terça-feira, 21 de março de 2017

VALE DO AMANHECER - CONCEITOS







DOUTRINA DO AMANHECER




Conceito

Resultado de imagem para vale do amanhecer
A Doutrina do Amanhecer é uma Doutrina Crística, com princípios cristãos, tem como mola mestra à reencarnação, portanto, é uma Doutrina com fundamentos na linha do espiritismo, pois lidamos com individualidades as quais “existem”, “habitam” um mundo invisível, etérico onde não há tempo e nem espaço. Suas raízes se perdem nos corredores do tempo, pois existem registros e afirmações de sua existência há aproximadamente 32000 anos, fato este que se deu com a chegada de um povo vindo de “outros mundos” o qual denominamos Equitumam. Nesta trajetória passamos pelos fenícios, egípcios, gregos, romanos, mayas, povos europeus até chegar ao Brasil império, Brasil colônia chegando aos dias atuais.
Embora com todas essas heranças, constituem uma mesclagem única, pois a
Doutrina do Amanhecer com seus rituais e termos doutrinários próprios, não pretende puxar para si exclusividade ou qualquer outra forma exclusivista para chamar a atenção de quem quer que seja. Ela visa acima tudo a desobsessão, ou seja, a atenuação de forças espirituais que venham atingir o indivíduo ou uma coletividade no sentido espiritual mais amplo possível. Sem proselitismos, sem forçar seus membros, ou Médiuns, a participarem de seus rituais ela é alicerçada no princípio do livre arbítrio do Homem, onde ele avalia suas próprias necessidades de acompanhar e exercer sua religiosidade, e esta é separada, ou melhor, não tem nenhuma relação com o mundo físico, com a as coisas materiais, inclusive participação pecuniária obrigatória, seja de seus membros, ou das pessoas que acorrem aos nossos Templos em busca de atendimento.


A visão da Espiritualidade



A ideia da divindade sempre nos foi colocado como um processo mágico, onde um toque da varinha de condão resolveria todas as dificuldades existentes e principalmente a que nos causam transtornos.
A Doutrina do Amanhecer é essencialmente cabalística e técnica, somos e vivemos em meio a rituais complexos cuja finalidade é a manipulação, e distribuição de fluidos ectoplasmáticos onde o resultante desta atividade é a cura desobsessiva.
Mas nossa visão da Doutrina e também de nossos Mentores continua ainda muito humana. Estamos a equiparar e comparar nossos Mentores e suas ações universalistas com as nossas ações humanas de visão reduzida, cheia de falhas.
O propósito de Pai Seta Branca nesta encarnação, além da condução de espíritos para Deus, é a evolução deste terceiro plano. Como líder deste povo, o qual denominamos Jaguares, recebeu dos grandes Senhores do Universo a missão de governar a Doutrina do Amanhecer.
Mas para que isto pudesse acontecer, ele reuniu antigos contemporâneos que há mais de cinco ciclos não voltam ao seu planeta de origem. Através de espíritos que sempre decidiram os momentos deste planeta, como Tutancamom, Aknathon, Cleópatra, e tantos mais, para nesta encarnação os reunir em uma doutrina Crística com fundamentos evangélicos cuja junção de forças deu origem a Cabala de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Assim na preconização na Cachoeira do Jaguar nos idos de 1800 nasce o Doutrinador. E em uma reunião da UESB na década de 50 (cinquenta) ele chega ao plano físico. Neiva Chavez Zelaya, mulher simples sergipana mas com um transcendente que lhe dava condições como Clarividente de formar a semente desta doutrina na Serra do Ouro. Em 09 de Novembro de 1969 chega ao Vale com seus quatro filhos e Gertrudes. Em 1974 constroem a Estrela Candente, após seu funcionamento é formado o Adjunto, dando a oportunidade para que esses homens pudessem arrebanhar seus comandados para se reajustarem.
A Doutrina sempre viveu momentos difíceis, mas em nenhum deles foi feito qualquer alteração em suas leis, rituais e também nunca se alterou a força decrescente, ou qualquer processo hierárquico. Os Trinos Presidentes sempre estiveram a frente da Doutrina. E as pessoas as quais Tia Neiva delegou funções de comandos, sempre exerceram suas funções. Hoje as dificuldades aumentaram e alguns estão perdendo a fé e até questionando a própria Doutrina, e por mais incrível que pareça em nossos mentores.
É necessário compreender e entender as coisas que estão acontecendo com uma visão doutrinária mais ampliada,deixando de lado a visão humana que demanda as limitações oriundas de nossa condição de seres humanos. Gostaríamos que essas situações fossem resolvidas o mais rápido possível. Mas que eu devemos ter em mente é é que para nossos mentores o tempo não existe, e por mais complicado que seja,tudo que está acontecendo, passa pelo crivo e o olhar de Pai Seta Branca.
Muito tem se falado sobre a pintura do Cavaleiro da Lança Negra, de que ele viria com sua espada e levaria algumas pessoas que são responsáveis pelos acontecimentos que estão nos afligindo. Nossa Doutrina não tem um caráter punitivo, o perdão e a compreensão, o tolerar, ter humildade e amor ainda é nosso maior tripé.Também dentro dessas dezenoves encarnações que juntos estivemos, sempre houve aqueles que de uma forma ou de outra tentaram impedir a evolução da tribo. Mestre Edelves, Adjunto Yuricy, quando encarnada dizia uma frase muito interessante: “Pai Seta Branca teria dito - Entregarei essa missão nem que seja com sete médiuns”.
O interesse maior na passagem de espíritos para Deus é de nosso Pai Seta Branca. Os problemas que hoje estamos vivendo, são oriundos de ações humanas, onde algumas pessoas tem a oportunidade de rever seus ensinamentos e optar em seguir o Lobo ou o Cão.
A frequência vibratória de cada um atrai os espíritos na mesma frequência que ele vibra. Sua orbe é composta pelas conquistas que teve e pelo que realmente aprendeu. E em nossa Doutrina, mesmo aqueles que estiveram e conviveram com Tia Neiva estão e são passíveis de serem atraídos pelos mundos negros da incompreensão. Ela deixou com cada um, um tesouro imenso, cujo valor pessoal é inestimável. Alguns distribuem da mesma forma que recebeu. Já outros, acha melhor torná-lo tão brilhante que seu brilho tem provocado uma cegueira tão grande que já não sabe por aonde anda.
Então a pergunta que se faz hoje é a seguinte: Por onde caminhar? A resposta vem dos ensinamentos da Clarividente.
Ela nunca dividiu. Nunca impediu que qualquer pessoa entrasse no Templo para cumprir sua missão. Nunca se envolveu com política.
Nunca deixou que as questões jurídicas, humanas interferissem na Doutrina.
Respeitou a hierarquia em todos os sentidos. Pois foi ela que a trouxe. Para ela a família era a base de tudo.
Fica portanto seus ensinamentos como a linha que nos conduzirá como Mestres verdadeiros, de uma Senhora cuja respiração estava comprometida, mas mesmo assim não deixava de ensinar a verdade, essa verdade que hoje parece estar tão difícil de ver.
Outro fato digno de nota é a parábola do primeiro Mestre Sol Trino Tumuchy sobre o mar encapelado. “As marés se arrebentam na superfície com intensidade enorme, enquanto no fundo do oceano, logo abaixo das marés, os peixes nadam tranquilamente”.
Infelizmente, muitos estão sofrendo, pessoas que tem uma conduta doutrinária impecável,mas estamos a mercê das condições cármica e espirituais.
Lembramos também de outra frase do grande instrutor Mestre Bálsamo que dizia; “Muitos ainda hoje estão a preferir Barrabás”.
O Trino Ajarã Mestre Gilberto Zelaya, tem recomendado a todos muita paciência, que não revidem se por ventura forem provocados.Continuem a realizar seus trabalhos normalmente.
Lembrando sempre dos ensinamentos que receberam e da conduta doutrinária, instrumento de segurança para o Médium que pretende cumprir sua missão neste terceiro plano.
Então lembremos de algo muito complexo e sério,nossa visão humana dos acontecimentos e limitada, imediatista, já a visão da espiritualidade transcende a tudo isso. Não se envolver com aquilo que não tem certeza se é realmente o que Tia Neiva nos trouxe é delicado e perigoso. Falar por ela e em nome dela é realmente muito fácil, mas Jesus nos adverte “Pela árvore conhecereis seus frutos”, “O reino que vive pela espada, morre pela espada”.
Pai Seta Branca em uma de suas mensagens nos diz “Sinto-me feliz por vós, filhos educados que abdica um mundo por uma Doutrina do Amanhecer”.
Mestres e Ninfas desta Doutrina, olhai em vosso coração, não deixai-vos levar por fatos e situações que em seu coração gere dúvida. Você é seu maior Mestre, podem lhe falar lhe muitas coisas, mas o que é realmente doutrinariamente correto, tu o sabes...
Abraçastes esta fita que trazes em teu peito, abristes teu coração para que Jesus o Divino Mestre pudesse entrar, semeais por onde passares semente que dão frutos e sombras, pois um dia alguém poderá descansar por debaixo da árvore que você plantou, e certamente naquele instante dirá, bendito foi aquele que a este árvore plantou. Plante rosas, e se por ventura ainda assim alguém perfurar os dedos nos espinhos, lembre se você deu rosas....
Por Adjunto Adelano - Mestre Gilmar - Subcoordenador CGTA
Postado por Templo Puemar do Amanhecer


Doutrina do Amanhecer


Koatay 108 nos disse que onde poderíamos viver sem medo, com a mente erguida, era na Doutrina do Amanhecer, onde o saber é livre!
Também nos explicou que quem entra na 
Corrente do Amanhecer se torna um Jaguar e se assemelha a um viajante que atravessa uma região nunca antes percorrida, caminhando, sem guia, confiante em sua formação e entregue à sua perspicácia, com sua mente aberta e a visão ampliada de todo o Universo que o cerca.
Na realidade, nossa 
Doutrina, se aprendida com dedicação e amor, nos revela conhecimentos que nos fazem felizes, mesmo quando aos olhos do mundo, deveríamos estar desesperados e sofrendo.
Além disso, 
Koatay 108 algumas vezes nos esclareceu sobre a situação em que nos encontramos aqui no Vale do Amanhecer, neste plano físico, em que a área do Vale é uma espécie de Casa Transitória , onde diferentes planos se encontram e se interpenetram, gerando uma situação singular no planeta, que envolve todos nós, que frequentamos o Templo, a grande nave, e que nos deparamos com situações que nos parecem totalmente absurdas por não termos conhecimento de seus componentes no plano espiritual. Tia Neiva nos dizia dos grandes reajustes, das severas cobranças, das situações complexas que poderiam parecer inadmissíveis acontecer entre nós, mas que, na realidade, eram exarcebadas por essas complexas forças que se fazem presentes no Vale. Na verdade, devíamos sempre estar preparados para os grandes reencontros, para o atendimento de espíritos monstruosos e grotescos que, embora despidos de qualquer sinal humano, haviam desperdiçado suas reencarnações e, agora, eram trazidos ao Vale do Amanhecer como uma última esperança de sua reabilitação espiritual. Por isso, teríamos que aprender a conviver com todas essas tristes manifestações de mentes doentias, sofridas, distorcidas, tanto nos encarnados como nos desencarnados, buscando nossas forças interior e doutrinária para atendermos aos escabrosos quadros que se nos apresentam no Vale. Coisas que só aqui iremos encontrar, porque aqui vivemos numa outra dimensão. Por isso Tia Neiva determinava a muitos que não saíssem da área do Vale sob pretexto algum, visando a proteção daqueles espíritos. Recordamos o alto preço que pagaram os que não seguiram suas determinações!
A mediunidade é neutra e, uma vez desenvolvida, tanto no indivíduo bom como no mau, vai provocar sua prática no aperfeiçoamento do missionário da
 Luz ou a submissão dos doentes do espírito a suas tendências para as ações destrutivas e malignas, pela Lei das Afinidades. Ainda mais pesada se torna a jornada de cada um pela ação destrutiva de obsessores, que reagem influenciados pelo despertar da consciência de suas vítimas.
Ao entrar na 
Doutrina, o indivíduo amplia a percepção de suas forças em potencial, aprendendo a aplicá-las no direcionamento sugerido por sua estrutura espiritual, cedendo ou não às tentações originadas em seus compromissos cármicos ou em armações de seus obsessores. Fatos que aconteceriam, em condições normais, num futuro distante, se precipitam pela aceleração do carma. Espíritos ainda pouco evoluídos são dominados pelos instintos, pela vaidade e pelo egoísmo, e criam situações comprometedoras e atos embaraçosos e se deixam precipitar em escuros abismos pela falta da correta conduta doutrinária.
O toque da 
Iniciação Dharman Oxinto equilibra nosso plexo, energiza nossos chackras e nos torna mansos como a pomba e sagazes como a serpente! Desperta em nós o conhecimento de que toda busca espiritual envolve uma série de dificuldades, e que tudo vai depender do nosso esforço e da nossa vontade para aprimorarmos nosso íntimo, colocando-o em condições de viver plenamente nossa missão em face dos bons resultados no desenvolvimento de nossas faculdades morais, emocionais, psíquicas e físicas.
Para nós, 
Deus é a Verdade Absoluta e não procuramos defini-lo e nem temos preocupação com isso. Não nos atrevemos a dizer que Deus tem essas ou aquelas qualidades, que gosta ou não gosta disso ou daquilo, que assume essa ou aquela forma.
Nosso caminho é a 
Nova Estrada, onde trilhamos porque acreditamos ser Jesus de Nazareth o portador da Verdade, que nos levará a Deus.
Jesus, o Divino e Amado Mestre, edificou a Escola do Caminho, estabelecendo um perfeito sistema que nos chegou através dos Evangelhos, pelo qual sabemos, percebemos e sentimos tudo o que precisamos a respeito de Deus, não sendo necessário desgastar nossas energias especulando a natureza de Deus. Ela é implícita e tranquila em nossa vivência crística.
Nossa 
Doutrina nos ensina a suavidade, a caridade, o perdão, sem dogmas nem atos secretos, e, orientada pelo Espírito da Verdade, se resume nas três proposições básicas de Jesus: AMOR, TOLERÂNCIA e HUMILDADE - que constituem os três Reinos de nossa Natureza. Com a aplicação deste princípio o Homem consegue reformular sua existência, atenuando seu carma, sendo útil e utilizando seu potencial mediúnico para a ajuda de irmãos encarnados e desencarnados, na Lei do Auxílio.
O convite para entrar na Doutrina, para o primeiro passo no Desenvolvimento daquele ser que se debate na vida, ignorando as forças que atuam em sua mediunidade causando-lhe dores e sofrimento, só deve ser feito por uma Entidade de Luz, em seu atendimento nos Tronos. Nosso cuidado com isso deve ser imenso, pois temos a tendência a querer que as pessoas que estão sofrendo, enfrentando graves problemas físicos e espirituais, ingressem na Corrente, com a intenção de ajudá-las em seus caminhos cármicos, desfrutando dos benefícios e graças que tanto vimos acontecer.
O Homem, em sua jornada, tem como dever lutar por tudo aquilo que deseja, dentro de seu livre arbítrio, tanto em sua vida material, buscando o conforto e bem-estar daqueles que lhe foram confiados, como na sua vida religiosa. A sua mente precisa irradiar sua força e seu amor em todos os sentidos, como um sol radiante emite seus raios.
Aquele que estaciona, se acomoda, para de lutar e se conforma com sua vida torna-se irrealizado. O conformismo é o símbolo da derrota do espírito.
O Homem deve ter sempre, em sua mente, a consciência de que jamais encontrará tranquilidade na Terra.
Convidar um ser humano a abandonar a luta seria o mesmo que sugerir que se suicidasse. Mas permitir que ele prossiga sua luta sem saber o que está fazendo, sem se conscientizar do poder mediúnico de que dispõe, deixando-o entregue à perda da oportunidade reencarnatória, é lhe propiciar o suicídio do espírito! Temos que nos conter, pois não cabe a nós fazer esse convite. Podemos ajudar, vibrar com amor, mas temos que deixar que ele chegue até nós por sua própria iniciativa.
Na Doutrina do Amanhecer ele vai aprender a trilhar a Nova Estrada e se surpreender ao sentir que caminhará para dentro de si mesmo, descortinando um mundo maravilhoso que existe no seu interior, tornando mais sensível sua percepção do Universo que o rodeia, analisando e compreendendo as palavras e as ações daqueles que estão ao seu redor, aprendendo a manipular todo o maravilhoso arsenal de energias de que poderá dispor pela correta aplicação de sua mediunidade.
Na medida em que caminha, o Jaguar se sente mais seguro e realizado, compreendendo que vai ampliando sua força e capacidade de servir na Lei do Auxílio.
Nossa Doutrina é diametralmente oposta aos conceitos vigentes na fase atual de nosso planeta, onde se propaga a ideia de que o mundo é como é e não como nós o vemos, o que gera angústia pela insegurança do Homem, que deixa de perceber o Universo pela sua sensibilidade e passa a escravo do que lhe é dito e ensinado, anulando sua individualidade, massificando-o de forma a torná-lo simples personalidade padronizada, apenas uma parcela do coletivo.
Aqui, na Doutrina, aprendemos que o Universo está de acordo com o dimensionamento da consciência de cada um, que tomará suas decisões com base nos estímulos originários de três fontes: física - o corpo; psicológica - a alma; e espiritual - o espírito.
E não ficará réu de qualquer julgamento. Na Doutrina do Amanhecer não preconizamos qualquer forma de comportamento, aceitando cada pessoa como ela é, sem qualquer tipo de discriminação. Pobre ou rico; preto ou branco; analfabeto ou diplomado; feio ou bonito; simpático ou feroz; nada influi, porque o CONHECIMENTO DE SI MESMO nivela todos.
Quanto pior for a situação de um ser humano, tanto em relação a si mesmo como ao meio em que vive, maior nossa necessidade de recebê-lo com amor e tolerância. Só com essa aceitação, sem julgamentos, críticas ou recriminações, poderemos recebê-lo e proporcionar meios para que possa se reequilibrar. Só com amor podemos despertar sua capacidade de amar; só com tolerância lhe abriremos a oportunidade para se reencontrar. E o amor e a tolerância só podem existir se houver humildade!
Ao ingressar na Corrente do Amanhecer aquele ser humano vai adquirindo uma Doutrina que lhe permite começar e gradativamente ampliar os conhecimentos de si mesmo e do Universo, revigorando suas virtudes e aprendendo a melhor sobreviver e a melhorar sua convivência com os demais, ao mesmo tempo em que modifica suas atitudes, ações e reações, buscando o aperfeiçoamento de seu próprio comportamento com base nas normas estabelecidas pela Espiritualidade na conduta doutrinária. Todavia, sabemos que toda regra tem exceções, e advertimos para o desastre espiritual, a dolorosa queda daquele que direciona seu conhecimento para a prática do Mal.


