espíritos encarnados com suas vibrações pesadas, especialmente os médiuns de incorporação, que sentem seus efeitos com sua aproximação. Ele se liga ao ser humano pelo padrão vibratório e só tem acesso quando a vibração do encarnado desce até a sua.
Geralmente o espírito sofredor continua com as impressões do mal que o levou ao desencarne - dores de doenças terminais, de desastres - e tem grande apego pelas coisas materiais que lhe pertenceram em vida. Na verdade, ele não tem consciência do desencarne, e sofre, em sua mente, dores que lhe acometiam o corpo físico.
Muitos se alimentam do ectoplasma deteriorado, sangue, fluídos ectoplasmáticos da natureza dentre outros.

Falanges - São grupos de espíritos do mesmo padrão vibratório que, embora possam ter origens diferentes, se unem pela afinidade. Formam, nos planos espirituais, grupos imensos que atuam intensamente, de acordo com sua natureza, de forma benéfica ou maléfica não só na Terra como por todo o Universo.
Na Terra, não se formam falanges de espíritos encarnados, mas apenas grupos que se unem por suas afinidades. As falanges são sempre espirituais. Várias falanges unidas por afinidade e objetivo comum, formam uma Legião.
Exus - São espíritos desencarnados que atuam como líderes no plano invisível da Terra. Comumente, são seres cultos e inteligentes que desencarnaram sem compreender a Lei Crística. Eles aceitam Deus á sua maneira e manipulam energias de acordo com o seu padrão vibratório, isto é, sem respeitar as leis dos direitos e deveres e muito menos a submissão aos planos da lei do amor e do perdão.
Eles fazem suas próprias leis, se agrupando em falanges e alguns pertence a escolas e universidades.
O Pacto que Tia Neiva fez com 7 reis da lei negra
Tia Neiva, no início de sua jornada, foi conclamada por Pai Seta Branca, a fazer as pazes com todos que “se diziam seus inimigos”, foi sua primeira grande missão.
Visando proteger seu povo, que ainda seria formado, procurou os “Sete Reis do Submundo” para realizar um pacto de não agressão. Esta passagem nos é relatada em nossa primeira aula de pré-Centúria, porém não é distribuída de forma impressa aos futuros Centuriões. Ela encontra-se transcrita no livro “Minha Vida, Meus Amores”, hoje de difícil acesso
Devemos ajudá-los, principalmente na Mesa Evangélica , onde são levados por seus Mentores, para que possam receber a doutrina e o choque magnético animal que lhes proporcionará condições de serem elevados a outros planos, onde serão recolhidos em albergues, hospitais e dependências de Casas Transitórias, para poderem ser recuperados.
sofredor absorve, com nosso trabalho, nossos fluidos mais pesados, permitindo que nosso organismo físico e nosso psiquismo se equilibrem.
Por isso, o médium de incorporação deve constantemente incorporar sofredores. Como estes têm menos técnica nas incorporações, deve o médium ter consciência disso, soltando mais ectoplasma e procurando fazer o mínimo de ruídos e gestos.
“Não há qualquer espírito que passe por nossos trabalhos do qual não se faça a entrega obrigatória! Nosso trabalho é exclusivamente de Doutrina! Não aceitamos, em hipótese alguma, palestras, nos Tronos deste Templo do Amanhecer, de Doutrinadores com entidades que não sejam os nossos Mentores, espíritos doutrinários! Mesmo fora do Templo, consta-me que os Doutrinadores que palestraram com Exus, etc., atrasaram suas vidas, pois eles não se afastaram de seus caminhos.
A obrigação do Doutrinador é fazer a doutrina, conversando amigavelmente com o espírito, procurando esclarecê-lo, continuar seu amigo, porém fazer sua entrega obrigatoriamente, com o que ressalva sua responsabilidade perante os Mentores. Outros Doutrinadores estão com suas vidas atrasadas simplesmente por sua irreverência com os Mentores, acendendo para estes duas velas, saindo fora de seu padrão doutrinário. Entre eu e os Exus há um laço de compreensão e respeito mútuo. Porém, um Doutrinador, por não ser clarividente, não está em condições de dialogar com eles, excepto no âmbito da Doutrina. 