Imagem relacionada

Embora separando a conduta doutrinária da conduta individual, sabemos que existe uma ligação muito sutil entre as duas. A conduta doutrinária não fica restrita ao Templo nem somente aos trabalhos: ela nos envolve e aprimora, devendo ser obedecida a cada momento de nossas vidas, seja onde for. Ela é a base, o alicerce da evolução mediúnica.
Cada um receberá de acordo com o seu merecimento, pela dedicação aos trabalhos e por sua conduta doutrinária.
Todos os trabalhos existentes em nossa 
Corrente foram trazidos através de Leis ditadas pela Espiritualidade Maior, que também determinou as formas, as cores, os uniformes e indumentárias, nada havendo no Templo e nos demais locais de nossos trabalhos que tenha sido aplicado pela vontade de Koatay 108 ou de quem quer que seja neste plano físico.
A Doutrina do Amanhecer é uma Linha Branca Oriental, trabalhando energias da Corrente Indiana do Espaço e das Correntes Brancas do Oriente Maior, sob o comando supremo de Pai Seta Branca, o Simiromba de Deus, cuja Falange está distribuída estrategicamente pelos diversos planos do Sistema Crístico, desde os mais sutis, com a mais elevada faixa vibratória, até os densos, físicos, de baixo padrão vibratório.
Consideramos que a razão básica pela qual uma pessoa precisa se desenvolver, ingressando na 
Doutrina, é seu equilíbrio pessoal, proporcionado pela realização do seu programa reencarnatório, feito com sua anuência, antes de seu nascimento.
A mediunidade foi a arma que
 Deus lhe deu para se defender e agir. Como é neutra, conforme o uso que fizer dela, poderá ferir-se a si mesmo.
Logo que iniciar seu 
Desenvolvimento na Corrente, é revelada sua mediunidade: Apará, se for médium de incorporação, ou Doutrinador.
Aquele que se dedica com amor à Lei do Auxílio, na Doutrina do Amanhecer, e busca dentro de si mesmo o conhecimento das leis universais e das energias que nos envolvem, tende a cumprir melhor a jornada de sua Vida e desvenda os mistérios da Morte. Sua mente se torna mais clara, suas decisões são mais firmes, suas ações e reações são mais seguras, suas dores são menos sofridas! Melhoram sua convivência porque passam a vibrar o Bem e a receber boas vibrações.
Já nos foi dito que podemos avaliar nossa posição neste nosso Universo, a cada momento, pelo balanço entre as vibrações positivas e negativas que nos atingem.
Outro ponto importante, na Doutrina, é quanto a dificuldades que aparecem no caminho daquele que está começando a trilhar a Nova Estrada.
Para ilustrar, vamos pensar uma situação material: eu estou devendo um bom dinheiro a diversas pessoas, mas estou em situação terrível, sem nada, morando debaixo de uma ponte. É claro que nenhum dos meus credores vai se abalar, gastando tempo e dinheiro para me cobrar, pois sabem que não tenho como pagá-los. Um belo dia, leem nos jornais que ganhei uma vultosa loteria. Imediatamente, farão fila diante de mim, querendo receber o que lhe devo.
Na nossa jornada, temos cobradores, espíritos que há séculos se perderam no ódio e na vingança, que pretendem que paguemos pelo mal que lhes causamos. Ora, enquanto não temos uma doutrina, sofremos, caímos, mas não temos como pagar esses débitos transcendentais. Podem até se passar algumas reencarnações, mas não encontramos nossa meta.
Ao começar numa doutrina, como a do Amanhecer, vamos tendo consciência e adquirindo bônus , que já nos permitem alguns resgates, poucos a princípio, mas crescendo conforme vamos caminhando com nossos trabalhos na Corrente, progredindo de acordo com nossas consagrações.
Nesta fase, cientes de que já estamos em condições de resgatar alguns desses débitos, os espíritos cobradores chegam até nós, para o reajuste.
E isso não acontece somente no plano espiritual. Muitos de nossos cobradores encarnados também iniciam seus reajustes, o que leva muitos a pensarem que a vida se complicou simplesmente porque entraram para a Doutrina.
Pela consciência e pelo conhecimento, o Homem em desenvolvimento saberá fazer a distinção dos fatos e situações que o envolveram em decorrência de seus atos em outras encarnações, dando mais firmeza em seus passos na Nova Estrada.
Em nossa Doutrina temos a assistência de diversos Espíritos de Luz: Pretos Velhos, Caboclos, Cavaleiros de Oxosse, Médicos do Espaço, Povo das Águas, Grandes Arcanos, Cavaleiros de Oxan-by, Ministros, Cavaleiros e Guias Missionárias que nos dão proteção e nos ajudam a cumprir nossos trabalhos e nossas metas cármicas, com amor e tolerância.
Cumprimos e devemos zelar pelo cumprimento das Leis que nos regem, trazidas por Tia Neiva juntamente com suas mensagens e instruções, que formam a estrutura da Doutrina.
O Jaguar, assim chamado o Médium do Amanhecer porque porta a força da Terra, é burilado, por seu trabalho na Lei do Auxílio, como uma pedra tosca que se transforma em fulgurante diamante, tornando-se uma espada viva e resplandecente a brilhar por todo o Universo. Sempre atento, sempre alerta, é a força viva da Doutrina do Amanhecer.
Aqui, aprendemos a amar ao próximo como a nós mesmos, respeitando a vida de cada um, sem julgamentos e sem preconceitos, na certeza de que aquele que cumpre suas obrigações com as pessoas que o cercam, que tem um comportamento harmonizado, dentro da conduta doutrinária, com amor em seu coração, se sentirá feliz e realizado na Doutrina do Amanhecer, sentindo-se sobrepor ao primarismo em que vivia e à escravidão aos instintos, tornando-se útil e generoso na prática do Bem. Mesmo que um dia ele deixe a Doutrina, seus conhecimentos e suas consagrações permanecerão intocados e ele estará, sempre, consciente de seus poderes e de sua responsabilidade.
Todavia, aquele que não assimila os ensinamentos, vivendo no mau-humor, inconformado e revoltado, mergulhado na inveja e no ciúme, emitindo baixas vibrações, incomodando todos com suas queixas e agressões, certamente não se realizará nesta Corrente, pois que Doutrina poderá existir nele?
“Há muitos anos venho tentando esclarecer o espírito da Verdade, porém sem qualquer pretensão ou interesse em divulgar o Espiritismo, Espiritismo tão profanado por todas as religiões.
Espiritismo classificado de Allan Kardec é o único aceito, que ainda se respeita. Não podemos negar que somos baseados nele. Porém, eu, Neiva, ates de chegar até aqui, me comprometi nos Planos Espirituais impregnar na mente e no coração do Homem uma Doutrina, acompanhando o Espiritismo e o identificando como verdadeiro espiritista, sem se incomodar que seu vizinho trabalhe assim ou não.
A mente do Homem vazio é ligeira e nada grava, não tendo ectoplasma para registrar suas lições, só entendendo a dor quando, egoisticamente, lhe dói ou é enganado.
No entanto, o Homem que já se identificou, com convicção, como espiritista, tem base sólida, sua mente é científica e dificilmente sofre com a dor.
Eu tenho por missão impregnar no Homem o amor, a tolerância e a humildade.
Homem precisa reconhecer que tudo é bom!
Em cada pessoa encontramos uma lição e delas recebemos um carinho quando lhes damos. O Homem convicto de que tudo é bom deixa de ser criticado pelos outros, pois é evidente que os críticos são os exaltados.
Eu sou uma espiritista, sou clarividente, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!
Tenho o meu ritual de trabalho, que não posso dizer que acompanho Allan Kardec ou que seja Umbandista, e nem tão pouco do Candomblé. Não sou porque amo a minha Corrente, tenho a minha missão.
Recebi, em 1957, a Corrente Mestra do Oriente Maior e vibro nela, sem pretensão de ferir ninguém ou fazer os outros passarem para mim. Se não sou Kardecista, Umbandista ou do Candomblé é apenas porque tenho minha missão. Porém, amo a todos!
Sei que vai haver uma unificação entre nós, porém isto é muito delicado, pois não sabemos qual será escolhida por Deus para unificar as outras três. Mas, não me preocupo quanto a isto!”
(Tia Neiva, 20.6.75)
“Somos muito realizados nesta Doutrina! Salve Deus!
E por isso, talvez, muitos de vocês se empolgam nestes conhecimentos e começam a insistir com as pessoas para se desenvolverem. Eu até não me importo!...
Então, depois, começo a me recordar desses erros que eu também já cometi. Quero alertar vocês, quero explicar para que tenham muito cuidado: cortem esses convites! São muito perigosos e nos trazem, inclusive, perigos pessoais, atrasos...
Em 1960, quando eu iniciava meu mestrado no Tibete, me apareceu uma família: uma viúva com um filho de 25 anos, mais ou menos, que bebia muito, casado e com dois filhos.
Eu achava - como vocês - que o Homem só se realiza quando se desenvolve. E pronto!
Comecei a insistir com aquela família para vir desenvolver aqui. Entre outras coisas, disse-lhes que o rapaz, com o desenvolvimento, ficaria bom. E ele ficou muito ligado a nós, e todos começaram a se desenvolver.
Um dia, vi o quadro do rapaz: em mais ou menos um ano ele ia morrer!
E então me arrependi de tê-los trazido para a UESB.
Mãe Nenê era quem se encarregava, com todo o amor, de doutrinar aquela família.
E o rapaz - o Zé Ratinho, apelido que tinha desde criança - ia à UESB por brincadeira. Mas deixou de beber. Ele ia à UESB para ficar na “rodinha”, totalmente sem sentimentos, sem qualquer coisa.
Um dia, um telegrama: o rapaz fora jogar bola, em Belo Horizonte, e morrera com um mal súbito. Foi um choque terrível para todos, mas eu já esperava por isso. A reação da mãe é que me surpreendeu: começou a se lastimar, dizendo que aquilo era castigo, porque haviam sido sempre tão católicos e agora não eram mais... haviam matado o seu filho querido por se tornarem espíritas!...
E isso durou muito tempo. Diziam, me culpando, que aqui só existia feitiçaria e tudo o mais. E eu tive a maior decepção do mundo com minha assistência àquela família.
Certa vez eu estava no Canal Vermelho quando ouvi uma voz chamar: “Irmã Neiva!” e me deparei com o Zé Ratinho. Nessa época, todos me chamavam de Irmã Neiva.
Ele falou: “Oh, Irmã Neiva, graças a Deus! Por que não aproveitei mais? Mas, por que Mãe Nenê não está aqui? Por que, por que não ouvi mais Mãe Nenê? Ela com aquela doutrina dela... Enjoada, né? Enjoada... mas graças a ela que estou recebendo uma luzinha aqui! A senhora está boa, né, Irmã Neiva?”
Então vi que ele jogara fora tudo o que eu tinha feito, todo aquele sacrifício. O que valera a ele, afinal, tinha sido a doutrina de Mãe Nenê! Fiquei decepcionada. Eu, que fizera tudo de bom (que naquele tempo eu pensava), via que a única coisa boa fora a doutrina de Mãe Nenê.
Mãe Tildes foi me dar uma explicação: “É mesmo, filha. O Homem só sente, só é atingido depois que nasce quando ele tem qualquer convicção da vida fora da matéria, quando ele tem vontade...” Mãe Tildes me explicou que minha missão aqui é esclarecer ao Homem a Doutrina, mas no coração e na mente...”
(Tia Neiva, 27.6.76)
Estamos a remover séculos, em busca das Raízes que deixamos.
Voltamos para evoluir o mundo que ferimos quando nos afastamos de 
Deus, naquela noite triste de luar, quando a dura experiência nos arrancou do mais alto castelo de força, baseada no imenso poder químico que transformava a água em pedra e que nos fez esquecer que, átomo por átomo, somos por Deus construídos.
Era um sacerdócio poderoso, onde o 
Homem se concentrava, salientando-se a necessidade de moderação e equilíbrio ante os momentos menos felizes dos outros.
Analisamos, sem a mínima compaixão por nós mesmos, todos os acontecimentos que nos deram a orientação e a conduta dos seres que fomos. Corajosos, inteligentes, porém nos perdemos em meio de tantas riquezas.
Inteligência!... Tivemos tempo para ir e voltar. Verificamos, então, que a 
Terra não passa de imenso universo onde temos a razão do que vemos. Agora, já é um pouco tarde para voltarmos, se somos missionários e trouxemos uma lição!
Falando de uma forma espiritual, no tempo preciso somos, então, aqueles espíritos colocados numa posição de destaque no limiar do 
Terceiro Milênio.
E quanto à delimitação do tempo, a própria palavra já diz: Terceiro Milênio!
Resultado de imagem para sol interior
Abraçaremos o que nos deixaram os nossos antepassados nos altos planos do Céu. Eis a única forma de favorecermos a paz em nossos corações. Energias transferidas pela nossa falta de Deus...
Hoje, estamos aqui, com o nosso Sol Interior Iniciático, na obrigação de agora as transferir até aqui. E neste compromisso comigo, terás que conhecer o mais alto culto da Ciência-Mãe, ou seja, a Magia Geradora, o teu Aledá, o culto secreto que é a Cabala de Ariano, conforme já provamos naquele mundo iniciático de Pai Zé Pedro e Pai João, que deram o nome de Ariano, que quer dizer Raízes do Céu.
(Tia Neiva, 7.9.77)
“Na Doutrina Espírita, a fé representa o dever de raciocinar com a responsabilidade de viver, porém com amor, no equilíbrio de teu Sol Interior.
Sim, meu filho, o Sol, a nossa vida por Deus construída! Porque o Sol Interior é formado pelos três plexos no reino coronário.
Sendo corpo físico, devemos estar sempre compreendendo os nossos instintos da carne, do reino físico, no plexo etérico e no perispírito.
A nossa alma ou micro-plexo, quando estamos bem sintonizados, se desprende do corpo e parte em busca de nossos desejos. Se estamos em perfeita sintonia em Deus, ela vai até o cosmo e nos traz força e energia para nosso Sol Interior. Tudo dependerá de sabermos harmonizar os três reinos de nossa natureza: amor, tolerância e humildade.
Nossa responsabilidade é grande demais pelo compromisso que assumimos nos planos espirituais para sermos o socorro final nesta Nova Era.
Meus filhos! Faremos de nossa missão o nosso sacerdócio. Jamais irei exigir nos seus aparelhos os Anjos do Céu! Porém, irei sempre às matas frondosas do Xingu, em busca das mais puras energias para o conforto e harmonia, para a cura do corpo e do espírito e para o desenvolvimento material de suas vidas. Força do Xingu... Força vital extra-cósmica!
A lei física que nos conduz à razão é a mesma que nos conduz a Deus!
Não somos políticos, porém temos como obrigação obedecer às leis, cumprir com dignidade o que nos regem os governantes de nossa nação.
Não os considero como tradicionais espíritas das mesas de Kardec ou dos luminosos terreiros. Eu os concebo preparados Magos do Evangelho, no limiar do Terceiro Milênio!
Existe um Céu espiritual ao nosso alcance, existe uma outra natureza que está além da manifestação habitual que conhecemos, e só mesmo as heranças transcendentais nos levarão a vidas além-carma.”
(Tia Neiva, Carta Aberta n. 2, 11.9.77)
“Provamos sempre que a Doutrina, somente a Doutrina, é a bagagem real deste mundo para o outro. Porque mesmo que eu viva com os espíritos, converse com eles, e que entrasse em um disco voador, sem conhecer a sua linguagem, sem o amor de uma Doutrina em Cristo Jesus, nada me iluminaria, senão a missão de um comportamento religioso.”
(Tia Neiva, 21.11.81)
“Filho: para que a criatura cumpra, fielmente, os desígnios desta Doutrina, é indispensável que desenvolva os seus próprios princípios divinos. É preciso que se sacrifique em favor de grande número de espíritos que se desviaram de Jesus.
É preciso, filho, que esteja no luminoso caminho da fé, da caridade e da virtude do Espírito da Verdade, e que se dedique, principalmente, àqueles que tombaram dos cumes sociais, pelo abuso do poder, da autoridade, da fortuna e da inteligência.
Eu sofro ao ver tanta incompreensão. Deixam milhares de sofredores esperando, as suas vítimas do passado, e não esperam nem mesmo a bênção de
 Deus para serem felizes.
No primeiro impacto, deixam de acreditar até mesmo em sua individualidade, sem dar tempo para receber as pérolas dos 
Anjos e dos Santos Espíritos, que são a recompensa do trabalhador.”
(Tia Neiva - Reili e Dubale, 24.11.81)
“Qualquer atitude do Homem na faixa vibratória de evolução é válida, porque estamos em um mundo onde se confundem as sombras e as claridades. Todos os males da vida concorrem para o nosso aperfeiçoamento, sobre o efeito de todos esses ensinamentos e, pela dor, pela prova e pela humilhação, desprendemo-nos, lentamente, para a vida eterna.
Vivemos no meio de uma multidão invisível, que assiste, silenciosamente, a lógica desta nossa Doutrina, nos dando segurança e nos facilitando a conduta de um mundo para outro.
Filho, quando o Homem aprender a trabalhar harmoniosamente deixará de enganar a si mesmo, sentindo-se injustiçado ou aguardando a compaixão sem justiça. Sim, porque é na vida mesmo que se deve procurar os mistérios da morte. A salvação ou a reparação começam aqui. O seu Céu ou o seu mundo inferior estão aqui. A virtude é compensada.
Não faça desta vida o infernal templo dos teus anseios.
Filho, as células do nosso corpo agem, sempre, de acordo com os impulsos nervosos emitidos do cérebro.
Há um exército de auxiliares medianeiros entre nós e Deus, procurando velar por nós, embora conheçam o nosso livre arbítrio.”
(Tia Neiva, 18.2.82)
Deus é Natureza, é a Verdade viva e absoluta, revestida de Luz! Deus é Verbo, Energia Luminosa de ação e reação. Deus é o canto supremo da Harmonia, na expressão mais alta da Justiça e do Amor. É a Ciência, a Força e a Razão!
É a este poder cabalístico, filho, nesta Doutrina, que a Cabala de Ariano nos aconchega. Tudo se explica e se concilia. É uma Doutrina que a tudo vivifica e fecunda a todos os outros - e nada destrói. Até pelo contrário: dá razão de ser a tudo que existe.
Por isso, filho, todas as forças do mundo estão a serviço desta Ciência, que é muito mais do que uma simples Doutrina. Amanhecer é um canal único, onde eu juro meus olhos todos os dias, fortalecendo os canais de emissão que seguem na força cabalística de Ariano. Acende e inflama os ideais religiosos.
Presume-se que Deus haja criado os inteligentes e os menos inteligentes. Eu, porém, filho, só vejo a distinção e a deformação de alguns seres por falta de Doutrina.
Ariano é poderoso Oráculo da Legião do Cavaleiro Verde. É a Presença Divina, Sétimo Raio do Amanhecer, que do Oráculo de Ariano distribui eflúvios luminosos na Terra.
(Tia Neiva, 11.7.83)

Resultado de imagem para presença divina vale do amanhecer

“Sabemos que cada época tem sua missão própria no caminho da evolução, com determinadas finalidades a atingir. Sabemos, também, que nos custam caro as críticas e, na vida quotidiana, este nosso estilo, que já é ultrapassado.
Por outro lado, sofremos pelo dever que temos de estar à frente e atentos, porque novos conceitos e novos tempos de vida se avançam e nos atingem.
E, às vezes, paramos para fazer uma reflexão. Não temos este direito. É o mal...
A remontagem, agora, é forte e verdadeira, porque somos cabalistas de uma estrutura espartana.
Temos um sacerdócio egípcio, contido e purificado por Moisés, oculto sob o simbolismo da Bíblia velada e contida, atingindo o Apocalipse deste apóstolo.
Sofre o cabalista pelos companheiros supersticiosos e tudo que lhe pareça idolatria, porque formamos em Deus na figura humana, mas é uma figura puramente hieroglífica. Deus nas estradas, no céu, no mar, nas paredes de sua casa. Deus como um infinito, o amante vivo da natureza.
E no coração do homem, como seria a Terra?...
No entanto, são poucos os homens jovens como vocês que se destinam a uma Nova Era.
Quem poderá me ouvir?
Nesta carta saliento que o rastro do Homem, remontando em cada continente deste Universo, vai mais longe do que a própria história, ida e vinda do Eterno. No curso que fazemos na senda da reencarnação, devemos procurar a ciência e o amor.
Sim, filho, a água das fontes, dos lagos, dos rios, das chuvas e dos mares. A água, analisemos, água igual a água. A água das fontes tem sua energia, dos lagos e dos rios são diferentes, como é diferente o sabor das bebidas sintéticas das frutas.
Tudo é amor em diferentes sentimentos: o amor das crianças, o amor da mãe, o amor dos amantes e o amor incondicional.
O corpo físico não gera a vida ou força neste plano físico.
Sim, porque das nascentes surge o Prana. A presença Divina se manifesta, emitindo o Prana por todo este Universo.
(Tia Neiva, 25.3.84)
“Como explicar esta Doutrina, que os Anjos e Santos Espíritos nos confiaram, se quanto mais penetramos nos domínios psíquicos tanto mais difícil se torna nossa jornada?
Meu filho: nos encontramos na situação do viajante que atravessa uma região nunca antes percorrida, da qual não há retorno, e sem vaguear, caminhando sem guia, confiando apenas na sua formação recentemente reencontrada, equilibrada por sua formação, entregue à sua perspicácia.
É uma Doutrina que, como um gigante adormecido, repousa por trás de três portas hermeticamente fechadas, três portas resplandecentes que significam, duas, o Poder Iniciático da Vida e da Morte - integração e desintegração -, sendo a terceira a força do Círculo Esotérico e Ciências Ocultas da Comunhão do Pensamento.
Sim, filho, encontram logo após algumas jornadas com a visão do campo e da forma verde do aroma das matas. Sim, filho, a força verde é a que manipula a sua força vital, que se transforma na força do Jaguar, que vem com a primeira Iniciação Dharman Oxinto, e que quer dizer: Seja manso como a pomba e sagaz como a serpente!”
(Tia Neiva, s/d)
“Certa vez dois grandes sábios e seguidores de Cristo partiram em uma peregrinação, chegando a uma pequena cidade, onde um povo cristão, feliz, os acolheu com carinho. Mas era grande a necessidade daquele povo, em que Jesus colocara, também, forças desiguais. Os sábios mestres sentiram aquela grande necessidade mas, também, um toque de vaidade por se sentirem tão úteis àquele povo.
Então, se perguntaram: Curar ou doutrinar aquela gente?
Sim, curar, induzindo-lhes ao trabalho, pois todo aquele que se eleva no trabalho, gradativamente vai recebendo sua lição, a verdadeira lição com o amor extraído do palpitar de sua mente e de seu coração, e não a lição da teoria, mesmo que de velhos sábios, pois a lição de um sábio, ontem, pode ser hoje superada por uma magnífica manifestação de um discípulo.
O sábio mais velho partiu.
O outro, não resistindo à sua vaidade, ficou e foi ensinar. Formou sua academia, limitando aquele povo aos seus conhecimentos.
Enquanto isso, o que partiu jogou-se à prática, escrevendo, traduzindo, acumulando tudo o que via, e não teve tempo de aproveitar sua linguagem pois, de certa forma, era projetado e sempre superado por tudo que aprendia dos seus discípulos.
Por fim, já de volta, encontram-se os velhos sábios, e recebem a mais ardente das lições: o encontro com a Caridade! Aprender trabalhando e não ter a pretensão de saber.
A dor é o espinho no coração do Homem. Após extraída, permite que desabrochem conhecimentos transcendentais de que nenhum mestre é capaz de transmitir.”
(Tia Neiva, s/d)
Homens pequenos, Homens maiores, todos irão se levantar e encontrar os seus destinos e, juntos, teremos que encontrar os nossos destinos. Sabe Deus o que nos espera se sairmos desta concentração que nos divide e nos segura, nos afirma nossa constituição.”
(Tia Neiva, 28.1.85)
Postado por Jorge França



O Iniciado

Imagem relacionadaSalve Deus!

A partir do momento em que a pessoa resolve aderir ou participar da Doutrina do Amanhecer, invariavelmente sua maneira de pensar e agir muda. Estamos falando daqueles que tem uma missão a cumprir na doutrina. No desenvolvimento ele entra em contato com as forças espirituais que passarão a lhe reger. Os seus chacras serão despertados lhe condicionando a interagir com esse mundo sagrado de Koatay 108. Ele não mais consegue ver o mundo como antes. Passa a pensar nos enredos cármicos que suas decisões podem causar ou levar. Suas ações não mais tem um efeito isolado. Se ele ainda for um comandante, instrutor, ou Presidente Adjunto, é que suas ações poderão modificar a trajetória da vida de outras pessoas.
Segundo o Primeiro Mestre Sol Trino Tumuchy, Iniciado é aquele que se propõe a atravessar a barreira de suas próprias possibilidades. Isso explica um Mestre andar à cavalo 30 km para poder assistir uma aula de centúria. Andar centenas de quilômetros para participar de um trabalho. Deixar sua vida, sua casa, e recomeçar sua vida em outro local para compatibilizar sua vida material com a espiritual.
Algumas pessoas poderiam definir essas atitudes como fanatismo. Nossa doutrina por sua condição cabalística não induz seus participantes a esse tipo de atitude. Nossos mestres tem a perfeita consciência da vida fora da matéria. Da necessidade da libertação de seus irmãos e aqueles que um dia foram atingidos por suas ações maléficas. Tem uma visão clara do processo da cura desobsessiva, sabem que o tempo em sua ação dinâmica e continua não espera e nos planos espirituais, os Mentores procuram os meios para que a ação do carma possa ser cumprida.
É necessário uma mediunização intensa, uma perfeita integração dos planos físicos e espirituais e acreditar, acima de tudo que somos o que emitimos e falamos. Somos verdadeiramente Cavaleiros Verdes Especiais e Guias Missionárias que dispõe de um poder que foi confiado por Koatay 108.
Entender as normas da doutrina, suas leis, sua essência dá condição de não errar, de saber o que decrescência da força e as repercussões da quebra da hierarquia. Pai Seta Branca em sua penúltima mensagem em 1984 afirma categoricamente : “E eu exigirei de vós-outros a conduta doutrinária”. Quando Tia Neiva afirmou que nessa doutrina ninguém engana ninguém, ele viu Homens doutrinariamente integrados num sistema doutrinário de alto poder cabalístico e iniciático.
Uma das coisas mais perfeitas nessa doutrina é que não se segue homens , pois os mesmo podem falhar em suas ações. Mas seguimos Leis doutrinárias que nos permite caminhar ao lado dos dirigentes que as cumpre. Sem o cumprimento dessas leis, criadas e trazidas do mais alto poder do Supremo Reino Central, ficamos a falar sozinhos movidos por uma força humana cheia de falhas.
Um dos fatos mais interessante que prova a seriedade dos poderes que nos foi confiado está neste relato:
Certa feita Tia Neiva convidou seus Adjuntos para realizarem um desenvolvimento dos grandes iniciados. Cada Adjunto recebeu uma almofada vermelha com seu nome gravado. Foram realizadas várias reuniões com a presença de incorporações. Até que Tia Neiva resolveu acabar com esse trabalho. Passado algum tempo um Mestre chega até ela e lhe diz quer alguns Mestres continuavam a realizar o trabalho. Ela respondeu:
-Não se preocupe Meu Filho!
-Os Mentores não estão mais lá!
-O que lá existe é o restante da energia que lá foi manipulada!
O Iniciado. O Homem que consegue através de seu poder, de suas consagrações curar e emanar. Este homem não divide! Entrega-se e integra-se na Doutrina! É capaz de perdoar,compreender, e acima de tudo cumprir com seu juramento doutrinário.

Gilmar Ad Adelano
Postado por Templo Puemar do Amanhecer 



Jaguar

Imagem relacionada

Na foto da Porta do Sol, nos Andes da Bolívia, vemos a representação do Jaguar, que serviu de modelo para a que usamos no Vale do Amanhecer.
O Jaguar, assim chamado o médium do Amanhecer porque porta a força da Terra, é burilado, por seu trabalho na Lei do Auxílio, como uma pedra tosca que se transforma em fulgurante diamante, tornando-se uma espada viva e resplandecente a brilhar por todo o Universo, mestre da manipulação mediúnica, preparado para libertar da orbe terrestre um grande número de espíritos sofredores e para evoluir a Humanidade, preparando-a para a Nova Era.
Sempre atento, sempre alerta, o Jaguar é a força viva da Doutrina do Amanhecer, onde aprende a amar ao próximo como a si mesmo, respeitando a vida de cada um, sem julgamentos e sem preconceitos, na certeza de que aquele que cumpre suas obrigações com as pessoas que o cercam, que tem um comportamento harmonizado, dentro da conduta doutrinária, com amor em seu coração, se sentirá feliz e realizado.
Todavia, aquele que não assimila os ensinamentos, vivendo no mau-humor, inconformado e revoltado, mergulhado na inveja e no ciúme, emitindo baixas vibrações, incomodando todos com suas queixas e agressões, certamente não se realizará nesta Corrente, pois que Doutrina poderá existir nele?
Por isso temos que ter presente, em nossas mentes, que “muitos serão chamados, mas poucos os escolhidos”, pois nem todos que estão na Doutrina são Jaguares, nem todos os Jaguares estão na Doutrina.
Jaguares são cerca de trinta mil espíritos que vieram de Capela , em missão redentora, para a Terra. Aqui haviam sido formadas as civilizações Equitumans Tumuchys, por espíritos encarnados que eram verdadeiros deuses. Reencarnaram como Jaguares. Construíram cidades e monumentos, transmutaram metais e usaram uma espécie de pincel atômico com que esculpiam com perfeição os mais duros metais e as pedras, ao mesmo tempo que emanavam estes materiais com poderosa energia.
Mas foram decaindo e perdendo seus poderes, de tal forma assimilando o Mal e se afastando do Bem que chegaram a Esparta, onde a encruzilhada final se apresentou: ou a retomada de uma jornada evolutiva ou a destruição total e final daqueles espíritos. Alguns não tiveram mais oportunidade, e foram desintegrados. Mas a maioria começou sua recuperação, lenta e sofrida, através dos séculos e de muitas civilizações, retomando o caminho de volta às suas origens - Capela.
Quando em uma encarnação, sob a liderança de Oxalá , que recebeu o título de Jaguar por sua valentia e poder, um grupo desses espíritos já estava bem adiantado, formando as civilizações das Américas e do Egito, tendo florescido o progresso espiritual em Omeyocan e na Ásia e na África. Mais tarde, na era das grandes descobertas, aconteceria, na civilização Inca, no Peru, a última reunião de Jaguares com a presença física de Oxalá, então como Pai Seta Branca, liderando espíritos que hoje nos iluminam como Grandes Ministros de Deus - Janatã, Ypuena e outros.
Assim muitos evoluíram rapidamente, e passaram a ajudar seus irmãos nesta longa subida. Por último, já no Brasil Colônia, tivemos o fenômeno do Africanismo, com Pai João de Enoque e Pai Zé Pedro liderando a falange de espíritos de Jaguares que, junto com as Princesas e outros espíritos que vieram se purificar na escravidão, trabalham conosco, como Pretos Velhos, nos ajudando a percorrer nosso caminho de volta, por nossa dedicação na Lei do Auxílio.
Nossa trajetória cobre toda a História da Civilização, e aqui estamos, mais uma vez reunidos, na transição para a Nova Era.
Pelo livre arbítrio caímos, pelo livre arbítrio temos que nos erguer, caminhar e chegar ao nosso destino. Contamos com a imensa ajuda daqueles que já se libertaram da Terra, e no amor incondicional permanecem junto a nós, como Mentores Iluminados, nos guiando na difícil marcha.
Nossa união foi feita por Tia Neiva, nesta última etapa, trazendo até os Jaguares remanescentes a Luz da Doutrina, a Nova Estrada do Caminheiro, o Caminho de Jesus. Revivendo Cristo, Tia Neiva buscou colocar no coração ainda selvagem de cada um de nós a Chama da Vida, alimentando nosso espírito com amor, tolerância e humildade.
Portando as forças das 21 Estrelas, com seu desenvolvimento e conduta doutrinária, com poderes para manipular forças extra-etéricas, profundo conhecedor das leis universais, o Jaguar preparado é seguro de sua missão, sabe decidir o quê, como e quando fazer, e não precisa de exteriorizações e nem de se justificar a ninguém.
A Espiritualidade Maior sabe que não pode contar com seres perfeitos nem santos nesta missão em que estamos envolvidos. Todos nós, Jaguares, somos espíritos com jornadas milenares, e somos usados de acordo com a capacidade de cada um, pelo que de boas vibrações e ações podemos oferecer a nós próprios e aos nossos irmãos encarnados ou desencarnados. Nossos Mentores e nossos Guias sabem das nossas limitações, e não exigem nada que supere nossas condições de satisfazer às realizações dos trabalhos que nos forem confiados. Nós é que temos que nos esforçar para melhorar nossa conduta doutrinária, nossos conhecimentos e nosso padrão vibratório, buscando o amor, a tolerância e a humildade em tudo que fizermos, pensarmos e falarmos.
Vamos aprender a tirar lições proveitosas de nossas dificuldades, dos fracassos e das desilusões. Tudo isso só nos faz crescer, em experiência e sabedoria, pois são testes e provações do nosso aprendizado, servindo para nosso aprimoramento e também para que possamos nos corrigir dos erros que persistem em nós.
Nesse desenvolvimento permanente do nosso espírito, erramos sem saber, por um desconhecimento que permaneceu em nosso íntimo, até que chega o momento de enfrentar uma situação de esclarecimento. Prosseguimos, então, sem culpa nem remorso pelo que fizemos, aprendendo com nossos erros e sempre buscando melhorar. Lembre-se, sempre, de que nossa vida é permanente aperfeiçoamento na Escola de Jesus.
Junto aos espíritos dos Jaguares, muitos vieram, de outras origens, porém participando dessa Luz, desses ensinamentos, e, embora não sejam Jaguares em espírito, se tornaram Jaguares pela força de seu amor e pela dedicação às suas missões.
De acordo com seu merecimento e pela grandeza de suas ações, Jaguares ou não receberão suas recompensas da Espiritualidade Maior, na força do Amor Universal de Deus Pai Todo Poderoso!


Imagem relacionada

“Dias luminosos, de grandes acontecimentos e manifestações, estão se aproximando de nós, a velha tribo Espartana.
Conservando a nossa individualidade, vamos, unidos em um só pensamento, por este Universo tão perfeito, impregnando o amor, a fé e a humildade de espírito em todos os instantes.
Somos Magos do Evangelho e, como espadas luminosas, vamos transformando e ensinando, com nossa força e conhecimento, àqueles que necessitam de esclarecimento.
É somente pela força do Jaguar, nesta Doutrina do Amanhecer, e na dedicação constante de nossas vidas por amor que podemos manipular as energias e transformar o ódio, a calúnia e a inveja em amor e humildade nos corações doentes de espíritos que permanecem no erro.
Quantos se perdem por falta de conhecimento e por não terem a sua Lei.
Nós temos a nossa Lei, que é o Amor e o Espírito da Verdade. Vamos amar e, na simplicidade de nosso coração, distribuir tudo o que recebemos, na Lei do Auxílio, aos nossos semelhantes.
Somente a vontade de Deus nos tem permitido afirmações tão claras nesta passagem para o Terceiro Milênio.
Somos a força do Sol e da Lua; somos um povo esclarecido e temos, em nosso íntimo, o Amor e o Espírito da Verdade.
Temos o poder em nossas mãos e assumimos o compromisso de fazer de nossa missão o nosso sacerdócio, pleno de amor - o pão que alimenta nossos espíritos e nos dá a vida é a força doutrinária.
Temos o poder mas, para sermos úteis e eficientes, é preciso que tenhamos equilibrada e firme a nossa mente e cultivemos a humildade.
Vamos levar mais a sério o nosso compromisso e busquemos sempre, em nossas origens e em nossas heranças, a energia e a segurança, para que possamos seguir com perfeição a trajetória que escolhemos quando assumimos vir a este Planeta para redimir as nossas culpas e débitos contraídos em outras encarnações.(...)
O Homem equilibrado é a Presença Divina na Terra, realizando, com sua mente sábia, uma constante conjunção de dois planos, levando sua vida na simplicidade e disponibilidade, a iluminar com seu trabalho espiritual constante. (...)
Com nosso trabalho espiritual podemos nos evoluir e dar tudo de nós.
É curando as dores de nossos irmãos que curamos as nossas dores e sofrimentos.”
(Tia Neiva, Carta Aberta n. 7, 9.4.78)

“Aqui temos a demonstração do verdadeiro significado da mente sobre o extra-sensorial.
Governamos a mente e as emoções, alteramos, revolucionamos e modificamos as chamas vitais.
Sim, filho, já nos desenvolvemos através das sete Raízes.
Tudo isto parece muito distante de teu alcance. A realidade é o Jaguar, que está trazendo para mais perto a visão de um quadro total. O Jaguar, o Homem que foi individualizado em dezenove encarnações.”
(Tia Neiva, 21.11.81)

"Meu filho, essa é a hora precisa, a hora do Jaguar, missionário para o esclarecimento e a iluminação nesta passagem de Era.
O mundo inteiro se volta para nós, angustiado e sofrido, buscando força, luz e esclarecimento, e, na obscuridade de suas vidas, os homens procuram clarear suas mentes e aliviar suas dores.
É preciso, filho, que a cada instante estejamos equilibrados e possamos dar tudo de nós aos nossos semelhantes que, aflitos, nos procuram, buscando a tranqüilidade e a paz, a cura espiritual e material, e o reconforto de seus espíritos.
Sei, filho, que você tem percorrido caminhos difíceis e que dores e angústias dilaceram sua alma. Esteja tranqüilo, pois estou sempre com você e pedindo, em meus trabalhos, a Jesus que alivie seus sofrimentos e que você se realize, sinta as alegrias espirituais e possua, em seu íntimo, a verdadeira paz!
Vamos, filho, esquecer as nossas dores, e voltar nossa atenção para nossos irmãos que sofrem mais do que nós. Só assim poderemos saldar todos os nossos débitos e aliviar nossos momentos cármicos.
Busque, em suas heranças, as forças e as energias necessárias para o cumprimento perfeito de sua tarefa nesta jornada.
Que Jesus esteja sempre iluminando sua mente e seu coração para que, em todas as horas, possa ser o medianeiro, curador nesta Era tão cheia de angústias e depressões.
Vamos iluminar, deixando que a Luz do nosso Sol Interior se expanda, ajudando a todos os que de nós se aproximarem.
Jesus e Pai Seta Branca o abençoem e protejam!"
(Tia Neiva, 11.12.81)

"Meu filho, a nossa vida na Terra é cheia de sofrimentos e dificuldades, e somente pelo amor e pela tolerância é que podemos aliviar nossos momentos cármicos e de evolução.
Tranqüilize-se, pois estou realizando trabalhos em seu benefício, para que sua vida seja mais tranqüila e possua, em seu íntimo, as alegrias espirituais.
Jesus e Pai Seta Branca o protegem e estão sempre com você, dando-lhe as forças necessárias para que possa levar, com otimismo, todos os seus momentos difíceis e seja, assim, mais feliz.
Não se perturbe nem se deixe levar pelo desânimo, pois todas as nossas dores e sofrimentos são passageiros e, em seguida, vem a nós a suavidade da Paz, tão necessária ao nosso espírito já cansado de tantas lutas e dias sofridos!
Procure ter muita paciência e, sobretudo, muito amor, pois somente assim poderá alcançar a segurança, o equilíbrio e a tranqüilidade em sua vida. É somente pelo amor que vencemos as batalhas que travamos, às vezes conosco mesmo.
Lembre-se sempre que seu vizinho, seu semelhante, é sua grande oportunidade de evolução.
Saiba colher estes ensinamentos e os cultive com amor, para que tenha a verdadeira Paz e tranqüilidade espiritual!
Jesus esteja sempre em sua mente e em seu coração." 
(Tia Neiva, 2.2.82)
"Por que foi escolhido o Jaguar, o Espírito Espartano, o Cavaleiro Verde, o Cavaleiro Especial?
Porque vem de um processo penoso, por sua mente científica, evoluindo na luta através dos séculos, neste mesmo solo...
Hoje, sua percepção lhe afirma, filho, que os tempos chegaram e não há mais como desperdiçá-lo com polêmicas.
Vocês têm a sensibilidade do Homem Iniciado, que descansa apesar da grandeza da luta, e é acariciado pela grandiosidade da energia trazida pelo prana, para retirar seu psiquismo particular e responder às perguntas que surgem do fundo de seu coração.
Esse Homem é fácil de encontrar. É grosseiro e sagaz, sim, porque vem das Cordilheiras e da Península Espartana, porém, não suporta ver alguém sofrer, sai, aflito, a socorrer todos... É amável, requintadamente afetuoso, sensível às dificuldades de povos. Sempre estende sua mão forte e corajosa para a missão maior, e seu amor é espontâneo. Caminha sem superstições e sem falsos preconceitos.
Quando é um Jaguar, ama verdadeiramente a Doutrina e a faz seu sacerdócio; acredita na vida e sabe se promover. É boêmio e sua mente é limpa de qualquer crença que não seja autêntica consigo mesmo...
Sabe que a última grande iniciação da humanidade ocorreu pela aparente espontaneidade, unificando e aproximando o Homem de sua individualização e que, por todo o universo, o Homem  está sendo sacudido no fundo de seu ser, de maneira autêntica e poderosa."
(Tia Neiva – Anotações Diversas, s/d)

Postado por Templo Puemar do Amanhecer

Resultado de imagem para o jaguar koatay 108

Jaguar Koatay 108

"O Jaguar Koatay 108 é força mercenária, tem amplos poderes para assumir a presidência de um Templo, desde que seja assistido por um Adjunto, ou melhor, na conduta doutrinária do seu Ministro Adjunto.
O Jaguar Koatay 108, em sua individualidade, é uma força giradora e, em sua procedência, é uma força geradora. Deve atuar na linha doutrinária. Não tem Ministro.
Porém, em vez, por Deus, receberá, em sua consagração, um Cavaleiro da Legião do Divino Mestre Lázaro.
Não é ligado a nenhum Adjunto. No entanto, deve se sentir na obrigação de atendê-lo, mirando as suas conveniências. Sim, porque nesta Doutrina tudo se faz por amor!
Sua hierarquia vem do Trino Triada.
Um Sétimo Raio Adjuração e um Jaguar Koatay 108 têm forças diferentes. Nem mais, nem menos. São atribuições diferentes.
Um Jaguar Koatay 108 tem padrinho e uma madrinha. Terá seis Sextos Raios Adjuração somente se se colocar em um Adjunto. Então ele poderá partir com seus Sextos Raios. Nesta condição ele terá oportunidade de se desenvolver, também, com as atribuições dos Sétimos Raios Adjuração, como Jaguar Koatay 108 Randyê Adjuração.
Partirá com -0- em Cristo Jesus.
Este mestre deve constar das escalas porque, sendo hierarquia do Trino e sendo preparado para um eventual Templo, deve também ser instruído pelos Mestres Trinos.
Vamos trabalhar para que todos os Adjuntos possam ter um Jaguar Koatay 108.
Apenas este Cavaleiro Koatay 108 poderá partir com -X- se estiver em favor de um Adjunto, com -0-0= (= quer dizer “em favor”)” 

(Tia Neiva, 18.4.80)
“Qualquer atitude do homem na faixa vibratória de evolução é válida, porque estamos em um mundo onde se confundem as sombras e as claridades.
Todos os males da vida concorrem para o nosso aperfeiçoamento, sob o efeito de todos esses ensinamentos e, pela dor, pela prova e pela humilhação, desprendemo-nos, lentamente, para a vida eterna.
Vivemos no meio de uma multidão invisível, que assiste, silenciosamente, a lógica desta nossa Doutrina, nos dando segurança e nos facilitando a conduta de um mundo para outro
Filho, quando o Homem aprender a trabalhar harmoniosamente deixará de enganar a si mesmo, sentindo-se injustiçado ou aguardando a compaixão sem justiça.
Sim, porque é na vida mesmo que se deve procurar os mistérios da morte.
A salvação ou a reparação começa aqui. O seu céu ou o seu mundo inferior estão aqui.
A virtude é compensada. Não faça desta vida o infernal templo dos teus anseios.
Filho, as células do nosso corpo agem, sempre, de acordo com os impulsos nervosos emitidos do cérebro.
Há um exército de auxiliares medianeiros entre nós e Deus, procurando velar por nós, embora conheçam o nosso livre arbítrio.” 

(Tia Neiva, 18.2.82).

Fonte: Tumarã
Postado por 
Templo Puemar do Amanhecer


Nova Estrada

A Nova Estrada é a Doutrina de Jesus, que nos trouxe o Sistema Crístico, com precisa manipulação das energias, sem fanatismo, em benefício de nossos irmãos encarnados e desencarnados, dentro da Lei do Auxílio, apresentando Deus clemente e misericordioso, trazendo a esperança aos humildes e aos oprimidos, numa vibração imensurável do Amor Incondicional.
A Doutrina do Amanhecer nos ensina a técnica e a filosofia para enfrentarmos as situações que toda a Humanidade sofre na transição para o Terceiro Milênio, quando temos que reconstruir tudo o que foi destruído por nossas próprias mãos.
No cumprimento de nossa missão, devemos seguir a Nova Estrada do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, com amor, tolerância e humildade, obedecendo à conduta doutrinária e procurando atender, sempre que possível, às necessidades de nossos plexos, especialmente às ansiedades de nossas almas.
A Velha Estrada, sob a Lei Mosaica do “olho por olho, dente por dente”, ainda é aplicada por muitas correntes e até mesmo por legiões espirituais, e compreende fanatismo religioso, violências e matanças sob pretextos de purificações e liberações religiosas, profecias, dogmas e oferendas.
Com o Sermão da Montanha,   Jesus deu ao Homem o balizamento da Nova Estrada, não modificando as Leis, mas introduzindo o fator AMOR, que dá uma nova dimensão ao relacionamento da Humanidade com o Universo.