(Tia Neiva, 7.5.74)
Um processo normal de desencarne inicia-se 24 horas antes do fato em si. Após deixar o corpo, totalmente livre das amarras físicas, o espírito é levado para um sono cultural, onde revive suas lembranças terrenas por um período de sete dias. Ao término deste tempo, retorna ao ambiente terrestre, acompanhado de seu Mentor, de quem recebe o convite para seguir em busca da faixa dimensional correspondente ao seu grau de evolução. No momento em que recebe o convite, o livre arbítrio é total, independente das condições do espírito. 
Muitos, ainda apegados aos bens materiais, às pessoas, aos familiares, a lugares e sentimentos, decidem que querem “ver suas coisas”, encontrar pessoas, e ficam “por aqui”. Passam a uma dimensão paralela ao plano terrestre, chamada etérico. O etérico é muito parecido com o plano físico, pois as energias são densas e a vida é plasmada pela energia dos encarnados, uma vez que não existe produção energética luminosa, apenas o magnético animal absorvido dos seres encarnados. Vivem levados pelos seus pensamentos como um “furacão de transporte”. 
Às vezes seu padrão vibracional consegue os aproximar dos parentes, mas em poucos segundos são levados para outros lugares, e seguem de acordo com seus pensamentos, cada vez mais entorpecidos pelas inusitadas situações que encontram. Alguns chegam a adaptar-se, ao ponto de considerarem-se ainda encarnados e desprezados pelo mundo. Outros vivem a vagar, sem nada entender. Alguns ainda são capturados por espíritos mais experientes no etérico e transformados em escravos. O sofredor é o espírito que permaneceu no etérico, a despeito do convite de seu Mentor. Vive em função da energia alheia que capta pela familiaridade vibracional, ou pela obsessão direta. 
Existem os inconscientes, que decidiram ficar pelo impulso e apego, e os conscientes, que ficam pela vingança e sentimentos negativos. A denominação de “sofredor” vem porque não é possível ser feliz no etérico. A dor moral, sentimental e mesmo física, pois permanecem por muito tempo as dores do desencarne, os impede de evoluir. Não produzem energia e, portanto, não podem praticar a caridade e buscar a redenção. Somente pelo difícil equilíbrio de seus pensamentos, pelo real arrependimento, por uma dificílima conscientização, é que podem receber uma nova oportunidade de seguir para onde verdadeiramente lhe compete.
Aí entramos nós... Os Jaguares! Na Mesa Evangélica recebemos os espíritos recém-desencarnados, trazidos por seus Mentores, para receber uma “dose extra” de energia, que lhes dará condições de seguir a “jornada de regresso”. Por isso, os espíritos que passam ali já vêm com toda uma preparação e orientação. O objetivo é receberem o esclarecimento e principalmente a energia magnética que lhes proporcionará as forças para a jornada.
Nos Tronos os sofredores já chegam na condição de obsessores. Estão ligados ao paciente e pela afinidade vibracional, ou cobrança, que igualmente necessita desta afinidade, estão sugando as energias da vítima (daí o termo obsessor). Chegam ali pelo trabalho dos Mentores que encaminharam o paciente, e chegam na condição de pacientes também. Devem ser tratados com total respeito e jamais se deve permitir que suas pesadas vibrações encontrem um campo fértil nos pensamentos dos médiuns, que ali são verdadeiros socorristas, médicos deste grande hospital chamado Mayanti.
Somos profissionais do auxílio! Instrumento feliz que participa do resgate destes irmãos desconhecidos, pela força de nossa energia mediúnica, associada à projeção luminosa de nossos Mentores. É necessário total respeito! Por isso o termo “irmãozinho”, aplicado até mesmo no Mantra em que emitimos que “nos compadecemos porque é sofredor”. Temos a consciência que eles não tiveram e ainda não tem. Não brinque falando dos “cobradores”. Só é cobrado quem merece e tem condições de pagar.