“Explica-se a diferença entre a Velha Estrada e o Novo Caminho.
A Velha Estrada é cheia de medo, de temor a Deus. A Velha Estrada foi palmilhada por milhares de pessoas, milhares de teorias sempre escritas e nunca praticadas.
O Novo Caminho, entretanto, foi traçado pelo suor, pela própria energia de quem o traçou e vive a emitir com tanto amor.
Vamos sentir o Caminho do Amanhecer, sem superstições nem teorias dos pensadores, e sim pela vivência, na prática, na execução desta Doutrina e de seus fenômenos sensoriais. Vamos senti-lo no respeito à dor alheia, no carinho aos humildes, no afeto das ninfas, no progresso e na compreensão de nossa família.
ESTE É O CAMINHO TRAÇADO PARA O HOMEM NA DOUTRINA DO AMANHECER!”
(Tia Neiva – “O Amanhecer das Princesas na Cacheira do Jaguar”)

Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do Amanhecer



Imagem relacionada
Amor
O amor, juntamente com a tolerância e a humildade formam os três reinos de nossa natureza. De origem divina, são as ações, e não apenas as palavras, que traduzem esse sentimento grandioso, fazendo com que o Homem eleve suas vibrações e consiga caminhar para o resgate de seus atos transcendentais.
Viver e sofrer, ajudar e compartilhar, alegrar-se com a felicidade dos outros, perdoar e saber pedir perdão, dinamizar o amor no serviço aos necessitados, pela caridade, na Lei do Auxílio, enfim, viver com toda a intensidade a vida nas vidas - são algumas das funções do amor.
Segundo Tia Neiva, o amor corresponde a três fases:
AMOR ESPIRITUAL - o que o Homem traz impregnado em seu espírito, através das várias encarnações, aprimorando-se;
AMOR CONDICIONAL - o sentimento equilibrado por um débito transcendental, amor por nossas vítimas do passado e que hoje estão ao nosso redor, como cônjuge, pais ou filhos, familiares, enfim, espíritos encarnados para os reajustes cármicos; e
AMOR INCONDICIONAL - Com tolerância , sem demagogia, sem resignação, dando ao espírito plenas condições de lutar contra o sofrimento e contra as Trevas, usando toda a sua sabedoria e as suas forças dentro da Lei Crística - a Lei do Auxílio.
O amor transforma o ódio em alegria. Não é uma simples emoção provocada por um impulso. É um sentimento que deve ser direcionado, corretamente, pela força de vontade e pela consciência. O amor é que nos permite compartilhar a alegria, a esperança e a felicidade. Devemos fazer da vida um ato de amor! Tudo o que fazemos com amor faz com que recebamos, dos elevados planos espirituais, um raio de Luz.
Aceitar as pessoas, mesmo quando elas nos desapontam, quando se desviam do ideal que temos para elas, quando nos ferem com palavras ásperas ou ações impensadas - isso é amor!
Devemos ouvir, não só pelos ouvidos, mas com nossa alma e nosso coração, as queixas e angústias, descobrindo entre as palavras corriqueiras e superficiais, a tristeza da insegurança e da solidão. Entender o coração dolorido que encobre seu sofrimento pela exteriorização da alegria simulada, do sorriso fingido ou das façanhas inexistentes - isso é amor!
O amor sabe também perdoar, apagando as mágoas, as cicatrizes que a incompreensão e a insensibilidade gravam no coração ferido, extinguindo todos os traços de dor.
O amor descobre os segredos e o valor da vida, mesmo os que estão relegados pela rejeição, pela falta de carinho, de compreensão e de aceitação, pelo cansaço das duras experiências vividas em acidentadas jornadas, pelo próprio nível espiritual e por seus débitos transcendentais.
Quem ama, aprende a se sobrepor à sua própria dor, a seus interesses, ao seu orgulho e a suas ambições quando isso é necessário ao bem estar e à felicidade de alguém. Vive dentro da conduta doutrinária, sem mentiras e sem camuflar sentimentos, em vivência autêntica, cristalina e harmonizada.
O amor elimina o exercício do poder entre os casais, desaparecendo a opressão e estabelecendo a perfeita harmonia de idéias, de compreensão e de ação. Quando não se consegue este clima, surge o sofrimento e o baixo padrão vital.
Vive o Homem uma era de Ciência e Tecnologia avançadas, esquecido de que já viveu momentos iguais em outras vidas, em outras eras, que se perderam pela falta do amor. O amor não pode ser superado pelos avanços do conhecimento e da técnica e, ao contrário, tem que estar presente nas realizações do Homem, para que este se sinta realmente realizado. Sem amor, um lar ou uma fábrica, uma família ou uma universidade, perde sua luz, sua razão de existir, e, pela força da rotina e da insatisfação, vai-se acabando.
As vibrações de amor são portadoras das forças divinas, da energia que supera todas as outras, curando, ajudando, libertando. Manifestando-se nos atos carinhosos, na harmonia e no entendimento, na bondade e na compaixão, essas vibrações evoluem o ser humano em seu caminho para Deus.
Em Mateus (XXII, 34 a 40), nos é dito: “Mas os fariseus, quando ouviram que Jesus tinha feito calar a boca aos saduceus, se reuniram em conselho. E um deles, que era doutor da lei, tentando-o, lhe perguntou: Mestre, qual é o grande mandamento da Lei? Disse-lhe Jesus: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o máximo e o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas!”
Assim, mostrou Jesus a importância do amor a si mesmo. Não o egoísmo, que só quer receber, só quer sua satisfação, mas sim o amor, que é dádiva, é doação. Quem não ama a si mesmo não tem condições de amar os outros.
Na 1a. Epístola aos Coríntios (XIII, 1 a 7 e 13), conforme algumas traduções, Paulo escreveu: “Se eu falar todas as línguas dos homens e dos anjos, e não tiver amor, sou como o metal que soa ou como o sino que tine. E se eu tiver o dom de profecia e conhecer todos os mistérios e o quanto se pode saber, e se tiver toda a fé, até o ponto de transportar montes, e não tiver amor, não sou nada! E se eu distribuir todos os meus bens em o sustento dos pobres, e se entregar o meu corpo para ser queimado, se todavia, não tiver amor, nada disso me aproveita. O amor é paciente, é benigno; o amor não é invejoso, não obra temerária nem precipitadamente, não se ensoberbece. Não é ambicioso, não busca seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal. Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo tolera, tudo crê, tudo espera, tudo sofre... Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estas três virtudes; porém, a maior delas é o amor!”. Esse trecho de Paulo, na maioria das traduções, aparece como “a caridade”, em lugar de “o amor”. Todavia, como a caridade é o amor em ação, fica válida a citação.
O amor de nossos corações nos permite receber, em toda a plenitude, a ajuda espiritual para os nossos trabalhos com nossos irmãos encarnados e desencarnados.
O amor é a energia de cura em sua maior potencialização e poderosa arma para a transformação de tudo o que estiver ao nosso alcance.
Geralmente estamos incapacitados para amar a nós mesmos e isso gera emoções  ligadas a falsas percepções de humilhação, rejeição e abandono que nos levam a estados de enfermidades, a ansiedades, alienações e solidão.
O amor é união, é relacionamento com alguém, com algum lugar, com algum objeto, e, na sua forma incondicional, se relaciona com o Eu , com o Universo e com o próprio Deus!
Por estudos realizados pela Sociedade Americana de Fisiologia, em 2005, os cientistas concluíram que as sensações intensas relacionadas com o amor se alojam no centro do cérebro, conforme ilustração ao lado, região responsável pelo sistema de recompensa cerebral.
Tia Neiva dizia que feliz era quem tem um amor sincero, alguém ligado ao seu coração e ao seu espírito, porque até mesmo os espíritos negativos respeitam os eflúvios de amor que cercam uma pessoa, seja esse amor de uma mãe, de um irmão ou de um companheiro.
Até mesmo nossos reencontros com espíritos encarnados ou desencarnados devem ser guiados pelas emissões de amor, atendendo ao que nos ensinou Ezequiel (XVIII, 23): “Não quero a morte do ímpio, mas sim que o ímpio se converta e se salve”! e esta conversão só se faz pela vibração positiva do amor.

Resultado de imagem para amor incondicional
Segundo Annie Besant, o amor pode ser direcionado em diversos níveis:
dirigido aos que estão abaixo de nós, é piedade, compaixão ou benevolência;
dirigido aos que estão no nosso nível, é amizade, paixão ou afeto; e
dirigido aos que estão acima de nós, é reverência, adoração ou devoção.
Nos ensinou o Dalai Lama que, "se existe amor, há também esperança de existirem verdadeiras famílias, verdadeira fraternidade, verdadeira igualdade e verdadeira paz. Se não há mais amor dentro de você, se você continua a ver os outros como inimigos, não importa o conhecimento ou o nível de instrução que você tenha, não importa o progresso material que alcance, só haverá sofrimento e confusão no cômputo final. O Homem vai continuar enganando e subjugando outros Homens, mas insultar ou maltratar os outros é algo sem propósito. O fundamento de toda prática espiritual é o amor. Que vocês o pratiquem bem!".
Da autoria de Múcio Teixeira: "Sob leis de Luz ou Treva / Na vida, seja onde for, / O espírito só se eleva / Se vive na Lei do Amor!"
Madre Teresa da Calcutá, espírito luminoso que trouxe um exemplo de vida dedicada à Lei do Auxílio, ensinou: "Distribua amor onde for e em sua própria casa! Ame seus filhos, sua mulher ou seu marido, o vizinho do lado... Que ninguém se aproxime de você sem que se sinta melhor e mais feliz ao se afastar. Seja a expressão da bondade divina: bondade na sua face, em seus olhos, no seu sorriso, bondade na sua saudação calorosa..."

“A cada dia nossas responsabilidades estão aumentando e, por isso, é preciso ficarmos cientes da vida fora da matéria. É muito fácil o espírito dela se compenetrar, porém não é fácil se adaptar!
Nos mundos espirituais ou mundos fora da matéria, a vida se compõe de positivo e negativo, isto é, homem e mulher. O espírito do homem continua homem e o espírito da mulher continua mulher.
Apesar de ser afirmado por alguns iniciados que o espírito não tem sexo, os meus olhos dizem o contrário.
A adaptação do Homem na vida fora da matéria é difícil porque sente muita saudade de suas coisas e dos seus entes queridos, nas suas concepções másculas de Homem terreno, isto mesmo com o amor dos puros (força de expressão).
Os espíritos libertos vivem em suas dimensões e se amam... Se amam com a ternura dos anjos!” 
(Tia Neiva, 26.6.65)
“Nossa alma está cheia de AMOR! Só falta saber empregá-lo e pensar que o Mal progride pela falta de seu emprego na progressiva condensação, no governo das Leis. Essa nebulosa que nos protege, no momento em que faz sua rotação, aumenta milhões de vezes a força centrífuga, com recurso até na Lei do Auxílio. (...) Tenha na mente que quando sintonizamos no desejo de servir com amor, servimos sempre, temos algo para oferecer.” 
(Tia Neiva, 4.10.77)
“Cultivai em seu coração o amor, a alegria e o entusiasmo para que, em todas as horas, esteja pronto a emanar e a servir na Lei do Auxílio!” 
(Tia Neiva - Carta Aberta n. 6, de 9.4.78)
“Dias luminosos, de grandes acontecimentos e manifestações, estão se aproximando. E nós, a velha Tribo Espartana, conservando a nossa individualidade, vamos, unidos em um só pensamento, por este Universo tão perfeito, impregnando o amor, a fé e a humildade de espírito, em todos os instantes.
Somos Magos do Evangelho e, como espadas luminosas, vamos transformando e ensinando, com nossa força e conhecimentos, àqueles que necessitam de esclarecimento.
E somente pela força do Jaguar, nesta Doutrina do Amanhecer, e na dedicação constante de nossas vidas pelo amor é que podemos manipular as energias e transformar o ódio, a calúnia e a inveja em amor e humildade nos corações que, doentes de espírito, permanecem no erro. Quantos se perdem por falta de conhecimento e por não terem a sua Lei.
Nós temos a nossa Lei, que é o AMOR e o ESPÍRITO DA VERDADE! Vamos amar e, na simplicidade de nosso coração, distribuir tudo o que recebemos, na Lei do Auxílio, aos nossos semelhantes... (...) Meu filho, vamos elevar a nossa mente a Jesus, e que nossas vibrações cheguem constantes ao Oráculo de Simiromba, emitindo e irradiando AMOR!” 
(Tia Neiva - Carta Aberta n. 7, de 9.4.78)
“Por que tantas divergências, se tudo já está escrito? Se sabemos que só o AMOR nos dá força e equilíbrio? Amando, minha alma irá longe, muito além do infinito, sem véu, sem grinalda, sem tempo, longe dos mundos aflitos! Viajei, muito viajei, para aos meus amores voltar...
Caminhando, sempre caminhando, novas ilusões, novos destinos. Porém, tudo, sem criar, aumentei com amor... Por fim, um lindo rosário de salmos foi tudo o que formei. Os meus amores voltaram, ao meu caminho retornei!” 
(Tia Neiva, 25.6.78)
“Escrevemos a morte conforme a vida. Escrevemos a morte e a dor quando não temos amor. Olhei para o céu e vi imensas estrelas. As portas estavam fechadas, eu já estava deitada. Dormi. Porque antes pensava na vida com medo da morte, hoje penso na morte com medo da vida. O amor é o alimento do corpo. A tolerância é o alimento do amor. O Homem precisa do amor para viver, o amor precisa de tolerância para crescer...” 
(Tia Neiva, 18.10.78)
“Observas bem o que fazer do tempo, do teu tempo, do teu sacerdócio, de tua missão, e nele procura impregnar todo o teu AMOR, o que puderes da perfeição de tua conduta, emitindo e comunicando a Doutrina que te foi confiada, para não perderes qualquer afeto na fronteira da Morte!” 
(Tia Neiva, 12.12.78)
Tudo pode ser realizado no domínio psíquico pelo AMOR, na ação da vontade, na Lei do Auxílio - princípio superior de todas as coisas! A potência da vontade de quem busca, honestamente, servir aos seus irmãos, não tem limites. E quando dormimos, cansados, pensando, pensando com amor em servir a alguém, nós nos transportamos e saímos pelos Planos Espirituais, em seu socorro...” (Humarram, jun/79)
“Somos uma máquina a sermos burilados pelos nossos próprios destinos. Somente o AMOR nos guia e nos testa a todos os instantes de nossas vidas cármicas. (...) Quando temos a missão de enxugar as lágrimas dos outros, não temos tempo para enxugar as nossas!...” 
(Tia Neiva, 24.5.80)
“Quando amamos com ternura, vemos o ente amado em tudo que encontramos, porque o amor nos dá luz, nos dá calor. Sinta se impregnar em ti o amor incondicional, e verás que todos são teus irmãos... O amor se reproduz dentro de nós e nos produz uma vida na vida, junto à vida que já temos. O amor é a verdadeira sintonia em Deus!”
 (Tia Neiva, 12.11.80)
“O amor é sentimento a dois... O amor da renúncia é solidão!...” 
(Tia Neiva, 9.3.81)
É fácil destruir o que amamos! No entanto, nunca temos forças para nos livrar de quem não gostamos. Somos limitados pela matéria. Somente o espírito ou a alma não tem limites. (...) A nossa resistência está no AMOR, no amor incondicional, que nos dá a visão das coisas, dos valores que formam o nosso Sol Interior: Tolerância, Humildade e Amor!...” 
(Tia Neiva, 12.11.81)
“Meus mestres e meus filhos que vão assumir essa nobre responsabilidade: espero de vocês o amor nas maneiras, na Lei, nas ordens e na execução de suas tarefas.
Espero que se recordem sempre de mim quando estiverem impacientes em suas atribuições, com as falhas dos outros.
Lembrem-se, sempre, de que entre ele e você, estarei eu. Lembrem-se das palavras que digo a vocês quando não estão certos, quando têm algum erro na Doutrina: MUITO AMOR! Meus filhos, com o amor conseguimos o discípulo amigo, humano, evangélico. Esqueçam, sempre que vocês são a Lei e que a Lei existe. Vocês são a palavra, a minha palavra, com -0- em Cristo Jesus!” 
(Tia Neiva, 5.2.83)
Na religião e no amor unirás todas as pérolas, e com elas enfeitarás o caminho onde, um dia, caminharás junto a quem tanto suspiras!” 
(Pai Seta Branca, 30.12.78)

Humildade
Uma das bem-aventuranças proclamadas por Jesus no Sermão da Montanha diz: “Bem aventurados os mansos, porque herdarão a Terra!” Ser manso é ser humilde. A humildade é uma virtude do Homem que aprende a se dominar, aplacando seus sentimentos quase inconscientes de orgulho e soberba, reconhecendo seus limites ante a dignidade do próximo e sua limitação ante a grandeza de Deus.
Um dos alicerces da condição do Jaguar, junta-se à justiça e à verdade para formar o caráter do médium que pretenda cumprir fielmente seus compromissos com a Espiritualidade Maior.



Imagem relacionada


Tolerância
Tolerância - também chamada paciência - é saber aceitar, de forma passiva, ações ou comportamentos com os quais não se concorda ou até mesmo se reprovam, sendo, assim, uma concordância do mal real ou suposto, em respeito à liberdade e ao livre arbítrio, desde que não envolva ofensas ou crueldades.
Quando sabemos o que tem que ser feito, a forma positiva de agir, o modo correto de conduzir uma ação e, por amor, evitamos um choque que poderia ser nocivo a quem está agindo mal, estamos sendo tolerantes. Sem tolerância, a vida se transforma em angustiosa luta, cheia de desespero, de sofrimentos e infelicidade. A harmonia com a tolerância nos dá uma projeção de paz e luz em nossa mente.
Não somos donos da verdade, mas temos muito conhecimento do Universo e das leis que nos regem. Portanto, devemos aprender a usar a tolerância com os nossos irmãos encarnados e desencarnados, para evitar posições agressivas ou de crítica, a fim de que possamos praticar a Lei do Auxílio não só no sentido do nosso merecimento, mas, principalmente, para nos ajudar a evoluir. Um momento de impaciência pode desencadear anos de aflições e sofrimentos.
Temos, no nosso planeta, irmãos que reencarnaram pelos erros e teimosias, pela crueldade e violência, pelo total desrespeito às Leis Divinas, tristes quadros que envolvem dolorosas lutas espirituais, junto aos quais temos que levar avante nossa missão, armados com nosso amor, com nossos conhecimentos doutrinários e com nossa tolerância.
No Sermão da Montanha (Mateus, V, 39 a 41), Jesus dá o exemplo da paciência: “Não resistais ao malvado; pelo contrário, se alguém de ferir na tua face direita, oferece-lhe também a outra. E ao que tenciona citar-te em juízo e tirar-te a tua túnica, deixa-lhe, também, a sua capa. E se alguém te obrigar a ir mil passos, anda com ele ainda mais dois mil.”
Esta é a base da tolerância. Quando assumimos uma ação de vigiar ou controlar outra pessoa, para evitar maus comportamentos ou vícios como bebida e drogas, nos arriscamos a afundar cada vez mais aquela pessoa no abismo que pretendemos evitar se não tivermos amor e tolerância.
Geralmente é uma atitude difícil, pois, nascida da conscientização do “eu”, torna-se um sofrimento silencioso e normalmente mal compreendido pelos outros, porque é muito pessoal o que uma pessoa tem condições de aceitar ou tolerar.
A tolerância não deve ser uma atitude dominante da personalidade, mas sim usada no momento certo, com a pessoa certa. Em casos de necessidade, para manter a paz no nosso interior e ao nosso redor, a tolerância é a melhor postura para questões morais e religiosas, não significando isso que devemos ignorá-las, mas, sim, controlar nossas ações e reações, nossas palavras e pensamentos, para não criar conflitos e, dessa forma, afastar aqueles a quem queremos ajudar.
Quando nos envolvemos com outras pessoas querendo atenuar uma dor ou um sofrimento, devemos aprender, com a tolerância, a impor limites para esse envolvimento, pois, se não o fizermos, corremos o risco de sofrer mais que elas ou aumentar sua dor.

Essa tolerância é fundamental nas ligações afetivas, na vida a dois, quando o ajustamento de duas pessoas é feito de modo desgastante, na jornada de compartilhar acontecimentos e atos cotidianos na vida do casal. Quando desejamos consertar pontos negativos que vemos em outra pessoa, temos que agir com amor e tolerância para que ela entenda sinceramente o que pretendemos e que estamos tentando modificá-la porque nos importamos com ela.
Na verdade, a tolerância é baseada no conceito de que se não podemos modificar uma pessoa, temos que nos modificar a nós mesmos. Mas isso só funciona na direção positiva, quando fazemos um bom exame de consciência e verificamos que a nossa falta de paciência corre por conta de nosso egoísmo  ou de nossa sombra, e que nada há para ser mudado em outra pessoa, devendo esta ser aceita como é.
Quando nos empenhamos em ajudar alguém que vemos trilhando caminhos perigosos ou dolorosos, principalmente se é uma pessoa muito próxima de nós, temos que buscar o fortalecimento de nossa sensibilidade com pequeno desligamento do problema, para que não fiquemos mergulhados totalmente no caso, o que gera desgastes psicossomáticos e energéticos.
Isso faz com que possamos nos fortalecer e diminuir nossa ansiedade. Face às agressões dessa pessoa, não reaja, e, sim, apenas se proteja intimamente para não sofrer os golpes em profundidade. Devemo-nos lembrar de que temos que estabelecer limites, com base no amor e na caridade, para tudo o que fazemos. E isso inclui a tolerância.
Se verificamos que estamos mais preocupados em modificar as atitudes de uma pessoa do que ela mesma, devemos repensar nossos atos e analisar friamente a situação. A tolerância é para todos os momentos, exigindo grande sacrifício, sincero, profundo e verdadeiro, um ato de amor que busca criação de equilibrado padrão vibratório no nosso relacionamento, permitindo a aceitação do outro tal como ele é.
Devemos ter sempre em consideração, pelo nosso conhecimento doutrinário, que estamos nesta vida para evoluir, e esta evolução tem, como base, a tolerância para com os atos de nossos irmãos, encarnados e desencarnados, que são colocados em nossos caminhos para nos dar a oportunidade de demonstrarmos a elevação de nossos sentimentos.
“Escrevemos a morte conforme a vida. Escrevemos a morte e a dor quando não temos amor. Olhei para o céu e vi imensas estrelas. As portas estavam fechadas, eu já estava deitada. Dormi. Porque antes pensava na vida com medo da morte, hoje penso na morte com medo da vida. amor é o alimento do corpo. A tolerância é o alimento do amor. O Homem precisa do amor para viver, o amor precisa de tolerância para crescer...” 
Tia Neiva – 18/10

Postado por Templo Puemar do Amanhecer 


Padrão Vibratório

Imagem relacionada

Na Doutrina do Amanhecer manipulamos energias, aprendemos que, no Universo que nos rodeia, nós e tudo o mais somos apenas formas de energia, cada um sendo emissor de uma freqüência própria de vibrações.
Vivemos rodeados por correntes vibratórias, emitimos e recebemos vibrações, e para controlar tudo isso temos que ter o controle de nossa mente.
Mabel Collins, em seu livro “Luz no Caminho”, escreveu: 

“Em ti está a luz do mundo, a única que pode ser projetada sobre o caminho.
Se és incapaz de percebê-la dentro de ti, é inútil que a procures em outra parte. Esta luz está fora do teu alcance, porque, quando chegares a ela, já não te encontrarás a ti mesmo. Quando houveres encontrado o começo do caminho a estrela da tua alma deixará ver sua luz e, com sua claridade, perceberás como é grande a escuridão no meio da qual ela brilha. Mas, não deixes que o espanto e o temor te dominem; mantém teus olhos fixos na pequena luz, e ela irá crescendo!”

Esta luz é alimentada pelo nosso padrão vibratório – o somatório de nossos campos bioeletromagnéticos – que se projeta, por nossos chakras, ao mund
o exterior.
Na Natureza, onde a escala natural - mineral, vegetal e animal - apresenta, em cada nível, uma complexidade maior na formação de seus seres, os mais adiantados apresentam órgãos que vibram, cada um, independentemente do outro, mas compondo uma resultante que é a vibração daquele ser.
No Homem, uma mudança na freqüência de um órgão, da sua bioenergia, determina a doença. Por isso, seriam usadas as vibrações para corrigir e normalizar a freqüência vibratória desse órgão “doente”.
Pelos estudos modernos e científicos, tanto como acontece com vegetais e animais, as células do corpo humano selecionam e rejeitam certas vibrações, podendo, mesmo, por ação de uma vibração, alterar sua freqüência e o seu campo eletromagnético, gerando, caso seja uma vibração negativa, uma despolarização de graves conseqüências para o órgão que compõem.
Aquele que se dedica à Lei do Auxílio e busca dentro de si mesmo o conhecimento das leis universais e das frequências de energia que nos envolvem, tende a cumprir melhor a jornada de sua Vida e desvenda os mistérios da Morte. Sua mente se torna mais clara, suas decisões são mais firmes, suas ações e reações são mais seguras, suas dores são menos sofridas!
Melhoram sua convivência porque passam a vibrar o Bem e a receber boas vibrações. Já nos foi dito que podemos avaliar nossa posição neste nosso Universo, a cada momento, pelo balanço entre as vibrações positivas e negativas que nos atingem.
O padrão vibratório é o que determina o Bem ou o Mal do ser, porque emite sua condição real. Não adianta querer esconder ou enganar os outros, porque o padrão vibratório revela a verdadeira natureza do seu emissor, emitindo vibrações a partir de sua aura  e atingindo aqueles que estão perto, que podem detectar o nível das vibrações e os leva a reagirem ou a se protegerem.
É fundamental manter o padrão vibratório elevado para ficar imune às baixas vibrações. O de baixo não atinge o de cima, isto é, aquele que mantém o equilíbrio e elevadas as suas vibrações não é atingido pelas vibrações de padrão mais baixo.
A Ciência, desde 1967, desvendou a bioenergia, gerada pelos campos bioeletromagnéticos, e começou a medir a aura ou eletroaura, seu potencial e ação das correntes elétricas biológicas nos tecidos vivos. A medição demonstrou que os campos mais importantes são, pela ordem, o do cérebro, os dos joelhos e o do coração.
O campo do cérebro aumenta de volume com o simples pensamento de um movimento ou por causa de sonhos ditos ideomotores. Verificou-se que as vibrações que aparecem no eletroaurograma funcionam como um radar, sendo projetadas e gerando ecos, retornos, que as pessoas mais sensíveis conseguem captar e interpretar. Os cientistas estão estudando se este seria o mecanismo das transmissões telepáticas.
Nos anos 70, as pesquisas demonstraram que o gerador elétrico das diferenças de potencial é a pele, em que a face externa (mucosa) corresponde ao positivo e a interna (serosa) ao negativo, que tornam a pele um órgão perceptivo e reativo altamente sensível às condições vibracionais do ambiente.
A ação deste gerador elétrico cutâneo é feita através do transporte ativo de ions de sódio entre as células epiteliais, favorecido pela absorção do sal no Anoday.
Conscientes de que vivemos em um Universo vibracional, devemos ter o cuidado de evitar os geradores de baixa vibração, que existem nos três reinos da Natureza - mineral, vegetal e animal. Como qualquer ser é passível de se emanar com forças de qualquer polo, positivas ou negativas, corremos riscos não só com pessoas, mas com animais, plantas, objetos e até mesmo com nosso lar ou nosso local de trabalho material.
Uma emissão vibratória que nos atinge e faz com que baixemos nosso padrão, agrega em nós partículas de neutrom que se tornam negativas e formam atmosfera fluídica pesada ao nosso redor e nos afasta da sintonia com os planos superiores, nos dando a sensação de angústia e opressão.
Sabemos que é impossível o controle de tudo e, então, o melhor é nos protegermos, mantendo nosso padrão vibratório no máximo que conseguirmos, ficando, assim, imune às baixas vibrações.
Quando, num lar, existem brigas, desarmonia e até mesmo ódios, o ambiente se impregna de vibrações maléficas, que impregnam o ambiente, os objetos, plantas e animais, causando mal-estar a quem ali chega. Além disso, serve como atração para espíritos desencarnados que, pela afinidade, se instalam no local, aumentando a desarmonia, porque esta gera a energia de que se alimentam.
As plantas, sensíveis, demonstram seu baixo padrão pela falta de flores, de vitalidade; os animais se tornam excitados e violentos; as pessoas irritadas e enfermiças. Tudo fruto do padrão vibratório! E o pior é que isso pode ser inconscientemente passado à frente: um objeto daquele ambiente é dado a outra pessoa, em outro lugar, mas leva impregnações de baixo padrão que continuam a ser vibradas, causando o mal.
Por isso existem inúmeras histórias de objetos que dão azar, como, por exemplo, os aquários, e ao se adquirir ou receber objetos antigos, que já passaram por muitos ambientes e foram emanados por diferentes forças, deve-se ter o cuidado de fazer uma limpeza energética deles: lavá-los com água fluidificada e fazer uma prece, sempre que possível, tentando mudar aquele padrão vibratório.
A realidade é que vivemos num Universo onde tudo é vibração em diferentes padrões e temos que aprender a manter nosso padrão vibratório com relação ao mundo que nos rodeia, tanto no plano físico como no plano espiritual, pelo controle da energia mental . Nossa mente está imersa num oceano de vibrações que recebemos e emitimos continuadamente.
Na Doutrina do Amanhecer aprendemos o controle da mente, o controle de nosso padrão vibratório. Aprendemos, também, que o maior perigo está quando nos iludimos com a ideia de que alguém - encarnado ou desencarnado - está vibrando em nós com maldade, quando temos a consciência de que nós é que provocamos essa vibração ao julgarmos que ele está vibrando em nós. Mesmo que o fato exista, não devemos dar atenção pois, levados pelo julgamento, a nossa tendência é baixarmos nosso padrão, ficando vulneráveis às vibrações que nos foram endereçadas.
Nosso trabalho, na Corrente, é uma contínua projeção fluídica, uma emissão vibratória, que emitimos na horizontal e recebemos na vertical, em um canal por onde flui, dos planos superiores, energia na qualidade e na quantidade correspondentes ao nosso padrão vibratório. Este canal pode ser obstruído por nossos pensamentos negativos, que atraem vibrações baixas de nossas vidas passadas e ativam nosso centro coronário, provocando a queda de nosso padrão vibracional.
Quando mentalizamos um cobrador - encarnado ou desencarnado -, o impacto das vibrações atinge nosso plexo, causando angústia, e devemos, então, mentalizar nossos Mentores, pedindo que possamos receber forças positivas e que elas possam alcançar, também, aquele cobrador que foi mentalizado. A concentração e o amor neste pedido farão com que nosso equilíbrio seja refeito e restabelecido nosso canal de emissão e de recepção.
Quando nos deixamos envolver por uma vibração negativa, partículas de neutrom ficam carregadas negativamente, formando áreas densas em nossa aura, que podem ir se acumulando perigosamente e nos afastando da Espiritualidade Maior. Quanto mais aumentam essas áreas, mais negativos vamos ficando.
O maior cuidado para nos mantermos livres de vibrações negativas é devido ao fato de que quanto mais controle tivermos em nossa energia mental maior nosso poder de cura, até mesmo à distância.
Aprendemos que temos sete planos vibratórios, nos quais trabalhamos ao mesmo tempo, porém com consciência apenas do plano físico, sensorial.
As vibrações atraem sempre as similares, pela afinidade vinculando almas, corações e pensamentos.
Nos planos espirituais a hierarquia existe pela qualidade do padrão vibratório dos espíritos, tendo como única base a virtude - qualidades morais conquistadas pelo trabalho e pelo sofrimento -, estando estacionados em faixas mais baixas aqueles que permanecem no erro pela baixa faixa vibracional, fruto de seus próprios padrões psíquico e moral. Também nós, encarnados, vivemos essa situação, pois atraímos e emitimos de conformidade com nosso padrão vibratório.
Quando emitimos uma vibração mental com nossas invocações - pedindo ao Pai pelos enfermos, nos hospitais e em seus leitos de dor -, ou projetamos uma vibração fluídica com a emissão de ectoplasma - doutrinando um espírito ou na Lei de um ritual - nosso sucesso ou fracasso vai depender única e exclusivamente do padrão vibratório que tivermos refletindo naquele momento.
Vamos recordar as palavras de Jesus (Mateus, V, 12-16): “Vós sois o sal da Terra; se o sal se tiver se tornado insípido, como se poderá restaurar-lhe o sabor? Para nada mais presta senão ser lançado fora e pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo! Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; e ninguém acende uma candeia e a coloca sob o alqueire, mas no velador e, assim, ilumina todos os que estão na casa. De tal modo brilhe a vossa luz diante dos homens, que eles vejam as vossas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus!”
Nossa vibração é que dá sabor ao sal e luminosidade ao nosso espírito. Temos que ter a preocupação de mantê-la sempre forte e positiva, para que não perca o sabor e nem seu brilho, vivendo, praticando e ensinando nossa Doutrina, ajudando os que precisam de esperança, de um conforto, de uma palavra amiga, sempre com amor, tolerância e humildade.



Resultado de imagem para Padrão Vibratório
“No Homem se acentua uma complexidade de coisas, efeitos incomparáveis. Porém, o mais terrível de todos é a vibração de pessoas irrealizadas.
O fato é que existem muitos outros caminhos. Quanto mais elevado o padrão do
Homem nestes carreiros terrestres, mais originais e perfeitas vão se tornando as suas aberturas, que atingem os reinos de toda natureza.
Tudo isso contribuindo para o aperfeiçoamento da memória, da percepção.
Instintos que vão se adaptando às irradiações do extra-sensorial, na cota extra da
Humanidade, digo, em todas as partes de todos os reinos da Natureza!” 
(Tia Neiva, s/d)
“Estamos preparados, cheios de forças e energias, para a execução perfeita desta tarefa doutrinária para o ajustamento das mentes e a perfeita harmonia do nosso Universo.
Vamos manter o nosso padrão vibracional elevado e equilibrada a nossa mente, para podermos irradiar a tranqüilidade e a paz e para que, com o poder do nosso espírito, possamos curar e iluminar a todos.
Cultive em seu coração o amor, a alegria e o entusiasmo, para que, em todas as horas, esteja pronto a emanar e a servir na Lei do Auxílio.
Pai Seta Branca disse que “a humildade e a perseverança de vossos espíritos conduziram-me ao mais alto pedestal de força básica que realizou esta corporação”.
Mais uma vez, você, com seu esforço, amor e humildade, encheu de mais alegria o coração do nosso Pai tão querido.” 
(Tia Neiva - Carta Aberta n. 6, 9.4.78)
“O fato é que existem muitos outros caminhos.
Quanto mais elevado o padrão do Homem nestes carreiros terrestres, mais original e perfeito vão se tornando as suas aberturas, que atingem os reinos de toda a natureza. Tudo isso contribuindo para o aperfeiçoamento da memória, da percepção, instintos que vão se adaptando às irradiações do extra-sensorial, na cota extra da Humanidade, digo, em todas as partes de todos os reinos da Natureza.” 
(Tia Neiva, s/d)
"Os Adjuntos devem ser muito humildes e decisivos, porque, sendo um homem de força e poderes iniciáticos, pode receber, inclusive, vibrações que venham a formar uma força esparsa." 
(Tia Neiva, 18.2.79)
“O motivo desta transmutação é porque nós, Jaguares, temos por missão velar pela dor alheia.
Não é porque amanhã será sexta-feira treze, mas eu sempre lhes ensinei que a vibração é o princípio de tudo. A vibração tem destruído e, até mesmo enlouquecido, muitas autoridades neste Brasil. A vibração do mês de agosto, em datas periódicas, vem fazendo muita destruição.
Nós estamos aqui, agora. Eu lhes chamei para conseguir impedir o que já está escrito para amanhã o fenômeno sem importância, natural, deste cometa, manipulado com as vibrações que já estão em pauta. Poderemos ter, inclusive, um dia de escuridão, o que os cientistas haviam dito para agosto.
Eu vejo três acontecimentos até o dia trinta e um de agosto.
Farei a chamada e espero que a prece de Simiromba tire a sintonia destes fatos, que na minha clarividência me fazem recordar a toda hora.
Por isto que lhes chamei, mesmo sabendo que não poderia estar entre vocês, mas o importante é que todos façam também suas emissões, porque são fenômenos universais. Não tenham dúvidas que vão agitar muita gente, que bem poderão fazer o mal entre si. Salve Deus!
E até o dia trinta e um nós iremos fazer o meu 3º 7º e, tenho certeza, que nós poderemos evitar qualquer incompreensão dos muitos desatinos, das coisas que eu vejo e, ainda, não sei explicar claramente a vocês.”
 (Tia Neiva, 12.8.82)
“Partimos desta compreensão das origens criadoras nas atividades racionais e tão intimamente unidas.
Vidas conscientes que sabem discernir, reparar que o negativo de hoje será o mal de amanhã. Cada consciência vive e envolve os seus próprios pensamentos.
Através dos séculos, do tempo, nada escapa à lei do progresso. As religiões, acima de tudo.
Vibramos, emitimos, seguimos com a mente ou somos atraídos - o que não é muito bom!
Sim, a vibração que nos atrai, mesmo de bons sentimentos, nos incomoda. A vibração desejada é quando sentimos irradiar. Pelas irradiações sabemos, conhecemos porque estamos sendo vibrados.
Levando em consideração as imperfeições dos nossos desejos e aspirações, não se esqueça de que os fenômenos duram ainda depois da morte. Assim é o peso!” 
(Humarran, out/62)
“Pelo nosso poder e pela Consagração Iniciática Cabalística sabemos que as forças da cabala são transmitidas por vibrações. Vejamos agora: é aplicado isto a tudo o que foi criado. Tudo emite vibrações, seja de natureza orgânica ou inorgânica. Essas vibrações são também chamadas ENERGIAS, fenômeno direto inteligente e material, ao mesmo tempo independente de nossa vontade e de nossa imaginação espontânea, de raciocínio, que rompe os músculos e liberta o espírito da cura.” 
(Tia Neiva, 14.8.84)

Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do Amanhecer






Doutrinando

Resultado de imagem para doutrinar
Na Corrente do Amanhecer denominamos doutrina à emissão de ectoplasma pelo Doutrinador, para proporcionar condições de ajuda e de recuperação dos espíritos sofredores ou obsessores incorporados em um Apará. O Doutrinador faz a puxada  e, enquanto fala, vai impregnando suas palavras com a energia fluídica de seu magnético animal, que a Espiritualidade trabalha para beneficiar aquele espírito necessitado.
O Doutrinador vai fazendo a limpeza  da aura do Apará, suavemente e sem tocar no médium, especialmente cuidando para não arrastar as mãos em seus cabelos, estalando os dedos bem fora de sua aura e longe dos ouvidos do Apará, evitando choques magnéticos.
A doutrina deve ser feita de maneira individual, devendo ser evitada a decorada ou mecânica, e impregnada de amor, para efetiva ajuda àquele irmãozinho. Somente na Estrela Candente é feita uma doutrina padronizada, quando todos os Doutrinadores repetem as palavras do Comandante, após as puxadas nos esquifes: “Meu irmão, caíste no Plano Universal e já te encontras sob as bênçãos de Deus! Procura te recordar dos árduos caminhos que percorrestes, dos negros abismos, das chamas ardentes, das dores e das veredas sombrias. Sim, encontras-te sob as bênçãos de Deus, na força bendita dos Jaguares, que estão na presença divina do Sol e da Lua! Salve Deus, meu irmão! Eleve comigo a tua mente e confia na Corrente Oriental do Amanhecer!”.
Embora coletiva, se feita de forma sensível e amorosa, a doutrina envolve o sofredor como um bálsamo de alívio, ajudando o trabalho que a Espiritualidade paralelamente realiza em outro plano, objetivando melhorar as condições vibracionais daquele espírito.
Por pior que julguemos a condição de um espírito que se nos apresenta, é preciso entender que só com amor poderemos ajudá-lo. Não é cristão o tratamento que, em outras igrejas ou doutrinas, se dá ao sofredor. Por exemplo, um bispo que preside grande rede de templos evangélicos escreveu: “Temos certeza de que o Espírito do Senhor nos tem dirigido, razão pela qual estamos pisando na cabeça de satanás. Em nossas reuniões, os demônios são humilhados e até mesmo achincalhados, numa prova de que o Senhor está conosco. As pessoas são libertas e se transformam em novas criaturas para Deus.” Esta visão de que toda manifestação é diabólica quando se trata de fenômeno mediúnico é muito antiga, e reflete a ignorância dos fundamentos das doutrinas espíritas e espiritualistas, rotuladas pelos evangélicos como macumbas. Em todos os momentos, nos ensinamentos do Caminheiro, entendemos a importância de agirmos sempre com amor, tolerância e humildade. Jesus nunca humilhou nem achincalhou qualquer espírito, e temos que lembrar disso mesmo quando estamos diante de espíritos zombeteiros ou violentos, que buscam a queda de nossa vibração com insultos e desafios.
Uma doutrina se faz em três etapas: primeiro, damos as boas-vindas àquele irmão que incorpora, agradecendo a Jesus por aquela oportunidade e dizendo que o sofredor está na Casa de Pai Seta Branca e Mãe Yara, o Pronto Socorro Universal, onde irá receber toda a ajuda para se libertar de suas aflições; na segunda parte, esclarecemos que ele é um espírito desencarnado, devendo deixar o apego à matéria, as dores físicas que marcaram sua mente fazendo com que continue sentindo como se estivesse ainda no corpo, que busque deixar seus sentimentos de ódio, revolta ou vingança, que só pelo amor poderá caminhar, que deve usar seu poder, sua força e sua sabedoria para ajudar aos outros irmãos e não para prejudicá-los, pois tudo o que fazemos recai sobre nós mesmos, enfim, de acordo com a situação, dar àquele irmãozinho esclarecimentos doutrinários; finalmente, pedir que sinta as vibrações de amor que nos cercam, buscando a harmonia com os Espíritos de Luz que estão vibrando naquele momento, que possam fazer com que em seu coração renasça o amor e que, em sua mente, se recorde dos compromissos um dias assumidos perante nosso Pai Celestial, pedindo que confie na Espiritualidade que está ao nosso redor, que acompanhe os Cavaleiros que ali estão para conduzi-lo, e que a paz de Jesus possa estar em todo o seu ser.
Concluída a doutrina, faz-se a elevação, com todo o amor e firmeza.
O Doutrinador deve ficar atento às condições do espírito incorporado, que, de modo geral, podemos considerar como sendo um espírito:

COM DORES FÍSICAS – Porque um espírito desencarnado em meio a sofrimento de natureza física não se livra de suas sensações quando encarnado, sendo influenciado pelas dores e males do corpo físico, dependendo do seu adiantamento espiritual. Geralmente sente como se estivesse ainda em atendimento hospitalar, em seu leito de dor, acometido pelas dores de seu período terminal. É uma grande parte dos atendimentos na Mesa Evangélica, devendo ser esclarecido sobre sua condição de desencarnado e livre das dores físicas, que só existem em sua consciência;
COM DORES MORAIS – Leva, após o desencarne, a dor da consciência pesada por atitudes prejudiciais a outros irmãos, condenando a si mesmo pelo que fez, devendo a Doutrina esclarecê-lo sobre a misericórdia divina e a recuperação que todos temos para, dentro da Lei do Auxílio, conseguir a superação das faltas e obter a paz interior;
SEM CONSCIÊNCIA DE SEU ESTADO – É o que não tem conhecimento de seu desencarne, e continua como se ainda estivesse no plano físico, vivo, perambulando pelos ambientes que frequentava e tentando comunicar-se com parentes e amigos, tendo uma exasperação crescente por não obter respostas, cabendo ao Doutrinador a revelação da verdade, com muita atenção e amor, para evitar um choque, esclarecendo a condição real de um espírito desencarnado. Nesta classificação podemos incluir aqueles espíritos que ainda se julgam donos de bens materiais, e se revoltam por verem esses bens em poder e uso de outras pessoas, atingindo-as de várias formas, e espíritos que, por apego a outra pessoa, permanecem junto a ela, causando desconforto e mau estar;
OBSESSOR – É aquele dominado pelo desejo de vingança e pela maldade, que quer continuar, no após-vida material, sua interferência maligna sobre aqueles a quem direciona seu ódio, prejudicando-os de todas as maneiras em suas jornadas. Deve o Doutrinador esclarecê-lo sobre a Lei de Causa e Efeito, sobre o amor incondicional e o perdão, falando da principal lei crística, que recomenda amar ao próximo como a si mesmo;
SUICIDA – Aquele que cometeu a maior violência sobre si mesmo, fugindo dos testes que ele mesmo pediu para passar na vida, e falhando, tirando a própria vida material, conscientemente interrompendo seu carma, causando profunda perturbação mental que se revela na sua manifestação. O Doutrinador deve esclarecê-lo sobre o amor de Jesus, buscando pacificá-lo de forma que vá recuperando sua calma e gerando a esperança de seu atendimento pelos irmãos de Luz que, naquele momento, o estão aguardando para conduzi-lo a um local no espaço onde terá sua recuperação;
DESEQUILIBRADO – Na maioria dos casos se apresenta como um espírito que se deixou levar por vícios e taras em sua vida terrena, projetando ódio em pessoas que responsabilizam por suas dificuldades e conseqüente infelicidade. Homens e mulheres em profundas crises sentimentais e desvios sexuais precisam de auxílio após a morte no plano físico, cabendo ao Doutrinador aliviar seus traumas e explicar suas condições para receberem o lenitivo dos tratamentos nos planos espirituais. Há muitos que se apresentam sem qualquer comunicação, calados, paralisados em seu tormento, cabendo sua doutrinação conduzida pela intuição do Doutrinador. Há, também, os que absorveram noções religiosas em tal profundidade que ficam na expectativa de chegarem diretamente ao céu, negando-se a qualquer iniciativa que contrarie seu aprendizado evangélico ou católico, devendo o Doutrinador tentar conduzi-lo para Umatã , onde será o trabalho complementado pelo espírito de um pastor ou de um padre. Aquele que tiver sido ateu na vida terrena pode apresentar resistência a uma doutrinação, cabendo ao Doutrinador emanar, com todo o amor, a energia crística de nossa Corrente, para vencer o obstáculo daquela consciência;
ZOMBETEIRO – É aquele que gosta de perturbar o trabalho, desacatando o Doutrinador e tentando irritá-lo, assumindo atitudes grotescas e palavreado ofensivo, tendo a sua doutrinação que ser feita de forma tranquila, emanando equilíbrio e harmonia, desgastando sua energia negativa e dominando as cargas negativas que projeta.