COBRADOR
Imagem relacionada


Cobrador é a designação que damos a um espírito a quem causamos algum mal deliberadamente, em encarnações passadas, e que, pelo juízo e livre arbítrio desse mesmo espírito, devemos “pagar”.
Ele é colocado em nosso plano reencarnatório,  pelas bênçãos de Deus! E pode ser encarnado ou desencarnado. Encarnado, ele pode ser um filho, um pai, uma mãe, um irmão, um cônjuge, enfim, qualquer pessoa que surja em nossa vida, bem próxima de nós.
Se desencarnado, ele poderá se tornar um elítrio ,  um ovóide  ou um obsessor , atuando e nos prejudicando de inúmeras formas, só sendo atenuada sua ação ou até mesmo finalizada por nossa atividade na Lei do Auxílio e nos trabalhos de Prisioneiro  da Espiritualidade Maior.
A maioria dos cobradores só se sente vingada ou reajustada quando percebe que seu devedor sofreu o mesmo mal que eles. Isso tem que ficar bem claro para os médiuns do Amanhecer, para que possam entender fatos e situações por que passam em suas vidas.
Embora um cobrador nos cause transtornos, prejudique nosso equilíbrio mental e físico, nos proporciona a oportunidade de exercer nossa Doutrina em seus dois aspectos principais - amor e tolerância. Dessa forma, ele é importante instrumento da nossa própria evolução.
O reajuste, o acerto de nossas contas é importante, pois só poderemos ir para nossas origens quando não tivermos mais nenhum cobrador exigindo resgate de erros que cometemos contra eles.
Na Doutrina do Amanhecer não existe como burlar um cobrador. O médium que se dedica ao trabalho, que vive corretamente dentro da conduta doutrinária, tem, sim, condições para apressar este reajuste.
Koatay 108 nos disse, em muitas de suas aulas, que o médium do Amanhecer consegue libertar-se, nesta encarnação, graças à Doutrina; de cobradores que demandariam quatro ou cinco encarnações caso ele não estivesse no Vale.
A Lei do Carma, ou de Causa e Efeito, é suavizada pelo trabalho na Lei do Auxílio.
A reencarnação é, essencialmente, oportunidade de reajuste. Por isso, nos trabalhos de Indução, é proibida a presença de gestantes com mais de três meses de gravidez, pois, com a força  desobsessiva, poderia haver a libertação de cobradores que estavam colocados junto ao feto, tornando-se sem sentido aquela reencarnação, o que levaria à morte do feto e o consequente aborto.
Mas o aspecto mais importante a ser considerado pelo médium, é o que deve entender seu cobrador, emitindo muito amor, tendo tolerância e demonstrando humildade nos momentos mais críticos de sua atuação.Caso tenha a grandiosa oportunidade de falar com ele, em qualquer situação, num Trono, num Angical ou num Julgamento, faça com que ele perceba seus sentimentos. Temos que aprender com Ezequiel (XVIII, 23): “Não quero a morte do ímpio, mas sim que o ímpio se converta e se salve”, porque de modo geral, o cobrador encarnado é um ímpio aos nossos olhos.
Jesus (Mateus, V - 25 e 26) exortou: “Entra logo em acordo com o teu inimigo enquanto estás com ele em caminho, para que não suceda te entregue o adversário ao juiz e o juiz ao seu Ministro, e sejas lançado no cárcere. Em verdade te digo que não sairás de lá até pagares o último ceitil!” Sobre nossos cobradores mais chegados, nos diz Emmanuel:  "Teus pais e filhos, teu esposo ou esposa, teus irmãos e parentes, companheiros e adversários, superiores e subalternos, são quase sempre os pontos vivos de tua luta regeneradora que, aceitos com o amor de Jesus, se convertem nas estações progressivas da grande jornada, pela qual te retiras do vale das trevas para os cimos de Luz!"
Essa é a oportunidade que temos, na Doutrina. Estamos caminhando com nossos cobradores, e temos tudo, por nossa consciência e por nosso conhecimento, para entrarmos em acordo com eles.
Tia Neiva deixou-nos uma mensagem, de 20.6.75, em que conta uma passagem no Templo, onde chegou um jornalista ateu, com a ideia de escrever contra nossa Doutrina.
Ela o atendeu, e mandou que fosse atendido nos Tronos, pelo aparelho de Pai Zé Pedro, trabalhando com uma Doutrinadora chamada Eliane. Pai Zé Pedro falou muito com ele, mas o advertiu que seu físico ficaria melhor se ele falasse em Deus nos seus escritos, e que ele deveria voltar no próximo sábado.
Ele voltou, mas disse à Doutrinadora que estava bem, e que deixaria outra pessoa ser atendida em seu lugar, indo embora. Eliane ficou frustrada, pois sentia que ele precisava do trabalho.
Passou um tempo, e Tia Neiva encontrou o jornalista - que se chamava Otávio - já desencarnado, no Canal Vermelho. Viu, então, que Eliane se aproximava, vestida como uma princesa, e ouviu que ela havia desprezado Otávio em uma era distante.
Ele viera para cobrá-la, mas seu encontro se dera no Templo, e aquele espírito não tivera forças para efetuar a cobrança daquela ninfa que estava atuando com todo o amor na Lei do Auxílio e, inclusive, atendendo-o num trabalho que aliviará suas dores físicas.