Há que se considerar a existência de muitas outras situações, e que cada espírito sempre reage à doutrina de forma diferente de outro. Uns começam irritados, agitados, e vão se acalmando à medida que vão sendo doutrinados. Outros chegam em completa calma, ouvindo tranqüilamente a doutrina.
Assim, deve o Doutrinador dosar sua doutrina, caso a caso, acompanhando o efeito de suas palavras, até que sinta ter conseguido equilibrar aquele irmãozinho, fazendo, então, sua elevação.
Muitos espíritos incorporados procuram dialogar, chegando mesmo a desafiar ou agredir o Doutrinador. Na Mesa Evangélica, não há diálogos. O Doutrinador deve ignorar os desafios, respondendo com sua doutrina. Em outras situações, como nos Tronos, o Doutrinador pode manter um diálogo com o espírito, com cuidado para não magoá-lo ou aumentar seu ódio, complementando com sua doutrina. Somente nos Tronos Milenares, pela natureza dos espíritos que ali incorporam, é mantida a conversação com o espírito incorporado, que foi convidado pela Espiritualidade para aquele encontro.
O Doutrinador deve sempre, em qualquer situação, estar mediunizado para perceber a natureza e as condições daquele espírito que está sob seus cuidados, baseando-se nessa percepção para bem conduzir sua doutrina.

“Uma faixa magnética não passa pelo médium de incorporação sem a puxada do Doutrinador ou sem o devido consentimento do mesmo.
O Doutrinador Iniciado é mais útil ao trabalho de que mesmo os próprios Guias que, para terem um trabalho eficiente, o fazem com as ordens dos Doutrinadores.
O médium de incorporação é um simples instrumento. Absolutamente, ele tem condições de fazer um trabalho perfeito ou uma comunicação perfeita sem a presença e os cuidados de um Doutrinador.
Nos meus olhos de Clarividente, não vejo condições curadoras sem esta perfeita manipulação de forças e ectoplasmas.
Existe muita comunicação perfeita entre nós, graças a Deus. Temos médiuns perfeitos!
Quando o médium se mostra com toda uma euforia para a incorporação, começam a se esgotar suas energias, ficando sua comunicação perigosa, porque o seu ectoplasma entra em decadência, não mantendo uma conjunção com o Doutrinador.
A função dos espíritos que labutam no nosso trabalho profissional é conjugar os ectoplasmas para a realização das curas.
O médium que receba espíritos sem qualquer disciplina própria poderá acertar uma profecia, porém nos tratamos de profissionais e, como tal, exigimos essa disciplina.
O Espiritismo ainda não se difundiu, conforme meus olhos de Clarividente registram, justamente por causa dessa falta de disciplina. Os meios de manipulação de forças nos trabalhos são propícios à perfeição, dependendo unicamente da humildade e disciplina de cada médium. Um médium incorporando sem disciplina, seu Doutrinador poderá ser chamado à atenção, severamente, por mim!
Não há qualquer espírito que passe por nossos trabalhos do qual não se faça a entrega obrigatória!
Nosso trabalho é exclusivamente de Doutrina! Não aceitamos, em hipótese alguma, palestras, nos Tronos deste Templo do Amanhecer, de Doutrinadores com entidades que não sejam os nossos Mentores, espíritos doutrinários!
Mesmo fora do Templo, consta-me que os Doutrinadores que palestraram com exus, etc., atrasaram suas vidas, pois eles não se afastaram de seus caminhos.
A obrigação do Doutrinador é fazer a doutrina, conversando amigavelmente com o espírito, procurando esclarecê-lo, continuar seu amigo, porém fazer sua entrega obrigatoriamente, com o que ressalva sua responsabilidade perante os Mentores.
Outros Doutrinadores estão com suas vidas atrasadas simplesmente por sua irreverência com os Mentores, acendendo para estes duas velas, saindo fora de seu padrão doutrinário.
Entre eu e os exus há um laço de compreensão e respeito mútuo. Porém, um Doutrinador, por não ser clarividente, não está em condições de dialogar com eles, exceto no âmbito da Doutrina.” 
(Tia Neiva, 7.5.74)

Fonte: Tumarã




Os 3 Reinos de Minha Natureza

Existem alguns conceitos básicos em nossa Doutrina que devem ser claramente compreendidos já nos primeiros passos. Porém, muitos, envolvidos pela rapidez com que desenvolvemos as técnicas doutrinárias, acabam ficam com idéias não muito claras a respeito.
Os Três Reinos de minha Natureza – Consideremos o ser humano encarnado um ser “tríplice”, ou seja formado por três “plexos”. Para que possamos compreender bem este conceito é necessário analisar separadamente cada um destes três plexos:
O Plexo físico – Este é simples de explicar! É o seu corpo. Pura e simplesmente o corpo que seu espírito ocupa nesta encarnação. Não “é” você, mas faz parte de você. Ele tem um tempo de vida útil que irá se esgotar e morrer, mas você não morre com ele, por que ele apenas é um terço do que o ser humano encarnado representa.
O Plexo Mental – Ou sua Psique. Neste ponto é que começam algumas dúvidas, pois normalmente conceituamos que alma é espírito são a mesma coisa, certo? Errado!!! Em nossa Doutrina distinguimos bem “alma” de “espírito”. Consideramos como “alma” o quê hoje você representa nesta encarnação. O José, João ou Maria... É a sua encarnação atual! Sua Personalidade.
O Plexo Mental é representado pela sua alma. É você hoje, sem considerar outras encarnações. Chamamos “Mental”, porque é controlado pela sua mente, pelos seus desejos e fruto de sua atual experiência. Reflete a maneira como foi criado, os bons e maus princípios que aprendeu nesta vida, e o quê pensa e age com reflexo. Ao morrer o Plexo Físico (o corpo), as lembranças de sua mente nesta encarnação (Plexo Mental) irão agregar-se ao seu Plexo Espiritual... Ao seu Espírito. Por tanto, a alma é apenas uma personalidade transitória que agora você está vivendo e registrando em sua mente. Muito diferente do seu Espírito!
O Plexo Espiritual – Considerando que já compreendemos que a alma é apenas “você hoje”, sua personalidade e lembranças de sua vida atual, fica mais fácil compreender a diferença clara quando vamos falar em espírito. O espírito é o seu EU verdadeiro! Este é você! Não é apenas o José, João ou Maria! É a soma de tudo o quê você já viveu nesta e nas outras encarnações. Com a morte do corpo, a alma passa a ser apenas uma lembrança a mais na sua memória espiritual. Como espírito você é a soma de suas muitas passagens por este e outros planos!
O primeiro questionamento neste ponto é sobre o “despertar”. “Quer dizer que quando eu desencarnar vou perder minha personalidade de Kazagrande e imediatamente passar a ser um espírito carregando a lembrança desta última “atuação no palco da vida terrestre”?”
Bem... Cada caso é um caso! Sim, existem aqueles que já estão preparados para recordar de suas outras passagens quase que de imediato. Mas a maioria precisa de um tempo de adaptação de retorno a sua condição espiritual. Vai desligando-se dos apegos da última passagem e tomando consciência, aos poucos, de sua real condição.
A capacidade de, ao retornar ao mundo espiritual, desprender-se dos apegos materiais da alma e dos desejos do corpo, é que determinam seu tempo de adaptação.
Quanto mais claramente compreendermos que não somos apenas um corpo, ou apenas a personalidade que atualmente vivemos, mais rapidamente poderemos estar em contato com o espírito, grande motivo de nossa mediunização.
Fonte: Inconfidências, por Cristiano Patrício



História do Mago e da Nityama


Foi na Grécia, numa cidadezinha que, segundo a Tia Neiva, chamava-se Nityama, muito árida e seca, a ponto de os homens partirem para a caça e para as guerras, formando Legiões enormes, deixando a cidade por canta das moças.
Foi nessa cidade que as Nityamas receberam a primeira evolução, depois que elas se evoluíram, já como sacerdotisas, foram para a Índia.
Acho também, dizia Tia Neiva, que foi um nome dado por um mensageiro a uma profetisa, uma das pitonisas daquela aldeia, daquela tribo.
Naquele tempo não existiam os nomes Esparta, Grécia e Índia, existiam apenas os lugares, mas pela tradição dos homens, de saírem em tropas, deduz-se que eram espartanos ou gregos, só tinham diferença de nomes, mas tudo era Planície Peloponense, onde fizemos muito.
A nossa vida foi toda ali na Macedônia, todos nós temos mesmo a nossa origem grega, como Ciganos. Existe a falange de ciganos, mas naquele tempo todo mundo era nômade, não se tinha uma origem, muitas vezes um chegava perdido naquela aldeia.
A preocupação de DEUS era reunir os grupos familiares e incentivar o Homem para as grandes conquistas na Terra, porque as lutas é que nos trouxeram até aqui, as conquistas de novos mundos, novas terras e de novas ideias.
Logo depois veio o sacerdócio na Índia das Nityamas, que já era urna coisa mais purificada, porém desde aquele tempo longínquo da Grécia, as Nityamas sofriam saudades dos seus entes queridos, que partiam para a guerra e muitas vezes não voltavam, outros voltavam às vezes corno prisioneiros, e estes entravam naquela mesma origem.
A pitonisa que recebeu o nome de NITYAMA era uma mulher muito formosa, que possuía muitos dons mediúnicos e foi MAGDALA o seu nome verdadeiro, até hoje conhecido nos planos espirituais. Ela morava em uma daquelas províncias muito antiga, perto da Índia, conhecia ervas, fazia trabalhos, invocava espíritos, onde começou a desenvolver um grupo de moças que passaram a ser chamadas de NITYAMAS.
A força de Magdala era tão grande que começou a dar condições aos homens de voltar e ela mudou completamente a natureza daquela cidade e da região em que vivia.
O fato é que ela foi adquirindo evolução e tinha a Voz Direta do Céu, como temos hoje aqui no Vale do Amanhecer, dizia Tia Neiva.
Ela foi crescendo e dali surgiram muitas princesas, muitas fidalgas, vinham de longe para ser uma Filha de DEVAS.
A MAGDALA é a madrinha dos DEVAS e a MADRUXA, por sua vez, é a madrinha das NITYAMAS.

Elas faziam fogueiras, invocavam espíritos, protegendo dos males da guerra os maridos, os noivos e todos os Homens daquela tribo. Invocavam a ponto de fazerem mesmo eles voltarem, contudo, eles demoravam muito, custavam a voltar com suas tropas, era uma vida muito triste, mas o espírito que elas tinham de Guardiãs era tão sincero e sublime que alimentava as suas vidas.
Na realidade elas eram solitárias mesmo, e quando os homens voltavam, formavam brincadeiras, dançavam em volta da fogueira, cobrindo o rosto com um véu e eles, deslumbrados com as danças e com a beleza daquelas jovens, escolhiam entre elas a sua esposa e, no momento do pedido, o soldado descobria o rosto da jovem Nityama e casavam-se, fazendo rituais, sempre em volta de uma fogueira, onde residia a força delas.
Certa época começou uma epidemia, moléstia que se alastrou por toda a região, causando temor a toda a população. A causa da epidemia não foi descoberta pelos médicos da época, muito menos pelos curandeiros, que naquele tempo se faziam muito presentes.
Enquanto a doença se alastrava, dizimando famílias, os esforços eram em vão. As vítimas nada podiam fazer, a não ser aguardar a hora da morte. O pânico foi geral e a preocupação crescia a cada instante, até que um raio de esperança surgiu trazendo a cura e o conforto aos desesperados.
A cura tão esperada estava nas mãos de uma das moças daquele grupo de jovens, que com simplicidade usava os seus poderes, fazendo a cura dos doentes.
Logo a população tomou conhecimento do fato e os enfermos formavam grandes filas na busca de suas curas. Ela fazia tudo isso por caridade, sem receber nada em troca. Tudo corria normalmente, até um certo momento.
Quando as autoridades médicas ficaram sabendo que havia uma moça curando a citada moléstia, não admitiram de forma alguma. A partir daquele momento ela passou a ser um obstáculo para a medicina local, os médicos estavam perdendo os seus ganhos e o próprio prestigio como profissionais. Precisavam recuperar e conservar a sua reputação.

Assim sendo, as autoridades competentes tomaram a decisão de expulsá-la da cidade, e ela teve que obedecer e deixar aquela localidade, se afastando da família e do grupo a que pertencia, porém, a união do grupo era tão forte que algumas jovens a seguiram.
Elas se instalaram em tendas muito humildes, em uma cidade vizinha, e os moradores da cidade chamavam-nas de NITYAMAS, pelo fato de terem vindo de uma cidade com esse nome.
As Nityamas sozinhas enfrentaram a pobreza e, naquela época, elas juntavam pedaços de tecido colorido e faziam as suas roupas, sendo a razão pela qual, hoje, a Indumentária da Nityama é formada de nesgas coloridas.
As Nityamas faziam coisas magníficas, teatros, festas, mas tudo delas começava com a fogueira, uma atitude muito autêntica das ciganas, ali elas liam as mãos, das pessoas e faziam previsões do futuro. As pessoas viajavam distâncias muito grandes para verem as Nityamas.
As tropas que pertenciam a outras tribos, naquele mundo, passavam por aquela região e tinham um medo enorme das Nityamas, porque elas manipulavam os fenômenos meteorológicos, praguejavam e quando pediam chuva, elas invocavam os Deuses da Natureza, fazendo chover.
Eram respeitadas, e ficaram conhecidas como Filhas dos DEVAS. Nityama significa Filha dos Deuses, Filhas da natureza, elas controlavam o Sol e a chuva, e eram temidas até pelos piratas.
Elas progrediram muito, e outras moças solitárias de outras cidadezinhas iam encontrar com aquele grupo de Nityamas, porque era comum em todas as cidades ficarem somente as mulheres, e os homens saiam com as tropas em busca de conquistas, eram mercenários.
As Nityamas eram fabulosas, mas é preciso ter um espírito de Nityama para ser realmente uma Nityama.
Aqueles homens que saiam com as tropas e ficavam impossibilitados de lutar, voltavam para a cidade, para a aldeia, ficavam para tomar conta e ajudar as Nityamas. Estes homens eram os MAGOS, eles ajudavam e profetizavam.
Tinham, também, faculdades mediúnicas, desenvolviam a sua mediunidade, adivinhavam e possuíam uma doutrina. Eram também aqueles jovens que atravessavam os mares, e traziam uma Doutrina, um esclarecimento do que era a vida neste universo.
Assim como Magdala, os Magos tinham comunicação com DEUS, com os Planos Espirituais, porém nossa civilização não falava em Planos Espirituais, existia, para eles, apenas um DEUS e, somente depois de JESUS é que foram formados os Planos Espirituais, como o Canal Vermelho e outros.
Os Magos faziam muitas coisas e, juntamente com as Nityamas, realizavam uma festa que era o preparativo dos Mestres, onde as jovens cobriam o rosto com um véu e os homens que chegavam escolhiam entre elas as suas noivas.
Por isso é que a Nityama só poderá ser solteira, caso contrário, poderá correr o risco de uma nova escolha.

Era um ritual muito bonito, e Tia Neiva deu graças a DEUS, na ocasião em que contava esta história, porque na época as forças já favoreciam o desenvolvimento destes rituais.
As Nityamas e os Magos fizeram a primeira obra do mestrado, quando existiam as Zíngaras, que se juntavam para a realização dos rituais. As Zíngaras eram as mesmas Nityamas que trocavam apenas de Indumentária, porém podiam ser solteiras ou casadas.
Hoje as Nityamas e os Magos são os Médiuns que vieram para atender o mestrado, formar as Filas Magnéticas, fazer as Côrtes para os rituais, imantrar os ambientes, abrir a “Chama da Vida”, receber as energias dos mestres que descem da Estrela Candente, ocupar a Cassandra, fazer Corte para a abertura do Oráculo e Cruz do Caminho, atender os trabalhos realizados no Turigano, na Estrela Sublimação, Sanday de Tronos, conforme as leis escritas deste Amanhecer, servir aos “Adjuntos” quando convocados e ornamentar o Templo onde estiverem, conduzindo a beleza nos trajes e no seu porte no Templo.
As Nityamas e os Magos são responsáveis, também, pelas aulas do Pequeno Pajé.
Quando estiverem no Templo, devem ter o porte de uma moça, de uma Missionária, usando a sua Indumentária com elegância, sendo muito perigosas as brincadeiras.
As Falanges de Nityamas e de Magos foram criadas em 1974, quando foi preparada uma Corte para a entrega do primeiro ritual de entrega de “Diploma de Doutrinador”, no dia 1º de Maio e, logo em seguida, eles começaram a receber as primeiras orientações e a preparação para o Mestrado.
Publicada por Cristiano Patricio




Gregos e Troianos


Negar a possibilidade de uma revelação divina, feita em diversos tempos e por diversos modos, é o mesmo que negar as tradições falada e escrita de todos os povos; é viver a expulsar os pensamentos, tentando conservar uma mente científica que, por séculos e séculos, nada fez senão uma pequena parcela no caminho dos Homens. Sim, porque nossa alma sofre a falta do calor místico extra-sensorial que repousa no centro coronário de nosso Sol Interior, nos plexos. Temos aqui o relato de triste tragédia, naquela noite cheia de chamas, em que Gregos e Troianos destruíram inúmeras vidas, fato registrado pela História. A consequência destes desatinos foi conseguir a volta, com ódio, de muitos que se tornaram obsessores e, hoje, clamam por justiça! A cidade de Tróia era governada pelo Rei Príamo (Cleones), o qual era casado com a Rainha Hécuba (Nilda). Este casal tinha um filho de extraordinária coragem, chamado Heitor (Armando), outro de grande e máscula beleza, chamado Páris (Silvério) e a bela Princesa Policena. 
Páris foi enviado por Príamo à cidade grega de Esparta, em missão comercial junto ao Rei Menelau (foragido). Quando Páris chegou em Esparta, o rei estava ausente. Páris, então, encontrou-se com a Rainha Helena (foragida), considerada, na época, a mulher mais bela, semelhante à própria deusa Afrodite. Deslumbrado com a beleza e formosura de Helena, Páris raptou a rainha e a levou consigo para Tróia. Furioso com o fato, Menelau convocou uma reunião entre reis e príncipes de toda a Grécia, onde decidiram declarar guerra aos traidores de Tróia. Portanto, o rapto da bela Helena provocou a Guerra de Tróia! A Confederação Helênica decidiu vingar a escandalosa afronta. Foi designado Agamenon (João do Vale), irmão do Rei Menelau, como chefe das hostes gregas. Em meio a grande entusiasmo, prepararam as galeras que iriam conduzir as tropas para combater o inimigo. Seguiram viagem e, finalmente, chegaram diante das muralhas de Tróia, dando início a um terrível sítio, que iria durar por dez anos. Houve, no mar, cruentos combates, destacando-se, com vitórias, os seguintes comandantes de galeras: Diomedes (Alexandre), Patrocles (Sebastião José), Aquiles - também Príncipe de Ciro - (Mário Kioshi) e Trós (Guto). Em terra, também se fizeram grandes combates diante das muralhas da cidade de Tróia. Entre os guerreiros, destacaram-se Ulisses (Raul), homem astuto e corajoso, rei de Ítaca; Macaon (Ataliba), também Príncipe de Acália, que demonstrou grande habilidade na Medicina; Podalírio (Mariel), irmão de Macaon, comandante de um terrível contingente de Tessalos; Eurimaco (Luiz Cláudio); e Locride (Sérgio Paulo), filho do rei de Creta. Os troianos, do alto das muralhas da cidade, viram, surpresos e admirados, os espartanos construírem um gigantesco animal - um cavalo  de madeira. Um dia, pronta a construção, os gregos bateram em retirada, com armas e bagagens, deixando apenas o grande cavalo. Foi uma festa: os troianos dançaram e beberam, festejando o fim da guerra e a posse do enorme cavalo de madeira, que havia sido trazido para dentro da cidade, como troféu de guerra, e seria invejado por todos os povos, fazendo correr a fama de Tróia pelo mundo. Midgon (Michel), famoso rei de uma região da Frigia, que lutava ao lado dos troianos contra os gregos, procurou, em vão, persuadir o Rei Príamo do iminente perigo que representava aquele estranho presente. E esta noite, tão festejada, foi a mais trágica que os troianos puderam ver! Tarde da noite, quando os troianos já estavam cansados de dançar e de beber, adormecidos, em meio às sombras os guerreiros gregos, Deífobo (Luiz da Paixão), Agapeno (Benedito Gaspar), Neleu (Arivaldo), Istníades (Celso), Menésio (João Joaquim), Ícaro (Devaci), Perileu (Calixto), Aiante (José Dias), Sino (Edilson)Meriones (Ênio), Menestrio (Alecir), Antímaco (Djalma), Turno (Armando), Enéias (José Luiz), Filoctetes (Eduardo), Agaleno (José Vieira), Euquenor (Juarez), Enone (Raimundo Dantas), Eurípelo (Vicente) e alguns outros desceram silenciosamente do interior daquele singular presente e se espalharam pela cidade e, aproveitando-se do sono dos troianos, iniciaram um terrível massacre. Tochas foram lançadas nas casas, que logo começaram a queimar, sendo a cidade tomada pelas chamas. Gritos de desespero! Com o fogo, chegaram as frotas comandadas pelo estrategista Epeu (Lourival), que saíra vitorioso de uma batalha contra Agenor (Gleidson), próxima às ilhas de Tenedo e Helesponto, e, em poucos instantes, todo o exército helênico estava dentro da cidade de Tróia. Com a ajuda do poderoso Idomeneu (Paulo G. Guimarães), Rei de Creta, a vitória grega foi total. Neoptolemo (Wagner), cruelmente, matou o Rei Príamo em seus próprios aposentos. O Rei Menelau custou a achar Helena, que havia se escondido num local afastado da cidade. Quando a encontrou, pensou, primeiramente, em matá-la. Mas, encantado com sua beleza, sentiu renascer o velho amor por ela e a levou de volta consigo!
(Tia Neiva, s/d)

“Hoje, Prisioneiro do teu passado, em Cristo Jesus tens a certeza de seres libertado daqueles que já cumpriram o seu tempo. Filho: não deixes que esses que se dizem teus inimigos sem a tua compaixão e sem a tua piedade. Lembra-te que essa dor que esse te fez passar é uma pequena vingança em relação ao grande mal causado por ti em eras distantes, em tuas vidas passadas. Ama com fé a esses que se dizem teus inimigos, para que não saiam simplesmente por uma emissão cabalística doutrinária, mas sim atravessando com o teu amor, para que possas, do outro lado, encontrar um bom amigo. Ama com fé a vida, e não te esqueças que nunca deves amaldiçoar a vida e nem culpá-la nas suas horas de dores. Ela não é culpada do que sofres e nem, tampouco, benfeitora de tuas alegrias.”
(Tia Neiva, 4-2-83)
“Filho: tenha fé em si mesmo, firme a sua personalidade. Acredite que cada fracasso nos ensina algo que necessitamos aprender. Volte-se sempre para si mesmo e resolva sozinho os seus problemas. Escolha os seus amigos, porque existe, em cada um de nós, uma voz que nos alerta sobre o que devemos fazer e como devemos agir. Nunca devemos odiar a vida quando sofremos, nem tampouco amá-la quando sorrimos. Ela não é culpada de nossas dores, nem benfeitora de nossas alegrias. A vida vai além das nossas dores e de nossas alegrias, nos dando experiências. Mais de uma vez já lhe adverti sobre que Deus, vendo nossos esforços, nos escolheu como patronos desses infelizes, que viviam no mais triste sofrimento, envolvidos pelo ódio. Somos nós, filho, com o nosso amor, com nossa perseverança, que estamos a evoluir essa grandeza. Quanto mal já sofreram, quanta dor em seu ódio, sem terem forças para esquecerem as tristes horas de suas tragédias, em sua falta de amor. Receba-os com carinho, estando sempre alerta, e pense, com mais amor, nos bônus que irão libertá-lo e libertar, também, aqueles infelizes. Você não será libertado só e sim juntamente com aqueles que foram suas vítimas do passado. Eles estarão sempre a lhe seguir. Agora, nessa bênção de Deus, esperamos que eles voltem para Deus. Ame, com carinho e fé. Mais uma vez lhe digo: as nossas quedas, neste mundo em que vivemos, todas e todos nos servirão para a nossa evolução. Uma experiência a mais... Uma experiência a menos... O Homem não se redime quando sente uma grande dor, mas sim quando se eleva para Deus, sempre buscando harmonizar o seu Sol Interior.”

(Tia Neiva, 29-4-83)




 Eu sou meu inimigo?


No dia a dia, inconscientemente, somos programados para pensar negativamente. Novelas, noticiários, egoísmos e vaidades impregnados em nossa sociedade e nos meios de comunicação, nos induzem a sempre manter uma tendência negativa ao pensar.
Considerando que somos fruto do que pensamos, que nossa realidade é primeiramente projetada por nossa mente, acabamos “negativando” nossa vida pelos medos, e revoltas.
Para ser feliz, para construir um futuro mais confortável, independente de nossos reajustes, é preciso primeiramente mudar nossos pensamentos e deixarmos de ser nosso maior inimigo!
Inimigo sim! Pois ao cultivarmos a negatividade, o pessimismo, os medos e outros sentimentos que nada nos trazem de bom, trazemos para nossa realidade o sofrimento destas emoções!
Entendendo que nossas emoções são fruto do que pensamos, ou seja, nos sentimos bem ou mal, de acordo com o que estamos pensando.
Então... Por que escolher sentir-se mal? Por que focar nossos pensamentos em coisas que não nos fazem bem? Por que se lembrar de pessoas que cujas recordações já nos embrulham o estômago?
Olhando assim, até parece burrice! Porém, somos condicionados a isto! Da mesma maneira que os meios de comunicação nos permitem ver com mais clareza tudo que precisa ser mudado em nossas vidas, também nos inunda de informações inúteis que conduzem nossos pensamentos por emoções que não nos fazem bem.
Precisamos despertar a consciência de que somos nós que provocamos nossas emoções, e que estas emoções nos deixam felizes ou tristes; confiantes ou depressivos; e assim por diante!
Temos que nos libertar de tudo que nos faz mal, e este “tudo” inclui nossos pensamentos! Aliás, principalmente nossos pensamentos, que são a força geradora de nossa realidade física.
Passemos a prestar a atenção no que pensamos e poderemos nos tornar mais felizes, atraindo pessoas melhores para nossas vidas, oportunidades melhores, uma vida melhor!
Reparemos que nossa Doutrina não promete nada! Ao entrar para a Doutrina você não vai ganhar na loteria para resolver seus problemas financeiros e muito menos encontrar sua alma gêmea.
Ao entrar para a Doutrina passamos a nos conscientizar do mundo espiritual que nos cerca e da grande necessidade de praticar a caridade em prol daqueles que desesperados nos buscam, nos são encaminhados, confiados ou que simplesmente cruzam nossos caminhos.
Desta maneira, observando os dramas alheios pelos olhos da caridade, convivendo com nossos Mentores de Luz, ouvindo ou sendo portadores de tantas mensagens que visam despertar a esperança dos que nos buscam; passamos a ser mais tolerantes! Sim, mais compreensivos com as pessoas. Nossos próprios problemas parecem ficar menores ao vermos os problemas dos irmãos.
Tudo isso, faz com que você se torne mais “afável”, mais agradável... Traduzindo: Você passa a ficar mais tempo com seu padrão elevado e com pensamentos positivos – prestar a caridade é a melhor maneira de desligar-se da negatividade do mundo.
Naturalmente... Passará a atrair pessoas melhores para sua vida, oportunidades melhores... E a mudança virá naturalmente de dentro para fora! Por isso a Doutrina não lhe impõe nada e não promete nada: tudo depende de você compreender sua essência e mudar seus pensamentos, seu padrão, sua própria vida!
Kazagrande



Aprendendo a Pensar

Imagem relacionada

Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!
Uma das máximas de Tia Neiva que mais tempo levei para verdadeiramente assimilar é a que hoje mais repito: “seu padrão vibratório é a sua sentença”.
Incansavelmente sigo buscando maneiras de explanar como é possível ser feliz, ainda neste terceiro plano, quando compreendemos o processo natural da reciprocidade das energias pela nossa capacidade vibracional.
Nossa alma, nossa psique, emite ondas vibracionais, por meio de nossos pensamentos, e recebe na mesma intensidade e frequência, como se fosse um aparelho de rádio sintonizado em uma determinada estação. Nossos pensamentos são estas ondas vibracionais, emitidas em uma frequência positiva, negativa ou neutra. São nossos pensamentos que determinam a “estação” em que estamos sintonizados e que “tipo de música vamos ouvir”.
Imagine que cada pessoa é um aparelho de rádio, recebendo as transmissões na sua sintonia pessoal, e que também cada uma é uma estação emissora, emitindo (vibrando) em favor de alguém, em alguma sintonia específica.
A emissão vibracional é extremamente sutil! A velocidade de nossos pensamentos ultrapassa a da luz, pois são instantâneos. E o poder vibracional é dinâmico, chegando a todos que pensamos, se estes estiverem “na sintonia adequada”.

Agora lembremos que tudo isso não se passa apenas com os humanos encarnados, é uma lei universal a qual todos os espíritos estão sujeitos: sejam encarnados, desencarnados sofredores ou Espíritos de Luz.
Unimos nossas vibrações em uma frequência positiva, atraindo e permitindo o auxilio de nossos Mentores, trazendo mais harmonia, felicidade e realização pessoal; ou nos unimos aos sofredores encarnados e desencarnados, ainda presos em suas invejas, ciúmes, apegos e tristezas...
Estando em equilíbrio, escolhendo nossos pensamentos, podemos verdadeiramente mudar nossas vidas!
Tia Neiva nos tranquilizava ao afirmar que não deveríamos nos preocupar com a quantidade de pensamentos que passam por nossas cabeças, pois temos milhares de pensamentos inúteis e alguns bastante perigosos, e só precisamos nos preocupar em não dar força a eles. Não permitir que o quê não nos faz bem prolifere em nossas mentes! Mudar de canal, de frequência, de sintonia assim que nos damos conta de que nossa mente está divagando na inutilidade.
Não podemos controlar todos nossos pensamentos, mas podemos escolher quais deles emitirão uma vibração, e o nível em que estará esta vibração.
Nossos pensamentos determinam nosso padrão vibratório, e não nossas atitudes. É fácil deixar de praticar maldades, mas é preciso deixar de pensar em maldades, deixar de dar forças aos pensamentos negativos que tentam nos invadir.
Encontraremos pessoas mais equilibradas em nossas vidas, ao buscarmos mais equilíbrio!
Entraremos na mesma frequência de outros seres, encarnados e desencarnados e deles receberemos o mesmo nível de transmissão. Por isso “quando tudo está bem, nada falta”, e “quando está ruim, vai de mal a pior”. Nossos pensamentos nos conduzem a pessoas com a mesma frequência vibracional que nós.
Semelhante atrai semelhante. Rejeitamos ou absorvemos os pensamentos de acordo com nosso mundo interno. Estando positivos, assimilamos pensamentos positivos, de prosperidade, alegria. Estando negativos, nossa mente torna-se receptiva às vibrações negativas e assimila pensamentos de medos, tristeza, raiva, inquietação.
Meus irmãos e minhas irmãs, somos Jaguares! Médiuns preparados com um plexo Iniciático dotado de um poder imenso! Nossos pensamentos, nossas vibrações, são potencializadas, multiplicadas exponencialmente. Por isso nosso poder ao vibrar positivamente é infinitamente maior; e, por outro lado, nosso padrão negativo nos leva tão rapidamente ao desespero e ao caos.
Não somos mais crianças inocentes! Temos que parar de criticar, de vibrar negativamente entre nós mesmos e potencializemos tudo o quê for positivo. Pois, o que é negativo deve ser imediatamente descartado. Este é o motivo porque me calo quando vejo coisas tristes acontecendo: jamais alimento o quê não irá me fazer bem!
Lembremos das três perguntas que sempre procuro manter vivas: O quê vou fazer, falar ou pensar, irá resolver a situação? O quê vou fazer, falar ou pensar, irá me fazer bem? O quê vou fazer, falar ou pensar, irá fazer bem par alguém?
Salve Deus!
Kazagrande


Ciência e Fé

Resultado de imagem para ciencia e fé

A Doutrina do Amanhecer veio com a missão de unificar dois poderes: A Fé e a Ciência! Nossa fita “roxa e amarela” simboliza justamente esta unificação. Colocada no corpo do médium, formando uma elipse, é um verdadeiro portal que abrange as duas forças. O Roxo simbolizando a Cura, a Fé; e o Amarelo simbolizando o Conhecimento, Ciência. Da união destas cores, destas forças, nasce o Médium do Amanhecer. Doutrinador e Apará, ambos dispondo dos poderes das duas vertentes. Sim, pois o Jaguar é um cientista dos planos espirituais. Jaguar não á apenas o Doutrinador, é o Apará também, o médium iniciado que incorpora com consciência e conduta doutrinária. Vivenciando o fenômeno da Voz Direta, compreendendo e conduzindo a incorporação, enquanto o Doutrinador, dotado do Terceiro Verbo, explica traduzindo aos olhos físicos. A Fé que nega a Ciência é tão inútil quanto a Ciência que nega a fé! Nesta máxima, Tia Neiva expôs claramente que nossa Doutrina não é uma religião a ser seguida de olhos fechados, sem poder se questionar os “porquês” e entender os fenômenos. Também nos disse que: Aquele que passa pela Doutrina do Amanhecer sem conhecer as suas Leis, não se cura e tão pouco cura a ninguém. Por isso temos o curso de Pré-Centúria! Para esclarecer, trazer a Luz do conhecimento sobre os fenômenos vivenciados nos primeiros passos do desenvolvimento mediúnico, quando o mais importante é ter condições e aprender as técnicas para desempenhar os Trabalhos Espirituais. 
Na simplicidade da Fita que atravessa nosso plexo, encontramos a equação perfeita para nos conduzirmos e vivenciarmos a Doutrina. Aquele que não busca sua evolução, que não vai em busca de compreender o quê se passa nos trabalhos, que simplesmente aceita tudo sem questionar; não está equilibrando os dois valores. Precisa ir em busca da Individualidade e compreender a grandeza que está ao seu redor! Somente assim poderá valorizar a oportunidade que recebeu ao ingressar, e assumir esta jornada. Da mesma maneira, aquele que se envolve fixação das Leis e Chaves, zelando para que tudo seja perfeito, mas esquecendo-se de observar os fenômenos, apenas prendendo-se a parte técnica da Doutrina, também perde a essência do equilíbrio pregado em sua primeira arma: A Fita! Salve Deus! Bom senso é a palavra de ordem em todos os pontos de nossa Doutrina! Temos que vivenciar os fenômenos e ir em busca de sua compreensão. Primeiramente em nossa Individualidade, na consciência adormecida de nosso espírito, e depois, nas Cartas e Leis, na Centúria, onde devemos exigir o máximo de nossos instrutores para esclarecer, iluminar e eliminar todas as nossas dúvidas. O Doutrinador ao atravessar a Fita no seu peito, não pode trabalhar em dúvidas! O Apará, usando esta Fita, entrega-se nas mãos do Doutrinador, porém sua consciência absorve todo o ensinamento diretamente dos Mentores incorporados. O Homem moderno ainda busca exaustivamente uma bandeira de equilíbrio. Alguns mergulham nas religiões, explicando tudo pela Fé, pela Bíblia, pelos Dogmas e seus “mistérios”; e se fanatizam! Outros, imersos nos conhecimentos da Ciência, se tornam cépticos! A Doutrina do Amanhecer vem trazer a unificação! Esclarecer os fenômenos mediúnicos sob a Luz da Ciência Espiritual. Por isso somos “Cientistas da Fé”!


Verbo

Na linguagem comum, verbo é a palavra que exprime uma ação, uma modificação de estado, uma afirmação.
Na Psicologia, é a palavra interior, mental, constituída por conjunto de imagens auditivas, visuais, motoras e outras, que se sucedem na mente humana como se fossem intermediárias entre o pensamento mudo e a palavra exterior, expressa.
Temos o Verbo Divino, segunda pessoa da Santíssima Trindade, que, segundo o Evangelho, fez-se Homem na figura de Jesus Cristo.
Na Doutrina do Amanhecer, o Verbo é uma classificação espiritual em SETE níveis, em que se determinam as diversas condições de atendimento na projeção de forças.
Do Segundo ao Terceiro são uma condição exclusiva das Ninfas do Amanhecer:  as Ninfas Sol são do Terceiro Verbo e as Ninfas Luas do Segundo Verbo, porque estas não fazem elevações dos espíritos Inluz, o que só é permitido às ninfas do Terceiro Verbo.
Os Mestres atingem do Quarto ao Quinto - os Ajanãs - e os Doutrinadores do Sexto ao Sétimo. Isso só vale para aqueles que têm os plexos iniciáticos.
Antes da Iniciação, quando ainda não receberam a projeção do Raio de Eridan, os Médiuns em desenvolvimento são todos - tanto Lua como Sol - do Primeiro Verbo.
Pelo Verbo - ou seja, pela Palavra - eles atingem diferentes planos espirituais na força de seus trabalhos. Por isso, não há como uma Ninfa Lua fazer uma entrega, porque ela não tem o Verbo - a emissão - com a força necessária àquela elevação.
Postado por Templo Puemar do Amanhecer

BONUS

Resultado de imagem para Bônus são o nosso tesouro, nossa riqueza que depositamos no Céu. São o resultado dos trabalhos espirituais e, com eles, o médium dá condições a seus Mentores para que estes possam lhe ajudar.

Segundo Mateus (VI, 19-21), Jesus disse: “Não queirais entesourar para vós tesouros na Terra, onde a ferrugem e a traça os consomem, e onde os ladrões os desenterram e roubam. Mas entesourai para vós tesouros no Céu, onde nem a ferrugem nem as traças os consomem, e onde os ladrões não os desenterram nem roubam. Porque onde está o teu tesouro, aí está o teu coração!”.
Bônus são o nosso tesouro, nossa riqueza que depositamos no Céu. São o resultado dos trabalhos espirituais e, com eles, o médium dá condições a seus Mentores para que estes possam lhe ajudar. Não é um pagamento, na concepção que temos, mas sim algo que nos é dado como reposição pelo amor com que nos entregamos às nossas atividades na Lei do Auxílio. Pela aquisição de bônus-horas recebemos o merecimento, que nos proporciona condições mais amenas para nossas difíceis passagens cármicas, pois a Espiritualidade executa o trabalho por nosso intermédio e nos vai creditando bônus-horas, créditos espirituais que resgatam, em parte ou no todo, as dívidas que temos desta ou de outras encarnações.
Os bônus são pequenas células de energia vital que vão se desagregando de um para o outro, fortalecendo nosso Sol Interior, rejuvenescendo nossas células.
Quando um espírito encarnado começa a cometer desatinos e enveredar por tristes caminhos, prejudicando a si mesmo e àqueles que estão ao seu redor, a Espiritualidade faz o leilão daquele espírito, isto é, ele é acolhido pelo irmão Inluz que der o maior lance, em bônus, e passa a escravo de grandes lideres das Trevas, sendo seu desencarne provocado antes do tempo previsto.
Os bônus entregues em pagamento enfraquecem aquele que o adquiriu e são usados para resgatar outros espíritos que tenham cumprido suas penas no Vale das Sombras.
Quando, no trabalho de prisioneiros da Espiritualidade Maior, recolhemos bônus no Livro do Prisioneiro, devemos fazê-lo com muito amor, tolerância e humildade, para que estes bônus possam ajudar na libertação. Esse livro deve ser guardado no nosso Aledá, para ser usado em momentos de dificuldades, pois tem impregnação de efeitos físicos. Segundo Koatay 108, a energia ali contida pode até processar uma cura.
Importantes observações sobre os bônus:
1. Não se recebe bônus para outra pessoa, nem mesmo no Livro do Prisioneiro. Você trabalha unicamente para você mesmo, os bônus de seu trabalho são exclusivos para você. Nem o Adjunto, nem uma Primeira de Falange Missionária, ninguém - a não ser você - recebe os bônus que lhe são destinados. O que poderá e deverá ser feito, isso sim, é que com a recepção de muitos bônus, você terá condições melhores para o seu trabalho espiritual e, então, irá ajudar a quem quer que mentalize para receber suas vibrações de amor, e não os seus bônus. Atualmente, por expressa autorização do Trino Arakém, podem ser pedidos bônus em um segundo caderno, em favor de alguém que não possa colhê-los pessoalmente e precise de ajuda numa situação grave de atuante cobrança.
2. Quando damos bônus com amor, recebemos o dobro da Espiritualidade.
3. No trabalho de Prisioneiro, deve haver um interesse do Médium em equilibrar seus bônus arrecadados com as assinaturas em seu Livro com os recebidos nos trabalhos na Lei do Auxílio. Após a libertação, este Livro deve ser guardado no Aledá, para ser utilizado quando necessário, pois tem impregnação de efeito físico, podendo realizar curas.
4. Não se pode dar bônus com o nome de pessoas já desencarnadas, pois os bônus são condição do ser vivo, que tem plexo físico e força vital.

O Livro de Leis estabelece o valor dos bônus pelos trabalhos realizados pelos prisioneiros:
Abatá – Alabá – Cortes – Cruz do Caminho – Escalada Completa Estrela Candente – Estrela de Nerhu (Sublimação) – Imunização – Leito Magnético – Pirâmide – Turigano – Unificação -  (1.000)
Estrela Aspirante -  (700)
Quadrantes -  (600)
Randy -  (500)
Cura – Defumação – Indução – Junção – Sudálio - (300)

1) O Prisioneiro, para obter bônus, deve se anodizar no Turigano com sal e perfume, fazendo uma breve mentalização.
4) Nada impede o Prisioneiro de fazer suas viagens, podendo, inclusive, pedir bônus onde ele estiver...
7) A partir de 1-1-83, o bônus valerá quatro - dois para quem dá e dois para quem recebe. Porém, seu débito na Espiritualidade continuará sendo de dois mil bônus, variando às vezes no Julgamento, a critério do Advogado e dos Sentinelas.
Nossa Esther, uma jovem Yuricy, morreu em um desastre. Estava prisioneira e possuía 684 bônus. Seu primeiro choque, ao chegar, foi a presença de sua Guia Missionária que, antes de qualquer ação, puxou Esther para junto de si.
Esther foi julgada, com a quantia de setecentos bônus e teve sua libertação! A consciência de Esther, como Doutrinadora e Ninfa Sol Yuricy, foi levada por sua Guia Missionária Atareza Verde Eskra.
No julgamento, Esther não teve problemas com seus cobradores, nem desta e nem de outras encarnações. Apenas sente a saudade do filho que deixou... 
(Tia Neiva, 14-12-82)
“Quero deixar bem esclarecida a Vida além do mundo físico. Fui levada por Humarram, há muitos anos, para ver o quadro de uma enorme família que chegava da Terra. Interessante aquele grupo que viera por força de um desencarne em massa. Todos se organizaram: chegaram ricos e logo compraram suas mansões.
Perguntei a Humarram:
Onde conseguiram dinheiro?’
Conseguiram na luz dos seus bônus!
E o que fizeram para ganhar bônus?
‘Fizeram amigos na Lei do Auxílio, respeitosamente tiveram suas consagrações ou sacramentos; com respeito e amor ajudaram os outros; tiveram tolerância com seus vizinhos e demais comportamentos que não fizeram sofrer os outros."
(Tia Neiva, 11.9.84)
“Podes guardar o pão para muitos dias, ainda que o excesso da tua casa signifique a ausência do essencial entre os próprios vizinhos; todavia, quando puderes, alonga a migalha do alimento aos que fitam o fogão sem lume!
Podes conservar os armários repletos de vestes inúteis, ainda que a traça concorra contigo à posse do pano devido aos que se cobrem de andrajos; no entanto, sempre que possas, cede a migalha de roupa aos que sentem frio!
Podes trazer bolsa farta, ainda que o dinheiro supérfluo te imponha problemas e inquietações; contudo, quando puderes, oferece a migalha de recurso aos irmãos em necessidade!
Podes alinhar perfumes e adornos para uso à vontade, ainda que pagues caro a hora do abuso; mas , sempre que possas, estende a migalha do remédio aos doentes em abandono!
Um dia, em que será noite em teus olhos, deixarás pratos cheios, móveis abarrotados, cofres e enfeites, para a travessia da grande sombra.
Entretanto, não viajarás de todo nas trevas, porque as migalhas de amor que tiveres distribuído estarão multiplicadas em tuas mãos como bênçãos de Luz!...
(Autor desconhecido)
Postado por Templo Puemar do Amanhecer


A CURA DESOBSESSIVA
O OBJETIVO MAIOR DO VALE DO AMANHECER

Ciência classificou como doente qualquer pessoa que apresente desequilíbrio ou desvio em um de seus três aspectos: físico, mental ou social.
Na nossa Doutrina, como na maioria das linhas espíritas, acrescentamos o fator transcendental. Aqui manipulamos energias, aprendemos que, no Universo que nos rodeia, nós e tudo o mais somos apenas formas de energia, cada um sendo emissor de uma frequência própria de vibrações.
Natureza, onde a escala natural - mineral, vegetal e animal - apresenta, em cada nível, uma complexidade maior na formação de seus seres, os mais adiantados apresentam órgãos que vibram, cada um, independentemente do outro, mas compondo uma resultante que é a vibração daquele ser.
No Homem, uma mudança na frequência de um órgão, determina a doença. Por isso, seriam usadas as vibrações para corrigir e normalizar a frequência vibratória desse órgão “doente”.
Pelos estudos modernos e científicos, as células do corpo humano selecionam e rejeitam certas vibrações, podendo, mesmo, por ação de uma vibração, alterar sua freqüência e o seu campo eletromagnético, gerando, caso seja uma vibração negativa, uma despolarização de graves conseqüências para o órgão que compõem.
Por isso é preciso criar, em torno do doente, um ambiente positivo, com vibrações positivas e manipulação de forças geradoras de paz e confiança.
Numa das passagens do Evangelho, Mateus (VIII, 16) nos relata: “E, chegada a tarde, trouxeram a Jesus muito endemoninhados e Ele, com a sua palavra, expulsou deles os espíritos, e curou todos os que estavam enfermos.” E, em IX, 32 e 33: “Trouxeram a Jesus um homem mudo e endemoninhado. E, expulso o demônio, falou o mudo, e a multidão se maravilhou, dizendo: Nunca tal se viu em Israel!
Normalmente, qualquer enfermidade tem sua origem nas alterações de nosso padrão vibratório, que podem ser causadas por pensamentos, ações ou reações diante de fatos e pessoas com que nos defrontamos em nossos caminhos cármicos, ou de irmãos desencarnados, obsessores  e elítrios ou ovóides, que são colocados junto a nós quando ainda somos apenas fetos.