Esse o nosso poder, o poder do Amor! Francisco de Assis disse: "Devemos amar os nossos inimigos e fazer o bem àqueles que nos perturbam ou aborrecem, praticando os preceitos e conselhos de Jesus. Vamos ter caridade para aqueles que nos odeiam!"

“Por que se identificar tanto com o corpo material e, falsamente, querer distinguir um plano do outro?
Meu filho, vamos procurar a afirmação do extra-sensorial e, para obtermos esta segurança, somente aqueles que se dizem nossos inimigos nos impulsam à verdade!
Porque, filho, somente a dor nos redime, nos esclarece do Bem e do Mal.
Então, eis porque Deus nos confronta, frente à frente, com as nossas vítimas do passado e delas, ou por elas, inconscientemente, sentimos na carne o que as fizemos sentir. Então, vem a Luz extraída da grande dor refletida.
Sim, meu filho, temos tudo na nossa vida. Na Terra, vivemos em ritmo acelerado, na esperança de encontrar um porto feliz, para desembarcarmos, em paz, desta viagem!...” 
(Tia Neiva, s/d)
“Os incansáveis sacerdócios começaram a encaminhar o mundo e a vida. Sim, filho, pois as guerras, os trovões, os sustos e as dores são os principais instrumentos da evolução! Eu estou sempre a insistir que a vida espiritual é o melhor meio de ajudar os outros, de nos encontrarmos com as nossas velhas vítimas do passado. Sim, filho, assim é que a caridade vem ao teu encontro...” 
(Tia Neiva, s/d)


“Porém, sim, em se tratando de um obsedado.
O Doutrinador está se preparando para não ter dúvidas - essa a minha insistência!
Nos enfermos, pela atuação de uma projeção negativa, obsessiva, a tendência é confundir o ambiente para que não se obtenha um diagnóstico preciso para levar a vítima ao seu objetivo.
Não é muito fácil distinguir a situação precisa do caso. É verdade que a razão não se afasta de Deus. Deus é absolutamente e absolutamente Razão!
Para nós não existe animismo, isto é, comunicação do próprio aparelho. O aparelho, quando está fora de sintonia espiritual ou anímico, os espíritos sem luz têm mais acesso sobre ele, de maneira que o seu padrão fica obsidiado ou obsedado. O obsedado tem a possessão, ou melhor, algum espírito perseguindo ou protegendo, chamando-o à responsabilidade.
Vem, então, a história de um médium obsedado. É bem parecido com o esquizofrênico, de maneira que ele vai se desenvolvendo e vai melhorando. O obsedado por elítrio tem sua cura feita pela manipulação de forças mântricas  desobsessivas, passes e, também, por medicamentos.
Agora, vem a história do obsedado que se diz às portas da morte e, inclusive, leva os médicos a crerem e a encharcá-lo com psicotrópicos, choques, etc. A este, pouco podemos fazer.
Vem o psíquico que se sente infeliz, desprezado, mal amado: Este é fácil - desenvolve, e tudo bem... 
Falando melhor no obsidiado, um espírito de Luz pode obsidiar um médium. Um Caboclo, da Falange Pena Branca, que tem as suas técnicas, pode permitir que um cobrador se infiltre no seu tutelado e levá-lo à obsessão, caso ele esteja caminhando para a sua própria destruição.
Este médium, cuja obsessão foi permitida pelo seu próprio Mentor, entra sempre carregado pelos seus familiares, que o acham muito mal. A falta de religião dos seus pais o fez assim. Sua cura pode ser bem difícil, ou bem fácil, desde que ele, o portador, se conscientize.” 
(Tia Neiva, 13.9.84)
Fonte:  Tumarã
Postado  por Templo Puemar do Amanhecer