Mateus (X, 1 e 5 a 8) nos conta: Jesus, chamando seus doze discípulos, deu-lhes o poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal. Jesus enviou estes doze e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelos caminhos das gentes, nem entrareis em cidades de Samaritanos; mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel, e, indo, pregai, dizendo: É chegado o Reino dos Céus! Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça dai!”
Sobre nossas doenças, sabemos que algumas são acidentais, e podemos nos recuperar no trabalho de equilíbrio de nosso padrão vibratório, enquanto outras são cármicas, e não temos como escapar, só nos restando enfrentá-las sem revolta, com tolerância e amor, visando aplacar o sofrimento.
Devemo-nos lembrar de que, quando fizemos nosso roteiro reencarnatório, escolhemos como iríamos desencarnar. Ora, se nos defrontamos com uma doença fatal, que foi a que escolhemos para fazer nossa passagem, não há o que se desesperar nem ir buscar em outras linhas uma cura impossível.
Quanto mais cultivarmos pensamentos negativos, mais estes vão se tornando físicos, tornando nossos atos cada vez mais negativos, carregando de energias de baixo padrão o nosso corpo sutil e a nossa aura.
Estaremos alimentando aqueles irmãozinhos que, por motivos transcendentais, foram colocados junto a nós para um reajuste, e vibrando negativamente, especialmente em nossos pontos mais vulneráveis, conseguem atingir o nosso físico.
Através dos chakras, essa energia negativa atinge nosso corpo físico, desencadeando males que vão desde um simples resfriado até complicações circulatórias e câncer.
Por isso, é fundamental que nossos pacientes da Cura Desobsessiva passem, antes, pelo atendimento nos Tronos, para que os Pretos Velhos possam afastar irmãos desencarnados daquelas auras, facilitando o trabalho dos Médicos de Cura.
Um obsessor pode levar aquele que obsidia a extrema fragilidade física, pelas energias que suga. Nossa Cura Desobsessiva é um trabalho puramente espiritual, agindo pelo ectoplasma na aura do paciente, não envolvendo diagnósticos nem receitas médicas, buscando implantar a harmonia nas células.
É preciso alertar o paciente para que continue passando nos trabalhos e, se possível, desenvolva sua mediunidade, uma vez que a atuação direta, no organismo, é aliviada, mas a cobrança prossegue, e só por ação mediúnica do próprio paciente é que poderá ocorrer o afastamento do cobrador, com sua possível elevação para os planos espirituais mais adiantados.
No Livro de Leis constam o ritual e importantes observações sobre a Cura.
Não existe qualquer contato com o paciente, exceto no plano astral, e a recomendação, feita nos Tronos, é a de que o paciente continue seu tratamento com os médicos terrenos, se o estiver fazendo, e, no máximo, é sugerido que leve água fluidificada, do Templo, para usar como complemento dos remédios que estiver tomando, pois os procedimentos físicos, terapêuticos, ajudam à cura física, que proporciona a predisposição orgânica necessária para o bom aproveitamento do tratamento espiritual.
Não se deve cair em desespero, buscando os destaques de fenômenos curadores, como, no momento, temos em Pau Melo e em Abadiânia, como já tivemos Zé Arigó, porque eles só podem atuar em doenças não cármicas, agindo como orixás de grandes falanges de espíritos médicos, manipulando poderosas energias que curam o físico de seus pacientes.
Na Cura Desobsessiva, na nossa Doutrina, trabalha-se a energia do corpo sutil e tudo que outros médiuns podem fazer, nós ali fazemos com maior eficácia. É certo que o resultado vai depender, na maioria dos casos, do merecimento do paciente. O processo de cura começa do interior para o exterior do paciente. A aceitação do tratamento é fundamental, e independe da fé ou crença do paciente.
A falange de Médicos do Espaço sempre está pronta a agir em nosso socorro. Quando vamos a um médico na Terra, devemos, antes, pedir aos nossos Mentores que nos protejam e aos Médicos do Espaço que projetem na mente do médico que vamos consultar, para ajudá-lo no correto diagnóstico do nosso mal físico.

Enquanto muitos buscam a cura imediata para os males do corpo físico, a Doutrina do Amanhecer realiza a Cura Desobsessiva, que significa a CURA DO ESPÍRITO, e não a cura física. A doença que se apresenta em nossos corpos físicos, muitas das vezes é o reflexo da doença dos nossos espíritos e o Vale do Amanhecer trabalha incessantemente para a cura dos espíritos, sejam eles encarnados ou desencarnados. Não adianta os supostos milagres registrados pela grande mídia, se estas pessoas não buscarem a cura real para seus espíritos. Quando desencarnarem, poderão ficar presas no etérico da Terra, pois não lhes foram ensinado a cura dos seus próprios espíritos mostrando-lhes a verdadeira ligação que elas têm com Deus nos mundos de suas origens.

É por isso que a Doutrina do Vale do Amanhecer, através dos olhos da Clarividente Neiva, além de ensinar as coisas relacionadas ao mundo do Espírito, ensina também a relação dos homens com os mundos estelares, com outros planetas e dimensões, reafirmando, portanto, o que disse Jesus - na casa do meu Pai há muitas moradas.
Um dos fatores de cura dos espíritos, está em aprenderem a desprender-se do Planeta Terra e retornarem à estas Divinas e conceituadas casas proferidas por Jesus. Uma delas é CAPELA, o Planeta matriz da Terra que tem o compromisso, através do Mestrado da Doutrina do Amanhecer, de encaminhar os espíritos desencarnados até as Casas Transitórias e de lá chegarem às suas origens. Tudo isso é feito por uma infinidade de Rituais e Trabalhos que foram implantados pela Clarividente Neiva. Esta é a cura que nós praticamos, sem necessariamente preocuparmos exageradamente com a cura dos males físicos, objeto de preocupação do Homem comum deste planeta.
A Terra está em transição para passar de uma faixa vibratória para uma faixa vibratória melhor. E, enquanto isso não acontece em seu ápice, a Doutrina do Amanhecer através do seu mestrado tem o compromisso de passar o maior número de espíritos possível para estas dimensões Divinas libertando-os dos planos vibratórios inferiores do nosso Planeta. Isso se faz pela manutenção dos nossos rituais e trabalhos. Por esta razão, é que falo agora para todos os Mestres e Ninfas do Amanhecer. Precisamos, agora, mais do que tudo da VERDADEIRA UNIÃO DE TODOS OS COMPONENTES DE NOSSA DOUTRINA, pois nossa Missão é a maior de todas as Missões da Terra, assim nos disse o nosso grandioso Pai Seta Branca.

Certa vez eu estava envolvida como que em teias de aranha. As pessoas haviam posto na cabeça que eu curava, adivinhava e dava remédios. Isso era horrível! No espaço, tenho companheiro para tudo, na hora de adivinhar, de curar. Porém, para a cura física, sofro muito. Ninguém quer me ajudar!
Trouxeram-me um homem aos gritos. Vinha do médico. Comecei a cura desobsessiva, pois vi um 
elítrio bem adiantado. Nesta época não dispunha de um Doutrinador formado. Pensei em utilizar alguns Aparás, mas os vi ali, sem qualquer sintonia. E aconteceu que o homem piorava, berrando de dor.
Como nem os
 Pretos Velhos e nem os Caboclos que estavam por ali me aconselhavam com alguma medicação física, resolvi administrar uma medicação bem conhecida, e qual não foi minha surpresa ao ver Vovô Hindu aparecer, dizendo: Filha, não comece errado! Você veio como Missionária da Vida Eterna e jurou pelos seus olhos, também, para ensinar o certo. Deus colocou o médico na Terra com a Ciência Biológica. Como pode você desafiar esta Ciência que já está pronta? Se veio com a Missão Crística Evangélica, nada tem a ver com a Ciência Biológica! Se quisesse desafiar a Medicina ou as Leis da Terra, Pai Seta Branca a teria preparado como médica, como bacharel ou mesmo em Letras...
O remédio estava ali. Olhei Vovô Hindu, e ele sorriu. Dei o remédio e, após mais ou menos cinco minutos, o homem estava bem, e foi embora. Fiquei meio encabulada. Vovô Hindu começou, então, a me contar essa história:
- Quando o Anjo Ismael decidiu que o Brasil seria a Pátria do Evangelho, vendo a chegada do Africanismo convocou os cientistas alemães, promovendo sua sublimação, proibindo o curandeirismo. Estabeleceu-se que os médicos de cura desobsessiva baixariam nos aparelhos mediúnicos, enquanto os médicos de cura física terrena atuariam nos médicos profissionais encarnados na Terra.
Salve Deus.
(Tia Neiva, s/d)
“Em muitos casos, as perturbações mentais dominam o homem de um modo clínico, pois todos os transtornos são de motivos psíquicos, profundos, dolorosos, de acordo com a sensibilidade do caso, da região afetada alucinatória.
Devemos considerar o fator psíquico mesmo que seja no pé. Temos que destacar com um trabalho desobsessivo.
Me faz lembrar de um homem que tinha uma grande dor na espinha a ponto de não poder sentar-se. Não podia mais andar. Os médicos tiraram diversas radiografias e o homem sempre pior. Chegou no Templo em uma cadeira de rodas, que mal podia sentar. Cheguei também na hora.
Quando me viram foram dizendo:
- Este homem teve meningite e ficou com este defeito na espinha. O coitado ficou aleijado e o médico diz que não tem nada, é um absurdo!
Percebi que se tratava de um ELÍTRIO. Mandei que passasse em três tronos. Os Pretos Velhos mandaram que ele voltasse e, por fim, encontrei o homem restabelecido.” 
(Tia Neiva, 16.3.78)
“Pensamos naquele homem cuja perna ia perder. Chegou um cientista e, no plano físico, lhe deu um remédio e o libertou. O Homem, com suas duas pernas, se pôs a correr e a se chocar, em desafio com outros homens. Voltou à sua dor primária, indo ver-se em seu antigo estado. O cientista, tornando a vê-lo, triste, foi lhe dar o mesmo remédio. Não, ele não precisava mais do cientista! Desta vez sua doença era na alma. Enganou-se: o cientista tirou do bolso o Evangelho e lhe deu sua cura!” 
(Tia Neiva, 12.12.78)
“Ponha uma toalha branca em uma mesa, acenda uma vela, ponha um copo de água , seu talismã, sua cruz e um pequeno defumador. Faça a Prece de Simiromba, sentindo com amor a presença dos Mentores e, em Jesus, processe a sua cura, a cura desobsessiva.
cura desobsessiva é a cura física. 
Cura, por exemplo, uma grande perturbação, já que tira o espírito perseguidor. Homens perseguidos por um espírito que maltrata a família e que o faz perder seus negócios; homens que vivem em total miséria, que se entregam ao ridículo com vícios, etc." 
Salve Deus! Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do Amanhecer


Cura Vibracional

Na Doutrina aprendemos que, no Universo que nos rodeia, nós e tudo o mais somos apenas formas de energia, cada um sendo emissor de uma freqüência própria de vibrações.
Na Natureza, onde a escala natural – mineral, vegetal e animal – apresenta, em cada nível, uma complexidade maior na formação de seus seres, os mais adiantados apresentam órgãos que vibram, cada um, independentemente do outro, mas compondo uma resultante que é a vibração daquele ser. Essa ideia é importante quando se trata da doação de órgãos.
No Homem, uma mudança na frequência de um órgão, determina a doença, e é preciso que ele vá se libertando das paixões e atuações de sua sombra  e melhorando, progressivamente, elevando sua mente e seu coração aos planos vibracionais superiores.
Por isso, seriam usadas as vibrações para corrigir e normalizar a frequência vibratória desse órgão “doente”. Pelos estudos modernos e científicos, as células do corpo humano selecionam e rejeitam certas vibrações, podendo, mesmo, por ação de uma vibração, alterar sua frequência e o seu campo eletromagnético, gerando, caso seja uma vibração negativa, uma despolarização de graves consequências para o órgão que compõem.
O Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, da Associação Médico-Espírita do Brasil, informa: “A possibilidade de interferência de um mundo espiritual nos processos de cura ou doença é fenômeno cuja visualização científica permeia a raridade. Tanto a doença como a cura são processos de conquista diária e, no caso de cura, árdua luta que leva tempo. Nesse caso, apenas no momento em que a pessoa se faz merecedora é que advém a cura (lei de ação e reação espiritista). Essa cura está centrada na transformação do espírito em direção a determinados valores como a fraternidade, a humildade, o perdão, o trabalho e o amor. O processo de doença, assim como o norteamento terapêutico, devem ser analisados sob a ótica bio-psico-sócio-espiritual, pois são sistemas que agem em sinergia. O sistema espiritual e psíquico não é antagônico, em termos de abordagem metodológica, ao sistema biológico.”
É uma opinião que já tem encontrado adeptos em diversos ramos da Ciência, que dá visão mais ampla das ações de espíritos obsessores no desequilíbrio da saúde.
Um mal denominado “quebranto” é proveniente da captação de vibrações energéticas pesadas, que podem ser dispersas pelo ato de “benzer” a vítima, o que não contraria nossa Doutrina.
Quando usamos a manipulação de forças para afastar uma influência externa, de origem transcendental, um espírito que esteja provocando um mal físico, estamos aplicando a cura desobsessiva .
Todavia, existem variedades dessas alterações vibratórias nocivas que se restringem ao próprio ser, isto é, podem até gerar condições de diminuição do padrão vibratório que propiciem, além do mal físico, a atração de espíritos de baixo padrão, pelo fator afinidade .
O ser humano é um mundo em miniatura, complexo e intensamente dependente de suas emoções. Qualquer tipo de emoção determina a produção de vários hormônios – adrenalina, noradrenalina, tirotropina e outros – que afetam diretamente nosso padrão vibratório.
Desde a gestação, quando o feto já sente as vibrações de amor - ou de rejeição - dos pais, passando pela infância - período de ajustamento à convivência que dá os sentimentos de abandono, humilhação, medo e rejeição, frutos da educação e da crítica dos adultos, que vão formando a nossa sombra -, e chegando à fase adolescente, quando explodem as potencialidades do ser, sob o aspecto mediúnico, nossa vida é repleta de percepções que interpretamos por escala de valores que construímos pelos conteúdos de mensagens, comportamentos e crenças que nos envolveram desde a nossa concepção.
Temos, assim, uma carga de bons e maus sentimentos, incluindo, nestes, o medo, o isolamento, a ansiedade, a vergonha e a culpa. É esse conjunto de negatividade que nos leva ao desequilíbrio vibracional, anulando o lado bom e causando doenças.
Nosso estado de saúde depende do equilíbrio entre três importantes fatores, que são interdependentes: o psicológico, o orgânico e o econômico.
Assim, temos que ter a consciência de que nosso bem-estar vai depender de nosso próprio interior e, quando entramos em uma doença, temos que reagir e pensar que estamos contribuindo para esse mal, porque nossa posição negativa influi de forma determinante para isso, seja gerando cargas negativas para nossos órgãos como, pela afinidade, dando condições de um obsessor ou um cobrador espiritual agir.
Por exemplo: o sentimento de medo ou insegurança frente a alguma situação gera tensão que provoca enfraquecimento do sistema imunológico e, assim, dá condições para a atuação de vírus que todos temos no organismo, aparecendo uma doença.
Por isso, temos que saber lidar com nossos males físicos. Nem sempre decorrem da ação de espíritos sem Luz, mas de nossas próprias condições. Temos que agir pela cura vibracional, isto é, buscar dentro de nós mesmos a reversão de nosso padrão vibratório, fazendo na prática o que nos disse Jesus, segundo Mateus (XXII, 34 a 40): “Mas os fariseus, quando ouviram que Jesus tinha feito calar a boca aos saduceus, se reuniram em conselho. E um deles, que era doutor da lei, tentando-o, lhe perguntou: Mestre, qual é o grande mandamento da Lei? Disse-lhe Jesus: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o máximo e o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas!
Assim, mostrou Jesus a importância do amor a si mesmo. E esta é a chave da nossa cura vibracional: o amor por nós mesmos, estabelecendo uma ligação entre o Céu e a Terra, permitindo a aproximação de nossos Mentores e propiciando a nós mesmos condições de melhorarmos nosso padrão vibratório e curarmos a nós mesmos dos males físicos de que somos acometidos.
Existe uma importante ligação entre a energia mental e o plexo físico, que determina condições físicas a partir de moléculas geradas no cérebro e que atuam no nosso sistema imunológico. Estas substâncias são conhecidas cientificamente como peptídios, já tendo sido classificadas mais de sessenta tipos, inclusive as endorfinas, interleucinas e interferon, que agem como transformadores de sentimentos em matéria ativa, fazendo a ligação entre a alma e o corpo.
Isso faz com que a vontade de viver se sobreponha à doença, fazendo com que o Homem consiga vencer doenças graves ou consideradas incuráveis ou terminais com a força de seu pensamento positivo e de sua vontade de viver.
A vida está cheia de ameaças e desafios, mas com o conhecimento e a fé podemos passar por tudo de forma tranquila e segura. Esta força faz com que algumas substâncias que, segundo a Ciência, não têm qualquer valor ou ação farmacêutica, chamadas placebos, passem a ter uma ação inexplicável em diversas situações. Na verdade, elas são simples agentes de nossa energia mental, impregnadas pelas vibrações positivas, que agem efetivamente na redução e cura de numerosas doenças, sem que a Medicina saiba como funcionam.
Pela energia mental, acionamos nosso sistema imunológico e geramos substâncias que levam à cura, da mesma forma com que cicatrizam ferimentos e confinam a ação de bactérias e vírus diversos, que ficam incubados, aguardando uma fraqueza orgânica - ou vibracional - para atuarem.
Temos que nos amar, amar a vida, sentir a beleza do Universo, nos harmonizarmos com ele, fazer a prática da caridade, com o que melhor temos em nós, para ajudar aos nossos irmãos, tanto encarnados como desencarnados, para podermos ter o merecimento de receber a ajuda de nossos grandiosos Mentores através de nossos chakras, potencializando em nossa mente toda essa força e projetando em nosso corpo a cura vibracional.
Quando nos revoltamos ou nos desequilibramos quando nos é dado um diagnóstico de um mal grave, temos ampliada a gravidade da doença pela nossa postura mental.
Temos que reagir, temos que mandar uma mensagem de vida e resistência a cada célula de nosso corpo. Sem isso, nosso sistema imunológico fica debilitado, causando desde resfriados prolongados, alergias, asma, lúpus, artrite reumatóide, diabetes e esclerose múltipla, à dificuldade de se defender de células cancerosas e de AIDS.
Não podemos abrir a guarda de nosso corpo pela debilidade da nossa energia mental. Temos que manter a nossa vontade de viver, de resistir, ampliando o nosso padrão vibracional, de modo que, se manifestada alguma doença, possamos atacá-la com todo o poder de recuperação de que dispomos.
Todo esse poder, toda a esperança de nossa vida melhorar, está dentro de nós, e a Doutrina nos ensina como desenvolvê-lo, na dedicação na Lei do Auxílio. Temos que aprender a lidar com os sentimentos e com nossa autocrítica, sempre com amor, humildade e tolerância.
Com amor, para estarmos receptivos às forças extra-cósmicas e podermos nos ligar aos planos superiores; humildade para, sem sentimentos de culpa ou de vergonha, entendermos nossos erros e fraquezas; e tolerância para lidar com os que estão ao nosso redor, que de nada têm culpa e suportam a nossa pesada vibração, que se manifesta através de agressões, queixas e acusações.
Toda uma revolução tem que ser feita em nosso íntimo, quando entramos em uma doença, desde a mais simples até às mais graves, como casos de câncer ou AIDS. Somente pelo amor e pela intensa atividade de nossa energia mental podemos reagir a esses males, fazendo com que nossa vibração se torne a mais positiva possível, superando e eliminando quaisquer sentimentos de rejeição ou abandono.
O Dalai Lama disse: "O poder de cura do espírito segue, naturalmente, o caminho do espírito. Não reside entre as paredes dos prédios luxuosos, nem no ouro que recobre as imagens, nem na seda com que se modelam as roupas, nem mesmo no papel dos documentos sagrados, mas vive na inefável substância da mente e no coração dos Homens. Devemos sublimar os instintos de nosso coração e purificar nossos pensamentos."
Fonte: Tumarã
Postado por Templo Puemar do Amanhecer

Resultado de imagem para vale do amanhecer

Nenhum comentário:

Postar um comentário