SEXUS
Imagem relacionada
Resultado de imagem para SEXUS



Os Sexus são obsessores que atuam sob a tônica sexual, com fortes obsessões que geram graves desvios comportamentais, ou até mesmo em forma de elítrios, comprometendo o desempenho sexual normal de suas vítimas.
Agem de modo a ocasionar desvios sexuais e descontroles que conduzem às taras, gerando dramas e violência nos caminhos de seus obsedados.
Não podem ser deslocados facilmente, pois projetam suas vibrações de tal forma que alteram, até mesmo, as fontes de energia mental,
Provocando desvios de comportamento e de raciocínio em suas irreversíveis, que só poderão vítimas, de modo ser superadas através de outras reencarnações.
Cabe um alerta importantíssimo para os Mestres e Ninfas em relação a este tipo de espíritos!
Nossa Corrente não “proíbe” e nem determina nenhum regulamento nos comportamentos das relações físicas, porém Tia nos alertava que nosso desregramento sexual compromete nossa jornada, pois desmoraliza o Missionário.
Temos tristes exemplos de grandes Mestres que se perderam por comprometerem suas jornadas ao envolverem-se em relacionamentos exclusivamente sexuais, deixando de lado o respeito.
Por suas companheiras. A pornografia, a infidelidade, a malícia e a libertinagem são pontos de atração para estes espíritos e suas cobranças!

Adjunto Romar
Mestre Rômulo Acioly





Alaruês
Imagem relacionada

Alaruê é uma enorme falange de espíritos pequeninos e orelhudos, que nos testam constantemente, toda hora em nossos caminhos. São espíritos desclassificados, porém sem maldade, provocando, na maioria das vezes, discórdias, ciúmes, invejas, mas podendo, também, trazer alegrias.

Nossa missão com eles, na Corrente Indiana do Espaço, é a de despertá-los para Deus. Uma Contagem, uma Mesa Evangélica ou um trabalho em que se faça uma prece em voz alta, afasta milhares deles, encaminhando-os aos planos espirituais.

As falanges passam, mas não incorporam. Não gostam de loucos nem de pessoas desequilibradas. Tanto que, após desequilibrá-las, eles se afastam. Não há, nessa linha, rancores. Há, sim, tristeza, irrealização, frustração...

Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do  Amanhecer


 ALUCINAÇÃO


A alucinação se caracteriza pela aparente percepção de objetos ou pessoas não presentes no momento, o que, na maior parte dos casos, se caracteriza como desequilíbrio mental.

É a privação da razão e do entendimento, que pode ter duas causas maiores: a provocada por obsessores, atingindo psiquicamente o médium, causando-lhe desvios da percepção, e que pode ser tratada, pela cura desobsessiva,  conseguindo bons resultados; e a provocada por agentes químicos, como álcool e tóxicos, que causam lesões cerebrais, atingindo até mesmo o corpo etérico, provocando desequilíbrios que só serão recuperados em outras reencarnações, normalmente feitas em corpos que trazem deficiências físicas e mentais.

Humarram, em  aula de outubro/62, advertiu-nos:
“Nas alterações, separamos, de maneira rigorosa, os transtornos da percepção. Alterações observadas no terreno das representações e, inclusive, as alucinações, porque nestas representações ou alucinações as alterações se manifestam sutis, tornando-se perigosas.”



fire home cleveland

Nenhum comentário:

Postar um comentário